Nem tudo são filmes

Todos sabemos que todos os anos vários livros são transformados em filmes. Sabemos também que os autores estão mais ou menos envolvidos no processo da transformação dos seus livros em filmes. O que não nos dizem é que alguns autores não aprovam, nem de perto, nem de longe o que a industria cinematográfica fez com os seus filmes.
J.K.Rowling, a autora de Harry Potter, e Stephanie Meyer, a autora de Twilight, estão entre alguns dos escritores que gostaram do que o cinema fez das suas sagas. A prova disso é que todos os seus livros foram transformados em filmes e há todos um merchandizing em torno dos mesmos.
Os fãs de Roal Dalh, autor de Charlie e a Fábrica de Chocolate, no entanto, sempre se questionaram do porquê da sequela do livro, Charlie e o Elevador de Vidro, nunca ter chegado às salas de cinema. A verdade é que o autor odiou a interpretação do actor escolhido para representar Willie Wonka, a maneira como a história foi contada e não autorizou a que a sequela fosse transformada em filme.
Ursula Le Guin, a autora do Ciclo de Terramar, escreveu um pedido de desculpa aos fãs pelo que os produtores da mini-série de Terramar fizeram à mesma. Nas suas palavras "Se soubesse que iriam fazer isto, jamais teria vendido os direitos para a criação de uma série". Desde uma distorção da história à raça dos personagens, a mini-série fica a quilómetros dos livros originais parecendo quase um trabalho independente.
Até que ponto poderão os fãs de um livro, e os autores, perdoar as adaptações dos cinematógrafos? Até que ponto é aceitável a mudança de raça, sexo ou comportamento de uma personagem para o filme ser mais suave e hollyodesco? 
É interessante ponderar estas questões pois um dos motivos pelos quais o director dos filmes Senhor dos Anéis, Peter Jackson, quis para que o seu nome aparecesse junto ao título foi para dar a entender aos fãs que aquela era sua visão da saga e que a mesma não seria 100% fiel ao livro. Mesmo nas caixas dos dvd's se pode ser Peter Jackson's Lord of the Rings. A visão de Jackson sobre a obra de Tolkien e não uma adaptação da mesma.
Por isso e se alguma vez se questionaram o porquê do livro x ou y nunca ter chegado ao grande ecrã, a culpa pode ser de um realizador algures que assustou de morte o escritor com uma má interpretação dos seus livros. Ou pode ser apenas um medo do escritor de que a sua mensagem não seja bem transmitida.

Para verem mais livros que viraram filmes odiados pelos escritores cliquem aqui. E já agora digam-nos, há algum livro que virou filme que vos fez pensar no que o pobre do escritor estaria a sofrer?


Ki
(Catarina)
Sobre a autora:

Bibliófila assumida e escritora de domingo. Gosta de livros e tudo o que esteja relacionado com eles, tem a mania que tem opiniões sobre livros e gostas de as expor no seu blog conjunto Encruzilhadas Literárias, tem também uma conta no GoodReads e é das melhores coisas que já lhe aconteceu.

5 leitores reagiram:

  1. Charlie e a Fábrica de Chocolate foi um exemplo de filme que detestei e que, por isso, me fez por logo de parte o livro... e os restantes.

    No caso de Twilight, eu sou daquelas que achei que a má escolha de actores para os filmes diminuiu e muito o meu gosto da saga. Digo até que antes de ver os filmes lia e relia, depois de os ver nunca mais toquei nos livros.

    O facto de um livro virar filme tem muito que se lhe diga e muita coisa é influenciada. Não é só a perspectiva do realizador mas sim a parte visual de toda a história e todos os personagens. Quando vejo um filme, todas as caras e cenários vão me surgir ao ler o livro e isso vai destruir uma das melhores coisas da leitura - imaginar e criar sem intenção os nossos próprios rostos e cenários.

    ResponderEliminar
  2. Viva Inês!
    Concordo plenamente! A desvantagem de ver primeiro o filme e depois o livro é mesmo essa! A nossa imaginação já está completamente influenciada! Apesar de nunca ter experiência isso com o Twilight tive uma série de dificuldades com o último livro de Harry Potter onde já só imaginava os actores dos filmes!
    Acaba por ser uma chatice :/

    ResponderEliminar
  3. A grande questão, na minha opinião, é que o livro oferece apenas metade da história (enredo ou o que lhe quisermos chamar), o leitor faz o resto.
    Quanto aos filmes, o realizador, por razões lógicas, é obrigado a dar muito mais do que o escritor. E só os génios conseguem esconder um pouco daquilo que é suposto mostrarem.

    Vasco
    http://vascoricardo.blog.com

    ResponderEliminar
  4. Onde me aconteceu essa desilusão foi com Os Pilares da Terra, mudaram muito da história e para pior. Lembro-me de pensar "Como é que o Ken Follett autorizou isto!!!!"

    ResponderEliminar
  5. "O Senhor dos Anéis" é capaz de ser a minha saga preferida, apesar de os filmes serem um bocadinho diferentes dos livros, nada nos impede de adorarmos os dois.
    "A Guerra dos Tronos" também é uma série que também está muito bem adaptada. O facto de o autor escrever alguns episódios também deve ajudar a isso.
    Estava aqui a pensar que filme é que eu não gostei mesmo, mas acho que a resposta vai para o mesmo: a saga Twilight. Não o primeiro, que nem acho que esteja assim tão mau, afinal ainda não era muito comercial. Mas os outros são filmes bastante maus.
    Além disso, só consigo pensar nos filmes do Hulk, que foram adaptados da banda desenhada e que ficaram muito longe daquilo que era esperado.
    (acho que nunca escrevi um comentário rão longo xD)

    ResponderEliminar