Opinião: Adeus à Escola [Maximum Ride N.º 2], de James Patterson

Adeus à Escola [Maximum Ride N.º 2]
de James Patterson
Edição/reimpressão: 2013
Páginas: 384
Editor: TopSeller
Resumo:
 Passaram 24 horas desde que Max e o seu bando escaparam do Instituto, em Nova Iorque. Os seis amigos com poderes extraordinários — são 98% humanos e 2% pássaros — continuam a emocionante procura dos seus pais e da verdade sobre quem realmente são.
Embora perseguidos pelos medonhos Erasers, os seis amigos tentam levar uma vida normal, com a ajuda de uma agente do FBI. É assim que voltam a estudar e que Max se apaixona por um rapaz, tentando a todo o custo não desvendar os seus poderes…
Mas para este bando não existem dias normais. Max apercebe-se de que estão a ser alvo de uma emboscada e que terão de abandonar a escola. E a situação é ainda mais grave — ela e os cinco amigos devem, supostamente, salvar o mundo. Mas salvá-lo de quem? Quando? E como?

Rating: 4/5
 
Resumo: 
Juro que não minto mas aqui há uns tempos pensei que a Max se deveria ter perdido algures no ar e que estava com saudades dela. Por isso imaginam a minha alegria quando vi que ela estava e volta com o seu ritmo alucinante e as suas aventuras de cortar a respiração.
James Patterson tem um jeito natural para escrever para jovens. Falo-vos de frases curtas, poucas descrições e muita mas mesmo muita acção. Falo-vos também de um dos poucos livros que conheço que tem uma irmã mais velha como personagem principal e uma com a qual eu me consigo relacionar. E talvez por isso esta opinião acabe por pender mais para o 4 que para o 3.5 mas temos de admitir que a personagem da irmã mais velha é muito maltratada e é bastante agradável ver uma a sair-se "bem na vida".
Max tem uma personalidade única e divertida. Apesar de ter apenas catorze anos age como se fosse mais velha devido a uma vida de maus tratos e às mutações a que o seu ADN foi exposto. É uma personagem que soa real pelas suas mini-crises de ciumes, pela necessidade que tem de proteger os mais novos, por ter uma irmã favorita e por não fazer ideia que está apaixonada por um dos membros do seu bando.
É uma adolescente com os seus problemas e crises existenciais, e sejamos sinceros ser meia pássaro não ajuda, e é essa a imagem que Patterson passa dela aos seus leitores. Uma certa imagem de fragilidade mas também de força porque Max acaba sempre por se levantar para enfrentar os seus inimigos. Não é por isso de admirar que Patterson seja um escritor de bestsellers, se existe uma formula mágica para livros rápidos e cativantes, ele encontrou-a.
Os capítulos tanto podem durar umas parcas linhas como algumas páginas mas nunca são muito longos. As personagens são divertidas, apesar de também terem os seus defeitos, e esta saga parece-me estar entre as melhores para adolescentes devido ao enredo, que é um pouco mais complexo do que à primeira vista, cenas rápidas de acção, batalhas em pleno ar, e ao ligeiro toque de ficção cientifica. 
Apesar de por vezes ter um pouco a sensação que a vida de Max é facilitada através de certos poderes e situações que vão surgindo, a realidade é que este é um livro para adolescente e Max é uma adolescente também e como tal, há situações em que ajuda é necessária e tem de ser dada para as personagens poderem evoluir e para a história seguir o seu rumo.
Assim sendo, os únicos defeitos a apontar ao livro vão para a tradução que não está a melhor com frases traduzidas à letra em vez de adaptadas para português e para a revisão que deixou escapar um ou outro erro ortográfico. Apesar de os erros ortográficos não me fazerem muita confusão a tradução literal faz porque é fácil perceber qual era a frase em inglês e qual era o sentido da mesma. Mesmo assim tratam-se de casos pontuais que não interferem sistematicamente com a leitura.
Antes de terminar gostaria de dizer que adorei a ideia da Topseller de pôr a opinião de blogues nacionais perto dos comentários dos jornais internacionais. Fiquei muito satisfeita por ver o seu trabalho em destaque, não só porque conheço alguns dos blogues mencionados, mas também porque ajuda a criar a ideia de que a Max é uma história que agrada aos portugueses.
Espero agora o terceiro volume da série com ansiedade, eu pessoalmente acho que o título em inglês do próximo volume promete (Maximum Ride - Saving the world and other extreme sports) e já estou a guardar lugar para ele na minha estante. Um livro repleto de aventura e acção que fará a delícia dos jovens.

Passatempo Marcador Páscoa - Pedras do Bosque

Boa noite caros leitores!

Para os que nos seguem no Facebook, já não é novidade que temos um novo passatempo a decorrer em colaboração com o Pedras do Bosque!

Até dia 31 de Março podem habilitar-se a ganhar este marcador (eu tenho um e podem crer que dá imenso jeito - Cláudia), tendo para isso apenas de:

-Fazer like na fotografia disponível no Facebook, aqui.
-Escrever um comentário na mesma fotografia com o vosso nome.

- Partilhar o link da Página Oficial do Pedras do Bosque (publicamente, para que o possamos conferir).

Mais uma vez, é um passatempo unicamente para o Facebook, mas não se preocupem que não passará a ser tendência. Como temos mimos para todos, não se esqueçam de participar no passatempo a decorrer em colaboração com a Editorial Presença, onde está em sorteio um exemplar do livro "Guerreiros do Arco-íris", de Andrea Hirata

Novidades: Civilização Editora

A Volta ao Mundo em 80 Pratos
de David Loftus
Páginas: 288
Lançamento em Março!
Sinopse: 
A Volta ao Mundo em 80 Pratos de David Loftus, um dos mais conceituados fotógrafos da gastronomia mundial, apresenta receitas de fazer crescer água na boca da autoria de chefs internacionais e autores de livros de culinária, de Jamie Oliver a Nigella Lawson, Gennaro Contaldo, Heston Blumenthal ou Atul Kochhar. Seguindo os passos de Phileas Fogg na sua volta ao mundo, passa pela Europa, o Médio Oriente,a Ásia e a América e reúne um verdadeiro tesouro de sabores dos quatro cantos do mundo.

"A Volta ao Mundo em 80 Pratos é como o Top of the Pops da comida excitante – as melhores garfadas num livro extraordinário”, escreve Jamie Oliver no prefácio do delicioso livro de David Loftus, uma excelente compilação de receitas inspiradoras, com fotografias de grande beleza, ideal para amantes de viagens e de comida que lhes permite escolher o seu destino e saboreá-lo.

David Loftus anda 350 dias por ano na estrada a fotografar chefes de cozinha e pratos deliciosos pelos quatro cantos do Mundo. Em A Volta ao Mundo em 80 Pratos, partilha o melhor que foi encontrando ao longo das suas viagens. No trilho da personagem criada por Júlio Verne, Loftus mostra os tesouros da cozinha que foi encontrando nas suas inúmeras viagens. O mundo em 80 pratos. David Loftus já recebeu inúmeros prémios e, recentemente, foi considerado o 65.º fotógrafo mais influente do mundo.  

Mais informações em: http://www.davidloftus.com 

Império: Como a Grã-Bretanha Construiu o Mundo Moderno  
de Niall Ferguson
Páginas: 520
Lançamento em Março! 

Sinopse:

Império, o bestseller de Niall Ferguson, conta a notável história da ascensão ao poder do Império Britânico – e da sua queda. Em tempos, vastas áreas do mapa-múndi estavam pintadas de vermelho-imperial, e a Britânia exercia o seu poder não só nos mares, mas também nas pradarias americanas, nas planícies asiáticas, nas selvas africanas e nos desertos árabes. Mas como é que uma pequena e chuvosa ilha do Atlântico Norte conseguiu tudo isto? E porque é que o império onde o Sol nunca se punha chegou por fim ao seu declínio e queda?
Império, o aclamado livro de Niall Ferguson, desvenda de forma brilhante a história imperial com todo o seu esplendor e miséria, mostrando como um grupo de bucaneiros e exploradores gananciosos abriram o caminho para o maior império de toda a história e colocaram o mundo na senda da modernidade.

Novidade TopSeller

Já nas livrarias!
 

Sinopse:
A vida de Lizzy Tucker não pode ser mais confortável: mudou-se recentemente para uma casa histórica que herdou em Salem, no Massachusetts, e acaba de tornar-se chef na Dazzle's, uma das pastelarias mais visitadas da cidade. Mas a esperança por qualquer tipo de normalidade evapora-se quando dois homens entram de rompante na sua vida: o sombrio Gerewulf Grimoire, e Diesel, um homem lindíssimo e de aparência angelical. Grimoire procura as Pedras de Saligia que estarão, diz-se, em Salem. Esses sete talismãs — representativos de cada um dos sete pecados mortais — dão poderes assustadores a quem os detenha. Diesel é um homem com uma missão: parar Grimoire a todo o custo. Só precisa de convencer Lizzy de que apenas ela será capaz de manter o vilão longe dos talismãs. Mas, para que isso aconteça, Diesel quer protegê-la todo o dia… e toda a noite. Estes talismãs têm efeitos estranhos sobre si, enchendo-a de apetites e desejos súbitos. Com dois homens no seu encalce, e sentindo-se estranhamente atraída por ambos, como irá ela escapar à espiral de emoções em que se vê envolvida?

