Opinião: Lady Almina e a Verdadeira Downton Abbey






Lady Almina e a Verdadeira Downton Abbey
de Condessa de Carnarvon

Edição/reimpressão: 2013
Páginas: 264
Editor: Editorial Presença



Resumo: A verdadeira história do magnífico Castelo Highclere, que inspirou e onde tem sido filmada, a série de televisão de êxito mundial Downton Abbey. A quinta condessa de Carnarvon aqui retratada, Lady Almina, deu vida à ficcional Lady Cora Crawley e existem vários pontos de contacto entre personagens da série e pessoas reais que viveram no Castelo. A atual condessa, fascinada com o que foi descobrindo acerca do riquíssimo legado histórico de Highclere, decidiu escrever este livro extraordinário que resultou numa história empolgante que começa em 1895 e retrata tempos de mudança até à Primeira Guerra Mundial. Uma obra onde o biográfico e o histórico se mesclam num registo a que não faltam acontecimentos, proporcionando entretenimento e uma leitura aliciante.
Rating: 3,80/5

Trailer da Temporada 3 de Downton Abbey:
 

Opinião:  Para quem não sabe, por aqui somos ambas grandes fãs da série Downton Abbey. Deixei-vos o trailer em cima, a respeito da 3ª temporada só para abrir um cheirinho, enquanto não chega a próxima em Janeiro de 2014 (bolas, e como foi sofrida esta última!! Prefiro nem pensar em 2 ou 3 episódios para não ficar deprimida). Deste modo, foi impossível não ficar em pulgas quando vi este livro nas novidades da Editorial Presença. Claramente, a Feira do Livro foi um momento para cometer estragos, e não resisti a trazê-lo comigo.

Em primeiro lugar, acho que é importante dizer que este não é um livro para todos. Nem sequer para todos os que gostam da série (e que mesmo não achando muita piada a esta composição escrita podem sentir-se tentados a ler e gostar). Por mais que digam não o ser, é inegável que este livro é um romance biográfico. Não com a análise da vida de uma só pessoa, mas da existência de um Castelo e da vida das pessoas que nele habitaram. A pesquisa histórica efectuada pela autora foi bastante extensiva, por vezes rondando o exagero (por exemplo, na descrição dos vestuários adquiridos por Lady Almina, assim como da sua composição), mas demonstra o rigor que a actual Condessa de Carnarvon quis passar para o papel. Está bastante interessante, ensinou-se uma série de coisas que não sabia sobre o palácio (que foi muitas vezes parte central da obra) e dos seus moradores, substituídos a cada geração. O conceito de que a casa pertence ao actual Conde e não aos presentes moradores é bastante peculiar e uma pequena amostra do quadro social da época, que nos acompanhou diversas vezes ao longo de toda a obra.

Gostei que se mantivesse o interesse em criar a dicotomia "Upstairs/Downstairs", dado que é por causa dela que conhecemos melhor as histórias da equipa que integrou o chamado pessoal doméstico no período em análise. Tal como na série Downton Abbey, pôde-se conhecer um pouco sobre as histórias das duas vidas, das relações com os patrões do momento, e até entre si, contando-se aqui e ali um casamento, um nascimento...

As fotografias resgatadas dos arquivos históricos são lindíssimas e um óptimo tributo ao quadro criado pela narrativa deste livro. Tal como o título diz, Lady Almina terá um grande enfoque neste livro, sendo para mais, mais do que o retracto de uma Cora, uma versão moderna e despachada que engloba três personagens da série: Cora, Mary e Sybil. Mulher mimada que nunca aprendeu a ouvir um não, havendo-lhe uma certa prepotência por julgar que nenhum dos seus pedidos não poderia não ser atendido, é também uma imagem da proactividade feminina da época, especialmente durante o período da I Guerra Mundial, e que muito ajudou através da criação de unidades hospitalares para recuperação de feridos de guerra. Um pouco por vaidade, mas totalmente por vocação, Lady Alminha, à semelhança de outras com tanta força mas menor visibilidade junto dos Media, deve ter sido uma grande mulher para o seu tempo.

A vida do marido e dos filhos também ganha destaque, especialmente na fase final do livro, passando pelas constantes  expedições ao Egipto, e que em parceria com um amigo de longa data, levaram a uma das maiores descobertas de todos os tempos.

Achei bastante informativo, esclarecedor e minucioso, e com uma clara dedicação em passar para o papel todos os factos históricos mais relevantes.

No entanto, tenho que concordar com algumas críticas feitas ao enredo, especialmente na parte final, em que o desfecho da vida de Almina é despachado e colocado em segundo plano. Tendo toda a obra abordado os vários momentos da vida dela, esperava-se um maior cuidado a rematar as pontas soltas. O mesmo digo para o Castelo, que embora tenha tido a sua vivência bem retractada, sobre a própria edificação ou composição peca um pouco, valorizando-se mais as renovações de decoração de Almina, esbanjadoras e oponentes, do que a caracterização das suas raízes.

Ainda assim, aprendi imenso, foi uma leitura bastante esclarecedora e fiquei agradavelmente surpreendida.


Cláudia
Sobre a autora:
 
Maratonista de bibliotecas e bookcrossing, a Cláudia ainda consegue estudar e fazer o seu mestrado enquanto lê nos transportes públicos. Defensora da sustentabilidade e do voluntariado é tão fácil encontrá-la numa biblioteca como na Rota Jovem em Cascais. É uma sonhadora e gosta de boas histórias, procurando-as em cada experiência que vive.

0 leitores reagiram:

Que pensam Encruzilhad@s?