Livros banidos

Livros. Janelas para experiências, vivências e ombros amigos. Muitos de nós vivem as suas maiores aventuras através de livros e descobrimos sempre mais sobre nós mesmos. Mesmo assim, ainda há muitos locais onde os livros são banidos, maior parte destes locais são escolas e assim sendo há crianças por todo o mundo que não tem algo tão simples como o acesso a um livro de Harry Potter na sua escola.
Pode parecer irreal mas é a mais pura verdade, todos os anos em redor do mundo, várias escolas e bibliotecas públicas são proibidas de disponibilizar certos livros para os seus leitores. As acusações são as mais variadas: satanismo, pornografia, distorção de valores, má linguagem (no sentido de serem usados muitos palavrões). São também banidos livros considerados ofensivos, sangrentos, com cenas de aborto, anti-família e com temas de ocultismo.
É uma lista infindável de razões para banir e afastar as pessoas de livros diferentes do normal. Muitos destes livros, na minha opinião, são livros que até nos poderão fazer pensar, como é o caso do livro Para a minha irmã de Jodi Picoult, que está banido por ser anti-família. Ora na minha opinião este até é um livro que aborda com um certo interesse o tema da família. É um livro que fere susceptibilidades, é sim, mas é isso que o torna cativante desde a primeira página à última, é um livro que nos faz perguntar: "Se fosse eu, faria o mesmo?".
Devo confessar que fiquei horrorizada quando entrei na lista de livros banidos e comecei a ver títulos de livros que já tinha lido, alguns deles eu tinha lido em criança e não achava que me tivessem feito mal. Alguém me explica a necessidade de banir o Huckleberry Finn, quando até existe uma série animada da sua história?
Para terem noção do quanto acho isto rídiculo e escusado fica aqui uma pequena lista de livros banidos que já foram editados em Portugal e os motivos pelos quais foram banidos. 
É provável que muitos de vós já tenham lido pelo menos um ou dois desta lista. Gostaria de saber se se sentiram efectivamente tão ultrajados pela leitura que acharam que ninguém deveria alguma vez mais ter acesso ao livro.
  1. A colecção Harry Potter por J.K. Rowling 
    •  banida por temas de bruxaria e satanismo;
  2. O Senhor dos Anéis, por J.R.R. Tolkien 
    •  banido por usar temas satánicos (o que é irónico pois o seu autor era um cristão devoto);
  3. Os Jogos da Fome, por Suzanne Collins 
    •  banido por ter cenas de sexo explicitas (gostava de deitar mão a esta versão do livro, visto que no meu não as encontrei);
  4. Para a minha irmã, por Jodi Picoult
    • banido por ser considerado anti-família;
  5. As aventuras de Huckleberry Finn e Tom Sawyer Mark Twain 
    • banido por chamar a atenção para a desigualdade de oportunidades entre as raças e por usar uma linguagem repleta de simbolismo;
  6. Cisnes Selvagem, de Jung Chan
    •  Apesar de bastante famosa no ocidente esta novela continua banida na China;
  7.  Visto do Céu, de Alice Sebold
    • banido por temas de sexualidade e pedofilia;
  8. Trilogia dos Mundos Paralelos de Philip Pullman 
    • Por ser anti-Deus e anti-religião;
  9.  Alice no País das Maravilhas, por Lewis Carol
    • Foi banido numa província chinesa por colocar os animais ao nível dos humanos por lhes dar o poder do discurso falado;
  10. O Código Da Vinci, de Dan Brown
    • Banido por atacar fortemente a Igreja Católica.
Para uma lista mais completa pode clicar aqui e para terem noção da dimensão cliquem aqui para verem o mapa da censura só nos Estados Unidos.

Este ano a "Semana dos Livros Banidos", durante a qual vos convidamos a ler um livro banido, será celebrada de 30 de Setembro a 6 de Outubro. Normalmente há leituras em voz alta dos livros banidos nas escolas que aderem ao projecto, bibliotecas locais e há mesmo quem o faça via youtube. 
Para mais informações sobre esta semana e como se pode fazer a diferença podem visitar o site Banned Book Week.

Abril de 1982: Sally Wendkos Olds, Presidente da Sociedade Americana de Jornalistas e Autores

Ki
(Catarina)
Sobre a autora:

Bibliófila assumida e escritora de domingo. Gosta de livros e tudo o que esteja relacionado com eles, tem a mania que tem opiniões sobre coisas e gostas de as expor no seu blog conjunto Encruzilhadas Literárias, tem também uma conta no GoodReads e é das melhores coisas que já lhe aconteceu.

Book Trailers da Semana

Mais uma semana que entrou e mais um motivo para divulgarmos mais uns book trailers!
Esta semana e após a miscelania da semana passada, decidimos criar um tema por semana para ajudar a uma maior homogeneidade. Esta semana o tema seleccionado foi Mistério/Thriller, porque não há nada como um livro que nos gele o sangue nas veias no meio deste calor.
Assim sendo, os booktrailers do topo Mistério/Thriller seguem abaixo com o respectivo link para o GoodReads para aqueles que tem conta no site puderem adicionar os livros às suas estantes se assim o desejarem.
Assim sendo e sem mais demoras, sigam para baixo do nosso pequeno corte para verem os trailers da semana!

Divulgação: Colectânea "Corda Bamba"

Caros leitores do blog,  

a Pastelaria Estudios Editora vai apresentar a sua nova colectânea Corda Bamba neste mês, dia 30 na Fábrica do Braço de Prata pelas 20:00 horas. Onde poderemos contar com a presença de Teresa Maria Queiroz e outros convidados.

A colectânea conta com 91 contos de 91 autores que balançam no infinito para criar uma possante obra literária. São 91 visões, todas diferentes materializadas em livro. Uma apresentação que vai trazer fogo entre as leituras, literalmente...

 Book Trailer:

 

Resultado do Passatempo "A Trama da Estrela"


Desde já gostaríamos de agradecer a todos os participantes pelo entusiasmo que demonstraram ao inscreverem-se no nosso segundo passatempo. É com muita pena que verificamos que nem todos leram as regras do passatempo com atenção, o que recomendamos que o façam num futuro passatempo.
Sendo assim, esta semana o Mr. Random escolheu:

N.º31 -Alexandre Carvalho Teves Costa Borges

Parabéns! Em breve receberás um mail do Encruzilhadas Literárias a confirmar os seus dados para envio do livro. Quanto aos outros participantes esperamos vê-los de novo no nosso próximo passatempo que poderá ou não, estar mais perto do que imaginam!
Boas leituras!

Vergonha é não ler!

Depois do artigo sobre a vantagem do anonimato que é ler e-books decidi falar da vergonha que leva as pessoas a preferirem ler num e-reader a revelar a capa do livro que estão a ler.
Quando somos pequenos os nossos pais controlam muito do que lemos, nem que seja apenas porque são eles que nos compram os livros e que nos levam às bibliotecas.
Mas há medida que vamos crescendo vamos desenvolvendo um gosto próprio de leitura. Há quem se apaixone por romance, há quem prefira os thrillers e quem nunca deixe de gostar de livros juvenis.
E como já diz o povo "gostos não se discutem", no entanto e face ao artigo que saiu sobre a vergonha dos britânicos em revelarem o que lêem fiquei deveras curiosas para saber se em Portugal se passaria o mesmo.
Rapidamente alguns dos nossos leitores me fizeram chegar através de comentários não terem vergonha alguma dos livros que lêem. O que me fez lembrar de algo que a minha mãe sempre me disse quando lhe pedia que me comprasse livros que achava que ela não ia aprovar, quando lhe perguntava se ela achava mal eu ler este ou aquele livro, ela respondia sempre à medida que o punha no cesto de compras "Vergonha, filha? Vergonha é não ler!".
E eu pergunto-me se ela não terá razão? Afinal a leitura abre-nos horizontes e sabemos que as nossas melhores leituras são as que desafiam tudo aquilo em que acreditamos, que desafiam os nossos conceitos sejam eles de sociedade, relações pessoais ou de possíveis futuros. Ler ajuda-nos também a perceber melhor quem somos e como vemos o mundo. Ler ajuda-nos a viajar quando temos de ficar no mesmo local. Ler ajuda-nos a descobrir como enfrentar as mais variadas situações.
E se quem não lê é como quem não é, não é caso para dizer que quem lê tem uma grande vantagem sobre quem não o faz? Não julgo as pessoas que não lêem tal como não gosto que as pessoas que amam correr me julguem por não o fazer, mas são coisas que me deixam a pensar.
Como sabem o meu ponto fraco é chick-lit, não é dos géneros que mais gosto de ler, mas de vez em quando e com a ajuda da Cláudia, que gosta do género e me aconselha muito do que leio na área, lá escolho uns para ler. Se estiver a ler em inglês não tenho problemas, levo o livro comigo para todo o lado mas se for em português não o levo para fora de casa. É uma sensação um pouco estúpida, talvez até embaraçosa que não devia ter mas tenho.
Se vergonha é não ler, mas há quem tenha vergonha do que lê, no que ficamos? E que pensam os meus caros leitores disto? Alguém aqui tem vergonha do que lê? Ou acham que vergonha, vergonha é não ler?


