Os Dez Mandamentos (para uma vida de leituras honestas!)

Atenção: O presente artigo é uma tradução e adaptação do artigo  "The Ten Commandments of a Righteous Readerly Life" da blogger Dr B, que pode ser lido no seu original em inglês aqui.

E à medida que o Deus da Literatura (que apesar de tudo não se parece com a J.K.Rowling) desce dos céus numa nuvem composta por livros ainda por publicar de Ken Follet, e um novo volume para aquela saga que amamos mas que acabou, ele abençoa o nosso pequeno blog deixando-nos Os Dez Mandamentos para uma vida de leituras honestas.

10. Não estragar a leitura dos outros com spoilers.
Não te compete dizer a todos como o Snape dispensou o Dumbledore no fim da Saga de Harry Potter! Terás de fechar a boca e dar aos teus amigos a hipótese de o lerem por si mesmos ou serás considerado um mau amigo.

9. Não julgues ou serás julgado!
Que aquele que nunca cometeu um pecado literário lance a primeira pedra! A tua paixão secreta por Nora Roberts (e todos os seus pseudónimos) deveria parar a tua boca de fazer comentários petulantes sobre as leituras dos outros. E mais vale admiti-lo: o teu horror por a tua mãe ter lido As Cinquenta Sombras de Grey deve-se apenas ao facto dela ter gostado, maioritariamente, das partes sexys. Por isso cresce!

8. Não é a tua missão salvar esta humanidade de leitores deles mesmos.
Os teus gostos literários são teus e apesar de teres direito a os ter, não são tão preciosos e perfeitos ao ponto de os deveres impingir a todos. Aqueles que o tentarem fazer pensando que só lêem o melhor serão considerados parolos e os outros continuarão a ler o que quiserem. 

7. Não roubarás.
Mas empréstimos a longo prazo nos quais te esqueces completamente de devolver os livros não tem problema! (Lembrem-se: aquele que nunca cometeu um pecado...) No entanto, o Deus da Literatura acrescenta: devolve sempre os livros da biblioteca a tempo e paga as tuas multas, que existem pessoas em fila de espera para ler esse livro, desgraçado! 

6. Não cobiçaras a biblioteca do teu vizinho (ou a biblioteca da mulher do teu vizinho).
Fica alegre e não invejoso dos livros dos outros. E, quem sabe, o teu vizinho pode ter uma biblioteca fantástica e emprestar-te alguns livros nos quais poderás utilizar o mandamento número 7.

5. Podes escrever nos teus livros se assim o desejares, mas não podes escrever nos livros que pediste emprestado.
Além disso, não te stresses se as pessoas tratarem os seus livros de maneira diferente. Algumas pessoas poderão escrever neles, outras poderão dobrar os cantos das páginas, outras poderão usar marcadores gigantes que deixem marcas. Como não és o Deus da Literatura, relaxa!

4. O meio não é a mensagem.
Aquela colega que tem e-redear e te aborrece dizendo sempre que não vai voltar ao papel porque assim é mais prático, pode dar cabe do teu juízo mas não merece que a trates mal. Afinal será que os mandamentos escritos em pedra parecem mais verdadeiros do que os que lês no teu iPad? (Por favor não respondas a esta pergunta retórica.). Não julgues o meio, electrónico ou não, que as pessoas usam para ler, fica sim feliz por as pessoas lerem!

3. Poderás ter outros Deuses, além de mim!
A tua paixão pela Casa dos Segredos pode fazer-te parecer menos sério que os leitores que dizem não ver televisão mas hei! há uma hipótese de seres 64% menos aborrecido nas festas se tiveres outros temas de conversa.

2. Um livro e o seu filme são duas coisas diferentes, e poderás apreciar ambos se te mentalizares disso.
Que é como quem diz, já ninguém aguenta mais os teus posts chatos (seja no blog ou no facebook) a dizer que o livro é mil vezes melhor que o filme. Além de toda a gente já o saber, só o precisas de dizer uma vez por filme. 

1. Não matarás o prazer da leitura nos outros.
Expulsarei da nossa fé aqueles que lutarem para que todos vejam os seus livros só e apenas só do seu ponto de vista. Livros são arte aberta a interpretações variadas. Todos a devem apreciar à sua maneira.

Assim será escrito. Assim será lido. Assim será feito.

2 leitores reagiram: