Opinião: Requiem, de Lauren Oliver

    

Requiem

de Lauren Oliver
Edição/reimpressão: 2013
Páginas: 352
Editor: Hodder & Stoughton General Division

Resumo: 
 The final instalment in the internationally bestselling Delirium trilogy. It is the rule of the Wilds You must be bigger, and stronger, and tougher. A coldness radiates through me, a solid wall that is growing, piece by piece, in my chest. He doesn't love me. He never loved me. It was all a lie.
'The old Lena is dead', I say, and then push past him. Each step is more difficult than the last; the heaviness fills me and turns my limbs to stone. You must hurt, or be hurt.
Lena can build the walls, but what if there's no one left to take them down? The powerful, heartbreaking conclusion to one of the most eagerly awaited, talked-about series is here.
 

Rating: 4/5 

Comentário: Requiem é o desfecho da trilogia Delirium, de Lauren Oliver. Para quem ainda não se apercebeu, comentámos no Blog tanto o primeiro como o segundo livro, para além de algumas short-stories criadas pela autora, para nos fornecer mais informações sobre personagens que de outra forma não teríamos conhecido tão bem. Como também devem ter reparado, esta trilogia ainda não foi editada em Portugal. No entanto, continuamos com esperança que venha a surgir no mercado nacional no futuro. Relembramos que foi gravado um episódio piloto bom base nestes livros, encomendada pela Fox, mas que acabou por definir que não seria emitido devido a uma temática demasiado juvenil para o canal. Para nós, tratar o amor como uma doença, num mundo distópico, é tão intergeracional como actual.

Podem estar descansados, não vou colocar spoilers, até porque a Catarina está a ler o livro de momento, e não quero estragar o fim a ninguém. Em Requiem, Lauren Oliver traz-nos um pouco da essência que me atraiu em Delirium, primeiro livro da trilogia. Já tenho dito, e não me canso de repetir, que a escritora é uma pessoa de personagens. É elas que sabe construir melhor, que consegue explorar (muitas vezes a fundo) e que nos envolve nas tramas pessoais, e que no universo a ter em conta, dizem respeito a mais do que motivações ideológicas, condicionam a capacidade de uma pessoa sobreviver.
Neste livro voltamos a ter presentes personagens que conhecemos anteriormente, e que vemos exploradas de forma diferente. Surgem também umas novas, para criar unidade à acção, e atribuir uma nova dinâmica ao que se irá passar. Tenho pena que o livro não tenha tido mais páginas. Acho que algumas destas pessoas ficaram com enfoque aquém do esperado, e existem uma série de pontas soltas que gostava de ter visto resolvidas, mais do que isso, não gosto de acabar uma história com perguntas para as quais não existe resposta (e nada tem a ver com o fim - só quem ler é que perceberá o que quero dizer com isto). Ainda assim, a voz de Lena enquanto personagem é agora mais una do que alguma vez foi; talvez porque já não é um elemento do Antes nem do Depois de ser "infectada" pela Deliria Nervosa. É ambas, e como tal, a sua maturidade dá-lhe o poder da reflexão, da análise, do crescimento contínuo, sem deixar de ser no entanto uma miúda, pouco habituada ainda a explorar sentimentos e a viver com as emoções à flor da pele.
Noutro patamar, uma das personagens do primeiro livro ganhará enorme destaque em Requiem. As suas acções não devem nem podem ser menosprezadas, e após uma composição, a forma como ela é conduzida ao final foi um pouco anticlimax. Ainda assim, a trama desenvolvida em sua volta demonstra mais uma vez a capacidade multidisplinar de um ser humano, e a necessidade de se adaptar às situações mais inoportunas.
Acima de tudo, Requiem é um livro onde os adolescentes, mais do que qualquer pessoa, têm o dom da palavra. Onde são missionários de uma série de ideologias que os adultos preferem ignorar na ausência da sua capacidade de as controlar, de assumir que o incerto pode ser estimado e que o mundo é, sem qualquer dúvida, um lugar muito mais bonito quando explorado em conjunto.
Este 4 atribuído vem um pouco em função de toda a trilogia, pela narrativa, pelas suas imperfeições, que não deixaram de me atrair na sua direcção. Um pouco como o amor, ou não fosse ele inexplicável.  


Cláudia
Sobre a autora:
 
Maratonista de bibliotecas e bookcrossing, a Cláudia ainda consegue estudar e fazer o seu mestrado enquanto lê nos transportes públicos. Defensora da sustentabilidade e do voluntariado é tão fácil encontrá-la numa biblioteca como na Rota Jovem em Cascais. É uma sonhadora e gosta de boas histórias, procurando-as em cada experiência que vive.

4 leitores reagiram:

  1. Respostas
    1. Olá Karina,

      Não colocamos spoilers no blog para não estragar o enredo a ninguém, mas se quiseres, contacta-nos para o email ou em mensagem privada no facebook ;)

      Boas leituras!

      Eliminar
  2. ALERTA SPOILER (não ler caso não tenha acabado )
    Estou cheia de dúvidas alguém me ajude , vai haver continuação , o que aconteceu com prego ? Lena vai ficar com Julian ou com Alex ? E Hana , ela vai continuar na cidade ? E a gente toda ( Coral , Lupi , Alistar ... )

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Inês, não vai haver continuação. A autora decidiu terminar assim a trilogia e deixar o final em aberto para decisão dos leitores. Boas leituras!

      Eliminar