Ki
(Catarina)
Sobre a autora:

Bibliófila assumida e escritora de domingo. Gosta de livros e tudo o que esteja relacionado com eles, tem a mania que tem opiniões sobre coisas e gostas de as expor no seu blog conjunto Encruzilhadas Literárias, tem também uma conta no GoodReads e é das melhores coisas que já lhe aconteceu.

Problemas de livros usados

Aqui há uns dias enquanto passeava em vários grupos de troca de livros deparei-me com um comentário interessante. A rapariga, que tinha acabado de trocar um livro, estava a ventilar porque o mesmo vinha assinado e ninguém a tinha avisado de tal. Para mais, ela odiava livros assinados e nunca assinava os dela.
Ora sendo eu uma leitora de livros usados compreendo que a rapariga se tenha sentido defraudada, efectivamente há que avisar se os livros estão ou não assinados, mas sinceramente achei giro que ela se preocupasse tanto com isso.
Atenção! Não gozo com ela, todos temos as nossas pequenas manias e isso faz de nós o que somos. Eu, por exemplo, odeio ter livros de uma saga com capas diferentes. É verdade, não há nada que me dane mais do que ter a colecção d'Os Primos em Guerra da Phillippa Gregory, metade em capa mole e metade em capa dura, dá-me um fanico nos nervos, mas a verdade é que este é um dos muitos problemas dos livros usados.
Comprar um livro usado não é a mesma coisa que comprar um carro usado, ou uma casa onde já morou gente, afinal não temos de nos preocupar com danos escondidos ou recantos onde ficaram caída memórias. Ou talvez tenhamos e é por isso que comprar livros usados é a mesma coisa que comprar um carro ou casa usadas.
Afinal comprar um livro usado é deitar as mãos a livros que já tem história e uma história muito própria. Estes livros já foram comprados, lidos e emprestados. Já passaram por muitas mãos e locais e de certeza que já foram tantas vezes pousados como atirados. São livros que tem uma certa vivência e que tem um pouco de todos aqueles que os leram escondidos nos seus recantos.
Quando não há dinheiro para comprar livros novos e mesmo assim as pessoas tem de ler, e as bibliotecas não ajudam, uma pessoa serve-se do que tem à mão, podem ser sites de trocas, bookcrossing ou até mesmo a compra de livros em segunda mão, que são sempre mais baratos.
A questão é que estes livros nem sempre são cem por cento do nosso agrado. Isto foi o que me aconteceu quando deitei as mãos ao livro A Rainha Vermelha, segundo volume da trilogia d'Os Primos em Guerra. Eu já tinha A Rainha Branca em capa mole e fiquei admirada quando ao abrir o envelope vejo um exemplar perfeito do segundo livro da saga em capa dura, estragando-me deste modo a homogeneidade da colecção.
A Cláudia passou por uma situação parecida há pouco tempo, curiosamente com a A Rainha Branca, quando abriu o envelope onde vinha o livro, este vinha comido num dos cantos da sua capa dura. Nada lhe impedia a leitura do mesmo, mas em termos de aparência é um pouco chato.
Eu uma vez cheguei mesmo a receber um livro tinha apanhado água e as páginas estavam todas coladas e acabei por ter de me livrar dele pois era impossível lê-lo, visto que ao tentar abri-lo, como já estava meio seco em algumas páginas, estas se colaram e rasgaram por completo.
 Hoje quero perguntar aos meus caros leitores o que mais os irrita em livros usados? É as rubricas? Os cheiros? O facto de não conseguirem ficar com colecções homogéneas? (E, já agora, a minha dúvida mantém-se: será que compro o próximo volume da trilogia d'Os Primos em Guerra em capa mole ou dura?)

Ki
(Catarina)
Sobre a autora:

Bibliófila assumida e escritora de domingo. Gosta de livros e tudo o que esteja relacionado com eles, tem a mania que tem opiniões sobre coisas e gostas de as expor no seu blog conjunto Encruzilhadas Literárias, tem também uma conta no GoodReads e é das melhores coisas que já lhe aconteceu.

Estudos sobre Veneno de Maria V. Snyder

Estudos sobre Veneno
de Maria V. Snyder
Edição/reimpressão: 2007
Editor: Mira Books

Resumo:
Prestes a ser enforcada, Yelena é agraciada com uma prorrogação extraordinária para sua pena. Ela aceita se tornar provadora de comida e morrer no lugar do Comandante de Ixia. Mas Valek, o chefe da segurança, não deixa brecha para fuga e a envenena com Pó de Borboleta. Somente se apresentando diariamente para ele, Yelena poderá tomar o antídoto. Enquanto tenta encontrar um meio de escapar, rebeldes planejam sitiar Ixia, e Yelena desenvolve poderes mágicos. Sua vida é ameaçada e ela precisa escolher de novo... Estudos sobre veneno, primeiro livro da trilogia As Lendas de Yelena Zaltana, é uma história que encanta como uma poção mágica. O reino criado em detalhes por Maria V. Snyder deixa lugar para novas fábulas com Yelena. Um romance de estreia que impressiona ao mesclar fantasia, suspense e aventura e que foi comparado a Guerra dos Tronos, de George R. R. Martin pela Publishers Weekly. (Capa e resumo da versão brasileira)

Rating: 3,5/5

Comentário:
O resumo do livro é bastante ilustrativo do que se passa na história. Condenada à forca Yelena opta por viver mais uns tempos como provadora de comida do Comandante de Ixia, e é exactamente aqui que a nossa história começa! Não temos de esperar páginas e páginas para ver a Yelena e o Valek a interagirem enquanto este lhe lê a sua sentença e lhe dá uma hipótese de viver durante mais uns tempos. Assim sendo, é uma história que começa no momento H e parte daí.
Tal como maior parte dos livros de fantasia e distopias que tenho apanhado nos últimos tempos este livro é contado na primeira pessoa, o que a mim não me faz muita diferença mas sei que há pessoas que não o suportam e pessoas que o adoram. A verdade é que gostei tanto da história que a meio do primeiro volume encomendei logo o segundo e terceiro para poder ler tudo de uma única vez.
Devo dizer que a escrita de Maria V. Snyder é cativante, ela sabe o que os leitores querem ler e sabe dar informações nas doses certas. Uma pessoa fica em suspense tentando perceber o que se está a passar e ao mesmo tempo segue admirada a história de Yelena.
Gostei também da maneira como a autora desenvolveu as relações humanas no livro e a maneira como a Yelena aprender a fazer amigos e descobre em quem pode efectivamente confiar. Apesar da sua sorte, a Yelena é uma personagem muito humana, isto é, falha e faz as suas birras e tem as suas manias e isto tudo contribuí para lhe dar uma dimensão diferente do habitual.
Creio que a saga "Estudos" ganha a audiência pela humanidade das suas personagens e a escrita fluída da sua autora. Maria V. Snyder que criou um mundo que, apesar não ser extremamente complexo, é funcional e está povoado com personagens que aprendemos facilmente a amar e que nos criam saudades quando os livros acabam.
A Yelena tem um lugar muito especial na minha estante, adorei a sua história e li tudo de uma golfada. A minha classificação fica no entanto, nas 3,5 estrelas pois acho que já li livros melhores dentro do estilo. Creio que a minha paixão se deve mesmo às personagens e ao estilo de escrita da autora apesar da história também tenha o seu interesse. Assim sendo, e da minha parte, este livro vai com o selo de recomendação do Encruzilhadas.

Book trailer:

Book Trailers da Semana

Em celebração do aniversário da Cláudia (que agradecemos que seja mesmo só uma vez por ano, visto que estou a ser particularmente chata em relação a isso), resolvi publicar a primeira rubrica Book Trailer. A pergunta já tinha sido feita algures no nosso facebook, sobre o que achavam de termos um dia por semana onde vos mostrássemos trailers de livros que vão sair e, após algumas respostas positivas, decidi guardar o nosso dia de estreia para hoje!
Assim sendo aqui ficam, uns com legendas outros sem, os book trailers de alguns dos livros que estão de momento nas bocas do mundo!
(Para saberem mais sobre book trailers cliquem aqui. Para não atulharmos a página principal do blog, por favor cliquem no "Ler mais" para verem os book trailers)

Parem de cuscar os meus e-books!

Um estudo mostrou recentemente que 58% dos britânicos que lêem através de e-readers fazem-lo para esconder os livros que estão a ler.
Harry Potter, erótica, livros juvenis e ficção-científica são os livros que os adultos que passeiam com e-readers na mão mais querem ler e ter a certeza que não são apanhados.
Há inclusivamente pessoas que apenas usam os seus e-readers para colocarem livros que de outra maneira teriam vergonha de ler em público. A própria colonista Wallace Yovetich admite que tem o seu e-reader cheio de livros juvenis que de outra maneira jamais veriam a luz do dia, quanto mais a parte de trás do autocarro onde vai todos os dias para o emprego. Assim creio que podemos afirmar com segurança que os e-readers vieram substituir o papel pardo que algumas pessoas usavam para embrulhar os livros, disfarçado assim o título e autor dos mesmos.
Apesar de não ter um e-reader apenas um fantástico pc onde instalei programas para ler e-books (como referi aqui) a verdade é que tenho dentro do mesmo vários livros que não andariam comigo na rua. É verdade, tenho de admitir que os meus e-books são todos muito chick-lit, algo que de outra maneira não me apanhariam a ler. De todo. Não num comboio, não na minha estante, não, não me apanhariam a ler chick-lit de maneira nenhuma. Mas a vantagem do e-book é que ninguém sabe o que estou a ler, é apenas uma página cheia de letras num portátil da marca xpto, ou no caso dos e-readers é apenas uma capa cinzenta. Isto torna-se imensamente vantajoso pois finalmente podemos ler aqueles livros que tanto queríamos e que tínhamos vergonha que nos apanhassem a ler.
Wllace Yovetich diz também que uma das coisas que mais odeia é que as pessoas peçam para ver o seu e-reader, isto pois acabam sempre por encontrar os livros que ela não queria que ninguém visse em primeiro lugar. Assim sendo ela aprendeu a dar uma visita guiada ao seu e-reader deixando as pessoas verem apenas aquilo que ela quer. Na realidade agora que penso nisto o meu primo fez-me exactamente o mesmo no natal passado quando me mostrou o seu kindle novo, o que me faz pensar com alguma curiosidade no género de livros que ele teria lá dentro.
Já a pasta que tenho no meu portátil é um pouco publica e a Cláudia, que é quem lida mais comigo e com e-books, já se serviu muitas vezes dela para cuscar o que leio. Ainda me lembro do seu berro de espanto quando viu que eu tinha o 50 Shades of Grey, ao que rapidamente respondi que o tinha arranjado antes de saber sobre o que a trilogia era. É a verdade. Talvez.
Esta acaba portanto por ser outras das funcionalidades fantásticas dos e-books que à medida que o tempo passa parecem converter cada vez mais leitores. E agora eu pergunto, também escondem os livros que lêem? Eu tenho uma amiga que diz que os põem em papel pardo para proteger a capa, embora eu não acredite, é no entanto a única que conheço que faz isso. Conhecem alguém que também o faça? Tem livros que nunca levam para fora de casa? Será que devemos ter vergonha do que lemos? (Ui! Sinto outro artigo a fervilhar...)


Ki
(Catarina)
Sobre a autora:

Bibliófila assumida e escritora de domingo. Gosta de livros e tudo o que esteja relacionado com eles, tem a mania que tem opiniões sobre coisas e gostas de as expor no seu blog conjunto Encruzilhadas Literárias, tem também uma conta no GoodReads e é das melhores coisas que já lhe aconteceu.

O Espírito do Amor de Ben Sherwood


O Espírito do Amor
de Ben Sherwood
Edição/reimpressão: 2006
Páginas: 248
Editor: Editorial Presença
Resumo:
O Espírito do Amor é o segundo romance de Ben Sherwood e conta a história de Charlie, um rapaz que aos 15 anos se depara com a morte do seu irmão mais novo, Sam. A amizade entre os dois irmãos é tanta e a dor da perda é tão grande que Charlie promete nunca abandonar o irmão e durante treze anos vivem numa espécie de limbo, onde ambos são felizes sem viverem plenamente. É então que o nosso protagonista conhece Tess, uma jovem navegadora por quem se apaixona e que o faz ver que existe muito mais para viver. Irá Charlie cumprir a promessa feita a Sam ou irá em busca do mundo desconhecido na companhia de Tess? Um romance apaixonante que avivará os sentimentos mais profundos do leitor.

Rating:3,5/5
Comentário: 
Devo começar por dizer que este título me lembra o filme Ghost e não este livro. Em inglês o título da obra é The death and life of Charlie St. Cloud, traduzido à letra por A morte e vida de Charlie St. Cloud, um nome que sem dúvida faz mais justiça ao livro.
Este foi um livro que entrou em Portugal em força com a versão cinematográfica a estrear nos cinemas e com o já conhecido Zac Efron no papel mediático do jovem Charlie. Tirando os detalhes de sempre e o facto de sabermos que milagres são complicados, creio que o filme até fez bastante justiça ao livro, o que é uma situação rara.
A história é bastante poderosa, principalmente para pessoas que já perderam alguém que lhes era próximo. Quem é que tendo a possibilidade de estar com o irmão que partiu não a agarraria com unhas e dentes? Será que efectivamente podemos culpar Charlie por este ter posto uma pausa na sua vida? Quantas vezes boicotamos a nossa vida por medo do que aí vinha?
Devo confessar que este foi um livro que me fez pensar imenso. Tive de pousá-lo várias vezes e tentar perceber Charlie, tentar perceber se eu faria o que ele estava a fazer, se eu conseguia perceber o que ele estava a passar. Todo o enredo é misterioso e único e o Charlie é uma personagem da qual é fácil gostar pois percebemos a dor pela qual ele está a passar e percebemos o como ele está a aprender a lidar com ela.
O trabalho de Charlie é também bastante interessante e a maneira como a temática é tratada está na minha opinião com o seu q.b. de originalidade. A história de amor é simples e bonita e relembra-nos que por vezes apesar de serem precisos grandes feitos, eles são mais fáceis de fazer do que aquilo que pensamos.
Extremamente bem escrito e com uma riqueza de sentimentos impressionante O Espírito do Amor é sem dúvida um romance a recomendar e que em alguns pontos me lembro inclusivamente do livro, e filme, Visto do Céu. Tal como o livro do filme A Branca de Neve e o Caçador este é um livro que se pode dispensar a leitura caso se tenha visto o filme pois efectivamente andam muito perto de mãos dadas.
Embora deva confessar que no livro há certas situações que me parecem menos óbvias e portanto este deixe mais a adivinhar, o que para quem gosta de mistérios é o ideal. Um leitura sem dúvida recomendada.

Book Trailer:

Passatempo "A Trama da Estrela" - Vasco Ricardo

E chega-nos mais um passatempo, desta vez sob a tutela da Pastelaria Studios Editora. Temos para sortear um exemplar de "A Trama da Estrela", de Vasco Ricardo, o qual se podem habilitar ao responder correctamente a todas as perguntas que se seguem.  As respostas poderão ser encontradas aqui e aqui. Podem também consultar o trailer do livro em baixo.
Boa sorte a todos!