Uma aposta da TopSeller que da autora já trouxe para Portugal  Perseguição Escaldante.
Ah! E para aguçar o apetite aos leitores, a editora disponibiliza gratuitamente os primeiros capítulos de Gula Perversa aqui

Novidades Abril: Edições ASA

Nasci Num Harém
de Fatima Mernissi
Lançamento: 12 Abril
Sinopse:
”Nasci num harém em Fez, Marrocos…” assim começa a história de uma infância passada por detrás dos muros proibidos de um harém.
Com uma voz carregada de emoção e um exotismo comparável ao das “Mil e Uma Noites”, Fatima narra as suas memórias e os sonhos e fantasias das mulheres que a viram crescer. Mulheres a quem o mundo exterior era interdito e que usavam o puro poder da imaginação para o recriar. Por entre o inebriante aroma a incenso e a suavidade dos véus multicores, ela viveu uma infância exuberante e mágica, mas também isolada e com pouco ou nenhum contacto com a realidade. A sua timidez e docilidade eram uma fonte de preocupação para a sua mãe, uma mulher rebelde e inspiradora, que a instigava a sonhar mais alto e a ousar transpor os muros proibidos para ver o mundo com os seus próprios olhos.

Amor & Enganos
de Julia Quinn
Lançamento: 19 Abril
Sinopse:
Sophie Beckett tinha um plano ousado: fugir de casa para ir ao famoso baile de máscaras de Lady Bridgerton. Apesar de ser filha de um conde, ela viu todos os privilégios a que estava habituada serem-lhe negados pela madrasta, que a relegou para o papel de criada. Mas na noite da festa, a sorte está do seu lado. Sophie não só consegue infiltrar-se no baile como conhece o seu Príncipe Encantado. Depois de tanto infortúnio, ao rodopiar nos braços fortes do encantador Benedict Bridgerton, ela sente-se de novo como uma rainha. Infelizmente, todos os encantamentos têm um fim, e o seu tem hora marcada: a meia-noite.
Desde essa noite mágica, também Benedict se rendeu à paixão. O jovem ficou até imune aos encantos das outras mulheres, exceção feita… talvez… aos de uma certa criada, que ele galantemente salva de uma situação desagradável. Benedict tinha jurado tudo fazer para encontrar e casar com a misteriosa donzela do baile, mas esta criada arrebatadora fá-lo vacilar. Ele está perante a decisão mais importante da sua vida. Tem de escolher entre a realidade e o sonho, entre o que os seus olhos veem e o que o seu coração sente. Ou talvez não…

Menina Rica, Menina Pobre
de Joanna Rees
Lançamento: 30 Abril
Sinopse:
Thea e Romy são duas lindas bebés cujo futuro é ditado por uma moeda atirada ao ar. Separadas e vendidas na calada da noite, os seus destinos não podiam ser mais diferentes. Thea é enviada para os Estados Unidos, onde a espera uma vida de privilégio e luxo. Romy é internada num violento e degradado orfanato na Alemanha de Leste. Embora vivam em continentes diferentes, os seus caminhos vão cruzar-se ao longo dos anos, sem que nenhuma conheça a identidade da outra. Mas os seus mundos acabarão por colidir um dia. Face a uma tragédia iminente, com tudo o que lhes é mais querido em jogo, elas têm apenas duas opções: destruírem-se mutuamente ou unirem-se, arriscando as próprias vidas, para descobrir a chocante verdade sobre o seu passado.
Das vielas decadentes de Londres aos arranha-céus de Nova Iorque, das montanhas geladas da Europa de Leste às exuberantes praias das Caraíbas, duas mulheres unidas pelo poder invisível dos laços de sangue constroem as suas vidas numa luta permanente contra a arbitrariedade do acaso.

