Opinião: Como Dei com o Meu Psiquiatra em Louco, de Isabel Stilwell

Como Dei com o Meu Psiquiatra em Louco
de Isabel Stilwell
Edição/reimpressão: 2000
Páginas: 118
Editor: Editorial Notícias
Resumo:
Homicídios com queijo, duelos de faca e garfo, juízes que colocam os móveis em guarda conjunta, meias que fogem para a Terra das Meias, meninas cujo o cérebro se alojou no cotovelo e mulheres que dão alvíssaras a quem lhes encontrar a alma perdida. Respire fundo e mergulhe sem medo. Vai ver que estas histórias falam de si.

Rating: 3/5

Comentário:
Apesar de nunca ter lido os romances históricos de Stilwell tenho uma boa impressão sobre a sua escrita pois costumava acompanhar os seus editoriais quando ela escrevia para o Diário de Notícias (sei que ela agora escreve para um jornal gratuito mas é raro apanha-lo!).
Por isso quando ao navegar o catalogo da biblioteca de Lisboa apanhei este livro dela pensei para comigo que sempre era mais pequeno que os romances (além do mais a Cláudia assustou-me contado que as nossas rainhas foram todas umas infelizes!) e talvez fosse uma leitura engraçada.
Como dei com o meu Psiquiatra em louco é uma colectânea de histórias um pouco doidas mas que, tal como a autora diz, falam de nós. Através de metáforas e brincadeiras com trocadilhos a autora apresenta-nos, não os maiores segredos da psique humana, mas algumas situações caricatas que nos reportam para o surrealismo da nossa realidade.
Como disse várias vezes no GoddReads à medida que actualizava o número de páginas lidas, a história a que achei mais piada foi a dos móveis em guarda conjunta. Apesar de achar que estão todas engraçadas, apesar de não serem nada do outro mundo, a dos móveis fez-me rir porque me recordou de amigos que passaram uma situação quase idêntica.
Na história de Stilwell um casal sem filhos vê o juiz colocar os seus móveis numa guarda conjunta, quinze dias em casa de um, quinze dias em casa de outro. Na vida real são os filhos que andam a passear de um lado para o outro mas será que isso dá menos trabalho que levar os móveis da esquerda para a direita?
Em resumo as histórias são engraçadas e creio que todos encontraremos uma ou outra a que acharemos mais piada. Não sei se será o pior trabalho de Stilwell mas eu esperava um pouco mais, e nisto partilho a opinião da bibliotecária que me viu requisitá-lo: Não está mau, mas esperávamos melhor.

0 leitores reagiram:

Que pensam Encruzilhad@s?