 

 ATENÇÃO: 
Regras do Passatempo: 

1) O passatempo decorre até às 23h59 do dia 23 de Junho. 
2) Ser seguidor do Blog e do Facebook da Editora. 
3) Todos os dados solicitados devem ser devidamente preenchidos e completos. 
4) Só serão aceites uma participação por pessoa e morada, em todo o território português (Portugal continental e ilhas). 
5) O/A vencedor/a será sorteado de forma aleatória (random.org), sendo o resultado anunciado na página do blog e o contacto efectuado por e-mail. 
6) O Encruzilhadas Literárias e/ou a editora não se responsabilizam pelo extravio ou danos causados pelos CTT nos exemplares enviados.


Os livros que não sabem a nada

Quem leu o meu comentário ao livro O livro de feitiços de Deliverance Dane apercebeu-se de um pequeno pensamento meu a meio caminho do mesmo que deu origem a este post. 
Este post servirá para falar dos livros que não nos sabem a nada, afinal todos falamos dos livros que nos marcaram, maus ou bons, mas nunca falamos daqueles livros que lemos e nos deixam uma sensação de apatia.
Sabem a que livros me refiro? Aqueles que parece que o autor se esqueceu de lhes deitar sal e a história não nos sabe a nada, as personagens parecem completamente ireais e, apesar de não ser necessariamente uma hate read, acabamos por ler o livro até ao fim, ou não, apenas para nos esquecermos completamente que o lemos.
O que depois dá aso a situações como esta:
Amigo: Olha já leste o livro "Isto não é um título" pelo escritor João Maria?
Nós: Não... Acho que não...
Amigo: Olha acontece uma cena assim e assado e depois...
Nós: Isso soa-me familiar...
Amigo: Oh! Tu lês tanto se calhar leste algo parecido...
Nós: Talvez...
Amigo: Leva lá o livro e lê!
Se for uma edição diferente da que lemos ainda somos capazes de a levar para casa e começar a ler, às vezes até sendo a mesma edição e passadas umas quantas páginas pousamos o livro e damos por nós mesmos a pensar "Espera aí! Eu já li isto!" e é aí subitamente que nos apercebemos que sim, já lemos este livro e que não nos lembrávamos.
Será que consideramos estes livros maus? Livros que não gostamos? Porque, e sou sincera, eu lembro-me dos livros que odiei! Daqueles que só me apetecia entrar lá para dentro e bater em tudo e todos, autor incluído, a ver se acordava tudo para a vida mas estes livros são tão sem sabor que uma pessoa até se esquece que eles existem.
Não tem necessariamente a ver com género ou autor, qualquer pessoa pode escrever um livro destes, até porque ao lermos interpretamos o livro à nossa maneira logo aquele que para nós é o maior livro de todos os tempos pode ser para a nossa melhor amiga o pior livro alguma vez escrito.
Normalmente deparo-me com estes livros quando eles veem com aquelas publicidades fantásticas do género: "O próximo Tolkien da literatura!" (confesso que fujo destes porque não sou grande fã de Tolkien), "Finalmente a herdeira de Judy Blume!" ou "Sem dúvida o próximo Harry Potter!". Creio que isto se justifique com uma simples palavra: expectativa.
Caras editoras, se eu quiser ler Harry Potter eu vou ler Harry Potter e se eu quiser ler Tolkien tenho vários livros por onde posso escolher muito obrigada. Percebo que o que estão é fazer é uma mera comparação mas a verdade é que estão a colocar uma enorme responsabilidade em cima do autor e uma expectativa enorme em cima do leitor e por vezes quando tudo isto se junta a leitura acaba por saber a pouco.
Afinal por muitos livros sobre magia que eu leia nenhum vai ser Harry Potter, porque esse só há um, mas serão sem dúvida as suas próprias pessoas, estou a lembrar-me em particular da Yelena Zaltana, uma heroína mágica que tem a sua própria trilogia e que sem dúvida está no meu top de heroínas. Se ela fez asneiras? Fez. Foi educada por uns brutamontes? Sim. Alguém a quer morta? Sim. Foi para uma escola de magia? Sim. Professor duvidosos? Podem confirmar isso também. Melhores amigos? Obviamente.
E no entanto a Yelena Zaltana, personagem de "Estudos sobre Veneno", no Brasil (Poison Study no original) não tem nada haver com Harry Potter e se me tivessem posto uma faixa enorme no livro a dizer que sim, provavelmente teria passado ao lado ou pelo menos não teria apreciado a leitura do mesmo como apreciei.
 Gostaria de me lembrar de um livro sem sal para vos dar o exemplo mas, ironicamente, não consigo. E vocês caros leitores, lembram-se de algum livro sem sal? Também odeiam as publicidades comparativas? (Não me façam entrar no "Troque Os Maias pela Meyer" da Fanc que até me pêlo e não gostei d'Os Maias).


Ki
(Catarina)
Sobre a autora:

Bibliófila assumida e escritora de domingo. Gosta de livros e tudo o que esteja relacionado com eles, tem a mania que tem opiniões sobre coisas e gostas de as expor no seu blog conjunto Encruzilhadas Literárias, tem também uma conta no GoodReads e é das melhores coisas que já lhe aconteceu.

O Livro de Feitiços de Deliverance Dane de Katherine Howe

O Livro de Feitiços de Deliverance Dane
de Katherine Howe
Edição/reimpressão: 2010
Páginas: 408
Editor: Editorial Planeta
Resumo:
Um romance cativante, maravilhosamente escrito, que se passa entre o nosso tempo e um dos mais fascinantes e conturbados períodos da história da América - os julgamentos das bruxas de Salem. Connie Goodwin, uma brilhante aluna de História na Universidade de Harvard vê-se obrigada a passar o Verão a pesquisar para a sua tese de doutoramento. Mas quando a mãe lhe pede para tratar da venda da casa abandonada da avó, perto de Salem, não tem como recusar. À medida que é arrastada de forma cada vez mais profunda para os mistérios da casa da família, Connie descobre uma chave antiga dentro de uma Bíblia do século xvii. A chave contém um fragmento de pergaminho amarelecido com um nome escrito: Deliverance Dane. Esta descoberta lança Connie numa demanda: descobrir quem foi essa mulher e conseguir desenterrar um raro artefacto de poder singular: um Livro de Feitiços, cujas páginas encerram um repositório secreto de sabedoria perdida. Quando as peças da pungente história de Deliverance começam a encaixar-se, Connie é assombrada por visões dos distantes julgamentos de bruxas e começa a temer que esteja mais ligada ao passado obscuro de Salem do que alguma vez pudera imaginar. Escrito com espantosa convicção, O Livro de Feitiços de Deliverance Dane viaja continuamente entre os julgamentos de bruxas nos anos de 1690 e a história de mistério, intriga e revelação de uma mulher moderna.

Rating: 3,5/5

 Comentário: 
Gosto bastante de livros como este de Katherine Howe por um simples motivo: Cumprem o que prometem. Prefiro que um livro comece com uma promessa simples e desenvolva para algo mais, do que aqueles livros que prometem mundos e fundos em relação às suas histórias (p.ex. o próximo Tolkien da escrita mundial!) e que depois lhes pegamos e aquilo não nos sabe a nada. (Ainda escreverei um artigo sobre isso... hmmm...)
Este livro é passado em duas linhas de tempo, o que é algo que eu normalmente aprecio, temos o ano de 1991, onde a nossa protagonista Connie está e o ano de 1690, onde Deliverance está. A história vive desta viagem constante entre estas duas datas e tenta revelar lentamente o seu enredo sem revelar o grande segredo final.
Para quem, como eu, gosta de histórias a  "duas vozes" e se contorce quando começa a perceber por onde a história está a ir, graças à parte do passado, e gostaria de poder dar um berro ou um estalo, às personagens do presente que sinceramente ás vezes parecem umas tolinhas, este livro é do ideal.
Em termos de descrições este livro é bastante visual e é daqueles que quase que conseguimos ver o filme na nossa cabeça. Isso acaba por manter uma pessoa distraída do facto de algumas coisas serem previsíveis e mantém a leitura bastante interessante.
Outra das grandes vantagens que tive foi saber muito pouco sobre as bruxas de Salem e por isso fui sendo surpreendida ao longo da narrativa por factos sobre as mesmas e sobre os julgamentos. Apesar de ter tido algum receio que a narrativa pudesse ser muito chocante esta manteve-se de bom tom. Creio que o facto da escritora ser descendente de duas das bruxas julgadas poderá ter ajudado ao caso.
Para o que esperava do livro, apesar de já estar há algum tempo para o ler, devo confessar que fiquei alegremente surpreendida. A história tem os seus mistérios e a relação de Connie com a mãe e a sua colega de quarto de universidade é simples e divertida. A história de amor não é surpreendente mas chega a deixar uma pessoa um pouco com com coração nas mãos, principalmente quando a parte das bruxas e o enredo se começam a descortinar.
Resumindo um livro interessante que se aconselha principalmente para quem gosta de um pouco de "magia" nas suas histórias.


Book trailer:

O livro a seguir é sempre o melhor!

Já lá diz o provérbio "a galinha da vizinha é sempre melhor que a minha" e Scott Beauchamp, autor de vários artigos sobre livros em vários sites e revistas, defende que todos nós esperamos, consciente ou inconscientemente, que o próximo livro que vamos ler seja o livro que nos vai mudar a maneira de ver a vida.
Para quem gosta de planear as suas leituras atempadamente, ou para quem finalmente encontrou um livro que já queria ler há muito tempo, há uma certa expectativa no ar quando olhamos para estes livros, os livros que vamos ler a seguir.
Quando olhamos para estes livros há algo dentro de nós que sussurra que aquele livro vai ser "O" livro. O nosso entusiasmo está ao rubro e mal podemos acabar de ler o livro que estamos a ler para pegar no livro novo que nos aguarda.
Esta sensação normalmente apodera-se de mim quando estou a ler sagas e já tenho os volumes seguintes em mão. É mais forte que eu, é uma vontade imensa de saber "o que vai acontecer a seguir?". De resto tenho livros que quero ler e para com os quais tenho expectativas mas, infelizmente, o último livro a que fiz isso revelou-se um pouco uma desilusão e de momento estou mais cautelosa com o meu entusiasmo.
Apesar tudo, isso acaba por não invalidar aquele sentimento de euforia que sentimos quando finalmente deitamos as mãos a um livro que queríamos ler! É uma alegria, é uma festa, é uma vontade de berrar "CONSEGUI! CONSEGUI!", como se tivéssemos acabado de ganhar a medalha de ouro nos jogos olímpicos da leitura!
Este sentimento está connosco à medida que lemos o livro e ele vai moldando a nossa vida e nós nos vamos moldando a ele. O sentimento pode-se manter durante todo o livro ou pode ir-se desvanecendo conforme vamos ou não gostando da história. Mas se se desvanecer não faz mal, afinal haverá sempre mais um livro, outro que queremos imenso ler e esse sim, esse vai-nos mudar a vida e a maneira como a vemos!
E que me dizem vocês leitores? Também ficam entusiasmos por livros novos? Qual é o livro que estão ansiosos para ler?


Ki
(Catarina)
Sobre a autora:

Bibliófila assumida e escritora de domingo. Gosta de livros e tudo o que esteja relacionado com eles, tem a mania que tem opiniões sobre coisas e gostas de as expor no seu blog conjunto Encruzilhadas Literárias, tem também uma conta no GoodReads e é das melhores coisas que já lhe aconteceu.

Passatempo 100 Seguidores - Resultado

E depois de já quase termos duplicado o número de seguidores desde que abrimos este fantástico passatempo com 3 exemplares diferentes a sorteio, saem os resultados. Ficamos desde já gratas pela participação e pode ser que tenhamos novidades em breve. Desta vez os três livros saíram ao sexo feminino:

1ª vencedora - A Colina das Bruxas - Marion Zimmer Bradley  - N.º29 - Carla Isabel da Cruz

2ª vencedora - Na Sua Pele - Jennifer Weiner - N.º24 - Diana Filipa Henriques

3ª vencedora - O Elefante e o Maruti - Radhika Jha - N.º16 - Josiane Farias Zampirolli Gonçalves

Será mandado um email para cada uma e pedimos se faz favor que confirmem. Em caso de ausência de resposta ao fim de 5 dias, será sorteado um novo vencedor. Relembramos ainda que se preferirem que o envio seja efectuado em correio registado, o custo acrescido será suportado pelos vencedores.






Book trailers

Em termos internacionais, os book trailers chegaram para ficar. Ninguém sabe muito bem ao certo como começou esta ideia ou quais são as regras que a regem mesmo assim, nota-se um aumento exponencial na criação e divulgação de book trailers. Há canais de youtube dedicados a isso e algumas editoras também, como a brasileira Rocco, já criam pequenos trailers para os seus livros.
Mas o que é exactamente um book trailer?
A resposta é linear na maior parte dos casos, tal como os trailers de filmes são feitos da edição e montagem de algumas das cenas mais emocionantes do filme a modo a deixar os espectadores curiosos,  os book trailers dão ao leitor também uma vaga ideia do conteúdo da história, normalmente com frases do livro ou frases criadas a pensar na história em questão.
Existem também book trailers feitos por fãs, nos quais os fãs procuram imagens de filmes ou actores que achem que poderiam interpretar os papeis das personagens e fazem uma montagem a seu gosto contando a história do livro (atenção os fãs dos book trailers podem ou não colocar spoilers nos trailer!).
Esta é sem dúvida a ideia do futuro para captar leitores para livros novos e, apesar de não ser tão grandioso como uma adaptação para cinema, os book trailers poderão conseguir cativar uma audiência que de outro modo não se interessaria por livros, sendo que já se vêem alguns destes trailers não só na internet como na televisão o que sem dúvida desperta a curiosidade dos leitores. (Lembro-me vagamente de ver um ou outro mas em Portugal não são ainda comuns.)
Aqui no Encruzilhadas não queremos ficar para trás e estamos a pensar criar uma rubrica semanal onde postaremos dois ou três book trailers para que possamos divulgar não só as novidades, como dar uma pequena amostra dos livros que estamos a ler no momento.
Queríamos saber a vossa opinião e deixar-vos uns book trailers para verem. Continuação de boas leituras!

Para não enchermos a página inicial do blog cliquem no ler mais para ver os trailers por favor.

Branca de Neve e o Caçador de Lily Blake

Branca de Neve e o Caçador
de Lily Blake (Adaptado do guião cinematográfico de Evan Daugherty, John Lee Hancock e Hossein Amini)

Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 240
Editor: LITTLE, BROWN BOOK GROUP

Resumo: 
Há dez anos atrás, a vingativa Rainha Ravenna assassinou o rei na mesma noite em que se casou com ele. No entanto, dominar o reino tornou-se um sofrimento para a Rainha. Para salvar os seus poderes, ela tem de devorar um coração puro, e Branca de Neve é a única pessoa com esse coração.
A fim de capturá-la, Ravenna recorre ao Caçador, o único homem que já se aventurou pela Floresta Sombria, onde Branca de Neve se esconde, e sobreviveu. Será Branca de Neve morta pelo Caçador? Ou será treinada por ele para se tornar a melhor guerreira que o reino já conheceu? (capa e resumo cortesia da Editora Novo Conceito)

Rating: 2,5/5

Comentário: 
Confesso-me que fui ler o livro após ter visto o filme por achar que este tinha muitas lacunas. Houve coisas que aconteceram muito rápido e o fim soube-me a pouco. Assim sendo, quando descobri que havia um livro do filme decidi ir lê-lo. Infelizmente, para mal dos meus pecados, só a meio do livro e após uma pesquisa na internet é que me apercebi que o livro é apenas uma transcrição do filme com uma ou outra nova informação e não o livro que deu origem ao filme.
Esta situação entristeceu-me pois acho que a ideia em si está bem conseguida e o filme ficou muito aquém das minhas expectativas algo que julgava que o livro iria colmatar. Uma coisa boa nisto tudo é a escrita de Lily Blake pois é fluída e de rápida leitura. As 240 páginas do livro lêem-se perfeitamente numa tarde se assim o quiserem e acabam por não ser uma má companhia de todo, apenas extremamente redundante para quem já viu o filme. Tem efectivamente situações que são explicadas um pouco melhor e uma ou outra diferença mas nada de extremamente diferente.
O fim para mim ajudou-me a esclarecer a minha dúvida que era, o que exactamente se estava a passar na cabeça da Branca de Neve, e nisso o livro portou-se lindamente. Portanto e apesar de tudo não foi uma perda de tempo.
Mesmo com as suas pequenas diferenças o livro não caí mal nos olhos e acaba por ser uma companhia não desagradável de todo.

