Um cheiro a drama

Na sexta-feira recebei uma encomenda de seis livros vinda do Reino Unido. O que é algo habitual cá em casa visto que pelo menos uma vez por mês chegam 2 ou 4 livros à nossa caixa de correio e desta vez não foi diferente. Abri a encomenda com cuidado, apreciei o estado dos livros (eu compro-os usados) e tratei de os colocar nas prateleiras respectivas visto que a minha prateleira do "a-ler" já está completamente a abarrotar.
Tudo isto seria normal, se subitamente, como que chamada pelos deuses da literatura, a minha irmã mais nova não abrisse a porta do quarto dela e se pusesse a cheirar o ar. Parei e fiz o mesmo, ponderando se alguém teria feito um bolo, ou se o jantar estaria a ser feito visto que tinha mesmo acabado de chegar a casa e tinha pousado tudo a correr para tratar dos livros. Aproximando-se dos meus livros a minha irmã continuava a cheirar o ar, antes de lhe conseguir perguntar o que se passava disse-me:
- Cheira a drama! E do pesado...
Pisquei os olho e abri um sorriso.
- Drama?
Ela assentiu.
- Sim, sim, ora bem...
Fingindo cheirar a estante, ela continuou com as suas fungadelas até parar subitamente na prateleira dos meus romances históricos e tocar na lombada do romance que acabara de arrumar.
- É este! - um sorriso abriu-se no seu rosto - Que livro é este? Isto não estava aqui ontem!
Olhei séria para a minha irmã, ou pelo menos tentei, porque quando dei por mim estavamos-nos as duas a rir como se tivéssemos dezasseis anos (o que no caso dela é verdade). Ainda a rir tirei o livro da estante e disse-lhe que tinha sido muito bem recomendado por uma amiga minha.
A minha irmã virou o livro e vendo a capa assobiou. Os seus olhos encontraram os meus e ela começou a arrumar o livro na estante enquanto dizia:
- Ouve o que te digo, drama intenso!
Sorrindo calmamente disse:
- Como podes ter a certeza? Ainda não leste o resumo!
Olhando para mim de lado e revirando os olhos a minha irmã resmungou entre dentes algo que me soou a "com uma capa e título destes não é de admirar que cheire a drama à distância". Em seguida lançou-me um sorriso angelical e concluiu:
- Quando o acabares de ler e este livro te tiver arrancado e pisado o coração conta-me a história!
Voltando-se de costas para mim, a minha irmã seguiu a vida dela calma e descontraidamente. Piscando os olhos peguei no livro, olhei para a capa, título e tornei a ler o resumo. Sinceramente agora até estou com receio de abrir o livro para o começar a ler...



Ki
(Catarina)
Sobre a autora:

Bibliófila assumida e escritora de domingo. Gosta de livros e tudo o que esteja relacionado com eles, tem a mania que tem opiniões sobre livros e gosta de as expor no seu blog conjunto Encruzilhadas Literárias, tem também uma conta no GoodReads e diz que é das melhores coisas que já lhe aconteceu.

2 leitores reagiram: