Opinião: Calafrio, de Sandra Brown

 
Calafrio
de Sandra Brown
Edição/reimpressão: 2010
Páginas: 398

Resumo: Cleary, uma pacata cidade da Carolina do Norte, foi abalada pelo desaparecimento de cinco mulheres em dois anos e meio. Não há corpos, pistas ou suspeitos, apenas uma misteriosa fita azul abandonada no local onde cada mulher foi vista pela última vez…
Lilly Martin regressa a Cleary para concluir a venda da sua cabana de montanha e pôr um ponto final ao casamento com Dutch Burton, o chefe da polícia local. Depois de fechar as portas ao seu passado, não imaginava voltar atrás tão cedo. Mas, ao deixar a casa, sob um temporal, Lilly perde o controlo do carro e atropela um homem que emergia inesperadamente do bosque. Trata-se de Ben Tierney, que ela conhecera no Verão passado. Os dois são então forçados a regressar à cabana para esperarem pelo fim da terrível tempestade de neve.
Incontactáveis, com poucos víveres e quase sem aquecimento, Lilly e Ben vão aproximar-se um do outro, ao mesmo tempo que cresce a atracção e o desejo entre ambos. Mas, à medida que o isolamento se prolonga e os dois se envolvem, Lilly receia que a maior ameaça não seja o temporal, mas sim o homem ao seu lado...
Quem será o misterioso Ben Tierney: o raptor ou o homem capaz de salvar Lilly da tragédia que a assombra?
Calafrio é um romance intenso, no qual confiar na pessoa errada pode marcar a diferença entre a vida e a morte.


Para adquirem o vosso exemplar, passem pela livraria do Encruzilhadas no site da Leya.

Rating: 3/5

Comentário: 

Sendo Calafrio o segundo livro que leio da Sandra Brown, já deu para perceber que a autora utiliza a sua fórmula mágica, o que significa que para alguém que a leia com atenção, basta uma vez para perceber a condução que ela era irá atribuir às suas personagens em livros diferentes. Para quem já leu Dan Brown (que só por acaso está esta semana na berlinda), consegue perceber o que eu quero dizer (como dizia a brincar a Mafi do Blog Algodão Doce para o Cérebro - o qual recomendamos que dêem uma vista de olhos - e eles na verdade nem são parentes).
Quero com isto dizer que a história se torna de alguma forma previsível, embora dê a mão à palmatória, já que ela consegue colocar-nos a duvidar da nossa capacidade de discernimento, ao dar a entender o decorrer do enredo num outro sentido. Acho que as personagens estão elaboradas de forma satisfatória, conseguem compôr o quadro onde se passa a acção. No entanto, e para variar, é a composição das personagens principais que deixam a desejar. Não nos cativam, não chegam ao leitor senão com uma série de clichets, não nos fazem ansiar pela resolução do enredo, e comportam-se quase todos como se tivesses batido com a cabeça. Não revelando pormenores do enredo, o romance foi tão forçado que nem deu para nos habituarmos a ele ou sequer gostarmos do casal, as personagens não interagem da maneira certa, e a composição impõs elementos forçados para nos obrigar admitir que aquele era o fim a ser tido em conta, em detrimento de qualquer outro, ainda que não nos faça sentido.
Quanto ao fim, esse é o ponto fraco da autora, que perde quase 400 páginas a compôr a trama e em 20 páginas nos dispara com um final completamente saído do nada, com reacções disparatadas e que nos dá a sensação que ela, tal como nós, não sabia muito bem o que continuar a fazer com aquele livro, pelo que o apressou.
Não é tudo mau, claro, e daí o 3. Sandra Brown consegue trazer-nos a acção, colocar-nos a pensar e distrair-nos por uns momentos. E para essa finalidade, Calafrio serviu.

Cláudia
Sobre a autora:
 
Maratonista de bibliotecas e bookcrossing, a Cláudia ainda consegue estudar e fazer o seu mestrado enquanto lê nos transportes públicos. Defensora da sustentabilidade e do voluntariado é tão fácil encontrá-la numa biblioteca como na Rota Jovem em Cascais. É uma sonhadora e gosta de boas histórias, procurando-as em cada experiência que vive.

1 leitores reagiram:

  1. Gostei bastante deste livros e morando eu num país em que há vários meses de neve... Deu-me calafrios! :)

    ResponderEliminar