  • Este livro ainda não foi editado em Portugal à data deste post;
  • Podem ler o primeiro capítulo em português do Brasil aqui cortesia da Editora Novo Conceito.


Book Trailer:

Ki
(Catarina)
Sobre a autora:

Bibliófila assumida e escritora de domingo. Gosta de livros e tudo o que esteja relacionado com eles, tem a mania que tem opiniões sobre coisas e gostas de as expor no seu blog conjunto Encruzilhadas Literárias, tem também uma conta no GoodReads e é das melhores coisas que já lhe aconteceu.

O que faz um clássico?

Nestes últimos dias uma questão tem assolado maior parte dos sites sobre livros na internet, "O que faz um clássico?".
Vários blogs literários tem formado as suas teorias e dado os seus pareceres na questão. Hilari Bell do blog The Enchanted Inkpot tentou resumir a resposta numa frase bastante poética:
"Eu creio que aquilo que torna qualquer livro num clássico, seja de fantasia ou não, é quanto ele toca o teu coração e alma. Como te toca profundamente. Quando penso em clássicos, de entre todos os géneros, algo que todos tem em comum é "coração". E, na sua maioria, sabedoria..."
Devo dizer que concordo bastante com esta frase, principalmente quando penso em livros como As Mulherzilhas, As Meninas Exemplares, Peter Pan, Oliver Twist, etc. Estes livros são considerados clássicos pela sua alma e pela sabedoria que transmitem. Há, no entanto, livros recentes que se podem tornar clássicos. Creio que o tempo é fundamental, não porque o livro deva ser velho, mas para que possa tocar mais pessoas. Um livro que sem dúvida, na minha opinião, se tornará um clássico é A Lenda de Desperaux.
A maneira como a história está contada e todo o desenlace da acção contribuiu para uma atmosfera mágica que fica connosco muito tempo após termos fechado o livro.
Quando eu penso em clássicos da literatura a minha mente foge para os infantis e juvenis, mas há, obviamente, clássicos para adultos e estes são tão "mágicos" como os infantis.
A nossa pergunta de hoje é simples caros leitores! Qual é o vosso clássico favorito? E leram algum livro recentemente que se pudesse tornar num clássico?


Ki
(Catarina)
Sobre a autora:

Bibliófila assumida e escritora de domingo. Gosta de livros e tudo o que esteja relacionado com eles, tem a mania que tem opiniões sobre coisas e gostas de as expor no seu blog conjunto Encruzilhadas Literárias, tem também uma conta no GoodReads e é das melhores coisas que já lhe aconteceu.

Novidades Edições ASA: Junho

Já há venda nas livrarias:

 A Casa dos Primatas
de Sara Gruen 
Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 304
Editor: Edições Asa
ISBN: 9789892316246
PVP: 14,40€
Resumo:
Sam, Bonzi, Lola, Mbongo, Jelani e Makena não são símios normais. Estes bonobos, como outros membros da sua espécie, são capazes de raciocinar e de manter relacionamentos intensos. Mas, ao contrário da maioria dos bonobos, também conhecem a linguagem gestual.
Isabel Duncan, investigadora do Laboratório de Pesquisa da Linguagem dos Símios, não compreende as pessoas mas está perfeitamente à vontade com os animais, em especial com os bonobos.
Quando uma explosão abala o laboratório, ferindo gravemente Isabel e «libertando» os símios, a reportagem de interesse humano de John torna-se a reportagem da sua vida, que o fará pôr em risco a carreira e o casamento. É nessa altura que os bonobos desaparecidos são apresentados num reality show televisivo, emitido em circunstâncias misteriosas e capaz de se transformar no maior – e mais improvável – fenómeno da história da moderna comunicação social. Milhões de fãs ficam colados ao ecrã, a verem os símios a encomendar fast food cheia de gordura, a terem relações sexuais por tudo e por nada e a gesticularem a Isabel para os salvar.

Com data de lançamento a 11 de Junho:


Irmãs de Verão
de Judy Blume
Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 352
Editor: Edições Asa
ISBN: 9789892316857
PVP: 16,90€
Resumo:  
Vix Leonard tem doze anos quando conhece a estonteante e temerária Caitlin Somers. À medida que os dias de aventuras ousadas dão lugar a noites de descobertas tímidas, Vix e Caitlin aproximam-se ainda mais, graças às dificuldades do processo de crescimento, ao refúgio na sensação de pertencerem a alguém e ao pacto de Nunca Serem Vulgares… Até ao verão arrasador em que um rapaz da terra altera tudo.
Anos mais tarde, a vida separa-as, mas a marca da amizade que as uniu mantém-se. Quando Caitlin pede a Vix que regresse a Martha’s Vineyard para o seu casamento, Vix sabe que não se recusará a ir. Quer compreender o que aconteceu nesse verão em que tudo foi destruído… e porque é que a sua melhor amiga ainda tem o poder de lhe partir o coração.

Nunca Digas Adeus
de Lesley Pearse
Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 432
Editor: Edições Asa
ISBN: 9789892319421
PVP: 16,90€
Resumo:  
Num chuvoso dia de outono, Susan Wright entrou numa clínica, matou duas pessoas a sangue-frio e aguardou que a polícia chegasse. Terá sido um ato de loucura? Uma vingança planeada? Susan não parece interessada em defender-se e recusa falar. O seu silêncio estende-se a Beth Powell, a advogada a quem é atribuído o caso. Beth é uma mulher de sucesso com uma carreira brilhante mas nada a preparara para o momento em que identifica a autora daquele crime tão bárbaro. Quando eram crianças, Beth e Susan juraram ser amigas para sempre. Vinte e nove anos depois, mal se reconhecem. Mas as memórias dos verões felizes das suas infâncias são suficientemente poderosas para as unir de novo. Enquanto as provas contra Susan se acumulam, elas partilham recordações e revelam os segredos que ditaram o rumo das suas vidas.
A amizade entre as duas mulheres torna-se cada vez mais forte mas sobre uma delas pende a implacável mão do destino…

Com data de lançamento a 18 de Junho:

O Segredo de Sophia
de Susanna Kearsley
Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 512
Editor: Edições Asa
ISBN: 9789892319445
PVP: 15,90€
Resumo:  
Carrie McClelland é uma escritora de sucesso a braços com o pior inimigo de qualquer artista: um bloqueio criativo. Em busca de inspiração, ela decide mudar de cenário e visitar a Escócia, onde se apaixona pelas belas paisagens e pelo Castelo de Slain, um lugar em ruínas que lhe transmite uma inexplicável sensação de pertença e bem-estar. Tudo parece atraí-la para aquele lugar, até mesmo o seu coração, que vacila sempre que encontra Graham Keith, um homem que acaba de conhecer mas lhe é, também, estranhamente familiar. Com o castelo como cenário e uma das suas antepassadas - Sophia - como heroína, Carrie começa o seu novo romance. E rapidamente dá por si a escrever com uma rapidez invulgar e com um imaginário tão intrigante que a leva a perguntar-se se estará a lidar apenas com a sua imaginação. Será a "sua" Sophia tão ficcional como ela pensa? À medida que a sua escrita ganha vida própria, as memórias de Sophia transportam Carrie para as intrigas do século XVIII e para uma incrível história de amor perdida no tempo. Depois de três séculos de esquecimento, o "segredo de Sophia" tem de ser revelado. 
 
Com data de lançamento a 20 de Junho:
Teu Para Sempre
de W. Bruce Cameron
Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 288
Editor: Edições Asa
ISBN: 9789892319483
PVP: 13,90€
Resumo:  
O corajoso e meigo Toby persegue um sonho: amar e ser amado. O mundo dos afetos parece estar-lhe vedado mas ele não desiste. Serão necessárias várias reencarnações mas o seu destino está escrito há muito. E um dia, ele conseguirá mesmo a resposta para a grande questão: qual é o sentido da vida? Toby é um cachorro doce e sedento de amor. Após uma curta e trágica vida de cão vadio, ele fica surpreendido ao perceber que lhe foi dada uma nova oportunidade: o nosso herói nasceu de novo e tem um mundo de possibilidades pela frente. Mas a sorte não parece estar do seu lado e mesmo quando é salvo por uma mulher bem-intencionada, o seu fim é novamente solitário e tristonho. Na sua próxima reencarnação, será acolhido por Ethan, um menino de oito anos que lhe dá a conhecer as alegrias do amor e da amizade. Mas esta vida de cão de estimação mimado não encerra a sua jornada na Terra. Esperam-no ainda muitas emoções fortes e provações até o verdadeiro desígnio da sua vida lhe ser revelado. No seu desejo de amar e ser amado, Toby protagoniza uma jornada universal. Toby somos todos nós. E todos nós nascemos com um destino para cumprir. Comovente e inesquecível, Teu Para Sempre relembra-nos o que é essencial nas nossas vidas: o amor e a amizade, os momentos de felicidade e partilha, sonhos que acalentamos e as memórias que guardamos no coração.
 
 Safira
E a luta contra o cancro
de Patrícia Fonseca
Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 212
Editor: Edições Asa
ISBN: 9789892319766
PVP: 14,90€
Resumo:  
 Esta é a história de Safira - uma menina a quem, aos quatro anos de idade, foi diagnosticado um tumor de Wilms, um tipo de cancro no rim tão raro quanto agressivo - e da luta dos seus pais, que correram o mundo em busca de uma terapêutica alternativa para a curar. Eles recusaram prosseguir o tratamento que, à partida, lhes era apresentado como a única salvação para a filha: a quimioterapia. E para isso tiveram de enfrentar não só o corpo clínico do Instituto Português de Oncologia como o Tribunal de Menores, num processo legal sem paralelo no nosso país. A história de Safira tem ingredientes únicos e levanta questões muito pertinentes:
Devem os pais ter o direito de escolher os tratamentos dos seus filhos? Podem os tribunais forçar um internamento, retirando uma criança da guarda dos seus pais? Devem explicar-se detalhadamente às famílias todos os efeitos secundários envolvidos em tratamentos tão agressivos como os que se aplicam na área da oncologia? Estará a prática do «consentimento informado» instituída apenas para desculpabilizar médicos e hospitais no caso de alguma coisa correr mal? Que espaço podem ter as terapêuticas não-convencionais nos tratamentos médicos de menores?
Todas estas questões foram intensamente debatidas pelos pais quando se recusaram a ficar à espera de um milagre que a salvasse. Foram, contra tudo e contra todos, à procura desse milagre. Esta é a história de como o encontraram. 

Com data de lançamento a 30 de Junho:

O Fio do Destino
de Laura Schroff
Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 240
Editor: Edições Asa
ISBN: 9789892319469
PVP: 13,90€ 
Resumo:  
E foi nesse momento que a vida de Laura mudou para sempre. Com uma carreira de sucesso no USA Today - o maior jornal americano - ela era uma mulher privilegiada mas solitária. O seu passado encerrava segredos dolorosos que a impediam de se sentir realizada e feliz. Quando viu Maurice pela primeira vez, Laura não poderia imaginar quão importante viria a ser na vida daquele menino. Maurice tinha apenas seis anos mas a sua história era já devastadora. Com o corpo e o espírito marcados por anos de abandono e fome, o único mundo que conhecia era o da violência e do caos. Com a sua tenra idade ele já sabia o suficiente para temer pela própria vida. Não rezava, não sabia como, mas pensava: Por favor, não me deixem morrer. E de certo modo, esta era a sua pequena oração. Contra todas as expectativas, Laura seria a resposta à sua prece. Com pequenos gestos de bondade, ela permitiu-lhe ter fé no futuro pela primeira vez. E Maurice retribuiu, ajudando-a a descobrir-se a si própria e à sua capacidade de amar. A amizade entre ambos transformou e enriqueceu as suas vidas. Laura e Maurice são até hoje a prova de que tudo é possível quando abrimos o coração aos outros.

Rubrica: Hush, Hush por Becca Fitzpatrick

hush, hush
de Becca Fitzpatrick

Edição/reimpressão: 2010
Páginas: 320
Editor: Porto Editora
 
Resumo:
UM JURAMENTO SAGRADO
UM ANJO CAÍDO
UM AMOR PROIBIDO

Apaixonar-se não fazia parte dos planos de Nora Grey. Nunca se sentira atraída por nenhum dos rapazes da sua escola, apesar da insistência de Vee, a sua melhor amiga.
Então, aparece Patch. Com um sorriso fácil e uns olhos que mais parecem trespassar-lhe a alma, Patch seduz Nora, deixando-a completamente indefesa.
Mas, após uma série de encontros assustadores com Patch, que parece estar sempre onde ela está, Nora não consegue decidir se há de cair-lhe nos braços ou fugir sem deixar rasto.
Em busca de respostas para o momento mais confuso da sua vida, Nora dá consigo no centro de uma antiga batalha entre imortais. E quando é chegada a altura de escolher um rumo, a opção errada poderá custar-lhe a vida.

Rating: 3/5

Comentário: 
Este livro é um livro que me dá duas críticas possíveis a fazer: a positiva e a negativa.
Para começar, gostei do livro porque está muito bem escrito e a história, em si, é muito engraçada e cativante. A escrita é muito simples e não dá para nos perdermos. Como a Ki (Catarina) disse na crítica ao livro Errar é Divino de Marie Phillips: “A escrita de Marie Phillips é leve e simpática e podemos acompanhar a história como um filme na nossa cabeça”.
Em contrapartida, a maior parte dos acontecimentos são totalmente previsíveis, o que tira um pouco a piada ao livro, visto o suspense e aquela cousa que nos faz ficar agarrados a cada página para descobrir o que vai acontecer a seguir não existir. Não sei se é do facto de já ter lido muitos livros dentro do mesmo tema ou se é mesmo culpa da escritora. 
Aparte disso, acho que as duas personagens principais são um cliché enorme. Ela é a jovem vulnerável que não tem consciência da sua beleza e que tem boas notas. Virgem e sem um histórico de relações vai-se logo apaixonar pelo que aparenta ser o “mau da fita” da história. Este jovem acaba de ser transferido para a turma dela, nada cliché, portanto. Nada se sabe sobre o seu passado, veste-se sempre de preto, tem um ar perigoso e só se mete em locais não propícios para adolescentes, como ele. 
Ele, por amores por ela cai, por causa da sua inocência e da sua vulnerabilidade. Ela, por amores por ele cai, evidentemente, porque gosta de sentir o perigo que ele atrai e visto ele transmitir-lhe uma sensação de segurança, simultaneamente. Como podem ver, clichés. 
Acho, portanto, que a escritora podia ter arriscado mais ao criar as características destas personagens, de modo a colocar o leitor perante duas personagens que sejam únicas desta história, e não comuns a várias outras. Relativamente às outras personagens, digamos que fiquei fã da melhor amiga da personagem principal, espero que gostem tanto dela como eu. Acho que retrata bem o que é ser “melhor amiga”. 
Em suma, na minha opinião, se uma história é previsível, então não é “boa”. Mas, como gostei do enredo em si, como me cativei pelas personagens e como a escrita do livro é de tão fácil leitura, acho que o livro merece 3 estrelas em 5. E, se tiver acesso à continuação desta saga, irei ler.

Alexandre.
Sobre o nosso convidado:

Alexandre Borges, composto por todas as letras e todos os sonhos do mundo. Gosta de atingir limites e de os ultrapassar. Atravessa mundos com os livros nas mãos e um sorriso na cara. Sites pessoais, já teve muitos, mas estes são os correntes.

Livros a ler

Hoje revelamos-vos uma mini-lista dos livros que estão presentemente connosco e à espera de serem lidos! São livros pelos quais podem esperar pelas opiniões pois sairão em breve!

Cláudia:
1 - As Serviçais, de Kathryn Stockeet, um livro muito falado recentemente devido ao mercado cinematográfico ;
2 - Alma Rebelde, de Carla M. Soares. A sinopse deixou-me bastante curiosa e está sem dúvida no topo das minhas prioridades literárias. Como vem do Clube BlogRing, ainda é capaz de demorar um pouco a chegar até mim;
3 - À Procura de Alaska, de John Green. Um autor sem dúvida em voga, e com o qual andamos curiosas (vejam a escolha da Catarina em baixo);
4 - Nunca me Esqueças, de Lesley Pearce;
5 -Uma Villa em Itália, de Elizabeth Edmondson, autora de A Casa do Lago.

Catarina:
1 - Pandemonium de Lauren Oliver, de quem já lemos Delirium, Hana e Antes de Vos Deixar;
2 - An Abundance of Katherines de John Green, escritor de À procura de Alasca (que a Cláudia vai ler!);
3 - Anna Dressed In Blood de Kendare Blake, um livro ganhou o prémio para melhor livro juvenil em 2012;
4 - A Senhora dos Rios de Phillipa Gregory, de quem já lemos Catarina de Aragão, A Rainha Vermelha e A Outra Rainha;
5 - Soulless de Gail Carriger.

Além destes livros muitos mais nos aguardam por isso não se admirem se a ordem de leitura for alterada ou se aparecerem livros que não estão na lista. Afinal um pouco de mistério também é importante.

O Rei, o Sábio e o Bobo de Shafique Keshavjee

O Rei, o Sábio e o Bobo
de Shafique Keshavjee

Edição/reimpressão: 2000
Páginas: 224
Editor: Temas e Debates

Resumo:
Num país distante, vivia um povo tranquilo. As ondas sujas e revoltas dos problemas do mundo só muito raramente vinham dar às belas praias quentes e acolhedoras daquele lugar. Isolados de tudo, e orgulhosos de o estarem, os habitantes dedicavam o seu tempo essencial ao trabalho, à família, ao ócio e aos amigos.
Porém, havia algum tempo que algo de indefinível se alterara. As flores não tinham o mesmo perfume e o mel perdera a doçura. As crianças ainda brincavam nas ruelas ensolaradas, mas as suas gargalhadas não tinham a mesma espontaneidade. A atmosfera tornara-se pesada, como que habituada pelo rugir surdo que anuncia uma forte trovoada.

Rating: 5/5

Comentário: 
Este livro chegou-me às mãos emprestado por uma amiga e foi devorado ao longo de dois dias com bastante interesse meu. A história gira em torno deste Rei e do descontentamento que se faz sentir no seu reino, o Rei chega à conclusão que é a falta de uma religião que faz com que o seu povo esteja triste e decide criar com a ajuda do seu sábio e do seu bobo as primeiras olimpíadas das religiões, um concurso onde várias religiões irão competir para se descobrir qual é a melhor.
Assim que a melhor das religiões for descoberta, esta passará a ser religião do reino e o povo voltará a ser feliz. Várias convites são enviados e as religiões enviam os seus representantes. As religiões seleccionadas para este livro foram a católica, a judaica, a islâmica, a budista, a induísta e até a ateia. Digo para este livro pois fica no ar a hipótese de existirem umas segundas olimpíadas que serão com outras religiões.
O livro acaba por ser bastante interessante pois durante a competição os representantes das várias religiões tem de mostrar o porquê da sua ser a melhor sem atacar ou denegrir as outras religiões. Existe uma plateia que pode fazer perguntas e os representantes tem de responder às dúvidas desta e devo dizer que algumas das perguntas são bastante pertinentes.
Para quem gosta de saber mais sobre as várias religiões e tem uma mente aberta, este livro acaba por ir de encontro às expectativas de quem quer saber mais. Ao longo dos debates são contadas as histórias dos fundadores, algumas lendas ou parábolas e relatados os princípios das religiões.
Tudo isto é posto em cheque pelo ateu que, com o seu passado conturbado, tens mais do que razões para não acreditar num poder maior e por uns ataques misteriosos que vão acontecendo durante as olimpíadas.
Um livro sem dúvida cativante para quem quer saber mais sobre as religiões que adornam o nosso mundo. Este é também um livro que saí com o selo de recomendação do encruzilhadas!

"Não sei como tens tempo para ler..."

Certamente que já por mais de uma vez vos perguntaram "Como é que tem tempo para ler?". A questão é sem dúvida pertinente principalmente no ano em que não foi escolhido nenhum vencedor do prémio Pulitzer da Ficção porque o júri, segundo Laura Miller da revista Sallon, este demasiado ocupado com o seu trabalho, não teve tempo para ler mais que um ou dois livros este ano que passou.
Jodi Chromey editora do MN Reads expressou o seu descontentamento perante esta situação, não só com o comentário de Miller, mas também perante a situação com a frase "Antes de mais, se a comissão do Pulitzer está cheia de pessoas demasiado ocupadas para ler ficção, então precisamos de por na comissão pessoas que não estão ocupadas." 
Após esta afirmação Jodi Chromey entra numa discussão sobre o como odeia que certas pessoas lhe perguntem como tem tempo para ler, principalmente, afirma ela, pela maneira como o fazem. Jodi comenta que muitas pessoas consideram o acto de ler algo que apenas as pessoas desocupadas tem tempo para fazer. Como se elas, sendo pessoas importantes e ocupadas e portanto, não tendo tempo para ler, se admirassem por existir pessoas que o tem.
Ora, é de minha opinião, que nem todas as pessoas tem uma malícia genuína a fazer esta pergunta. Há pessoas que ficam genuinamente surpreendidas com a quantidade de livros que leio e em como tenho tempo para os ler. Se calhar até acham que o meu trabalho é mais fácil que o delas e que permite algumas sessões de leitura, mas obviamente que não se trata de nada disso. (Embora deva admitir que tem a sua piada imaginar-se escondida no wc com um livro na mão a desesperar no meio de um capítulo de saga e ter as minhas colegas na zona dos lavatórios a perguntarem-se se alguma coisa terá acontecido na minha vida privada!)
Há sempre tempo para ler. J.K.Rowling, a escritora de Harry Potter, disse numa entrevista que lê imenso e quando lhe perguntaram como tinha tempo, esta prontamente respondeu que se tivesse a fazer algo que em que ficasse com uma mão livre, estaria sem dúvida com um livro aberto nessa mão a ler. Confirmo esta teoria pois a Cláudia lê bastante nos transportes públicos (aliás, ela publicará algo sobre isso em breve) e eu por minha vez, leio bastante enquanto espero, quer seja pela minha vez no médico, quer seja pela minha senha no talho, quer seja pelo fim do intervalo da série de televisão que estou a ver.
A verdade é que ter tempo para ler é uma opção, sei que maior parte das pessoas dirá que não tem tempo para ler mas terá tempo para ver a novela. Não julgo, acho que cada um deve fazer no seu tempo livre aquilo que bem lhe apetecer e a mim o que me interessa são livros. É lê-los, folheá-los, interpretá-los e vive-los! É chegar ao GoodReads, pô-los na minha prateleira a ler e dar-lhes estrelas, escrever o que senti enquanto os lia e procurar mais um companheiro de jornada para ler.
Isto não quer dizer que não veja filmes ou séries, claro que vejo, tenho bastante gosto em fazê-lo, aliás, aqui há dias vi finalmente o "Sherlock Holmes: Um Jogo de Sombras" e já acabei de ver todas as minhas séries, que agora só voltam em Setembro. Pelo meio disto tudo, mais o trabalho, mais médico, e tudo o mais tive tempo para ler! Este mês já li sete livros, um infantil, duas short-stories, quatro livros "normais" e vou a meio de um romance (caminho portanto para os oito!), segundo o GoodReads isto dá um total de 1708 páginas lidas só este mês, porque se entrar no número total que li este ano, chego com facilidade às 12138 páginas.
Estas páginas, como é óbvio, não se leram sozinhas, mas fora lidas com amor e carinho no meu tempo livre.
Por isso quando a mim me perguntam como tenho tempo para ler a minha resposta é simples, "oh, quando se gosta arranjasse sempre um tempinho". E vocês, caros leitores, como se sentem quando vos perguntam como tem tempo para ler? Sentem-se ofendidos como Jodi ou acreditam que as pessoas perguntam por curiosidade?


Ki
(Catarina)
Sobre a autora:

Bibliófila assumida e escritora de domingo. Gosta de livros e tudo o que esteja relacionado com eles, tem a mania que tem opiniões sobre coisas e gostas de as expor no seu blog conjunto Encruzilhadas Literárias, tem também uma conta no GoodReads e é das melhores coisas que já lhe aconteceu.