Novidades Abril: Quinta Essência

Do Céu, Com Amor
de Michelle Holman
Ano da Edição: Abril 2013
Número Páginas: 408
Sinopse:
Depois de uma colisão frontal entre um elegante carro desportivo e um utilitário, um anjo bondoso faz uma troca na sala de espera do Céu. Uma professora baixinha, temperamental e amante de râguebi recebe uma segunda oportunidade e encontra-se no corpo de uma americana alta, deslumbrante e promíscua. Tem um marido rico e lindo de morrer que parece ter acabado de sair de um romance -, mas por uma razão qualquer, não suporta sequer olhar para ela. Ela pensa que enlouqueceu, e se contar a alguém as pessoas saberão que isso é verdade... e irão interná-la. E ela não pode fugir e esconder-se: tem uma perna partida.

Perto de Ti
de Anita Notaro
Ano da Edição: Abril 2013
Número Páginas: 452
Sinopse:
Louisa está farta da sua vida. Do namorado, do trabalho, do apartamento - tudo precisa de uma reforma imediata e radical. E assim ela decide mudar tudo a favor de uma existência despreocupada, trocando o seu apartamento por uma casa móvel, o carro por uma moto, e as suas roupas elegantes por outras informais. E, acima de tudo, começa um novo trabalho como psicóloga de cães.
Com as amigas Maddy e Clodagh, embarca numa nova aventura - para conhecer pessoas diferentes, descobrir novos lugares e encontrar um homem novo e fabuloso. O seu trabalho traz-lhe recompensas imediatas e extraordinárias quando ela conhece os donos de cães cujos problemas muitas vezes parecem ecoar os dos donos. Mas independentemente do stresse da sua nova vida, Louisa tem o apoio das amigas. Se ao menos isso pudesse durar para sempre...

Vertigem de Paixão [A Lenda dos Quatro Soldados - Volume 2]
de Elizabeth Hoyt
Ano da Edição: Abril 2013
Número Páginas: 372 
Sinopse:
Durante anos, Melisande Fleming amou Lorde Vale de longe... vendo-o seduzir uma sucessão de amantes e, uma vez, entrevendo a intensidade de sentimentos sob o seu exterior despreocupado. Quando ele é abandonado no dia do casamento, ela enche-se de coragem e oferece-se para ser sua mulher. Vale tem todo o gosto em desposar Melisande, nem que seja apenas para produzir um herdeiro. 
Porém, tem uma agradável surpresa: uma dama tímida e recatada durante o dia, ela é uma libertina durante a noite, entregando-lhe o seu corpo... mas não o seu coração. Decidido a descobrir os segredos de Melisande, Vale começa a cortejar a sua sedutora mulher - enquanto esconde os pesadelos dos seus dias de soldado nas Colónia que ainda o atormentam. No entanto, quando uma mortífera traição do passado ameaça separá-los, Lorde Vale tem de expor a sua alma à mulher com quem casou... ou arriscar-se a perdê-la para sempre.

Passatempo: Os Guerreiros do Arco-íris, de Andrea Hirata.


Bom dia caros leitores!

Para começar bem esta Primavera de 2013, nada como abrir o apetite literário com um novo passatempo, desta feita pelas mãos da Editorial Presença.

Temos para oferecer um exemplar de "Os Guerreiros do Arco-Íris", de Andrea Hirata, o qual se poderão habilitar a ganhar até dia 31 de Março. É o primeiro romance do autor e tem feito um sucesso estrondoso desde a Indonésia até nós. A não perder, para quem gostar do género! Para tal, só terão de completar as questões do formulário em baixo e deixar a informação completa quanto aos dados pedidos. As respostas poderão ser encontradas aqui e no site da editora. Não se esqueçam de participar, e boa sorte a todos!





Regras do Passatempo: 
1) O passatempo decorre até às 23h59 do dia  31 de Março de 2013. 
 2) Todos os dados solicitados devem ser devidamente preenchidos e completos. 
3) Só serão aceites uma participação por pessoa e morada, em todo o território português (Portugal Continental e Ilhas). 
4) O/A vencedor/a será sorteado de forma aleatória (random.org), sendo o resultado anunciado na página do blog e o contacto efectuado por e-mail. 
5) O Encruzilhadas Literárias e/ou a Editora não se responsabilizam pelo extravio ou danos causados pelos CTT no exemplar enviado.





Opinião: O Último Minuto, de Jeff Abbott

O Último Minuto
de Jeff Abbott
Edição/reimpressão: 2012

Páginas:560
Editor: Civilização Editora
Resumo: Sam Capra tem uma única razão para viver: recuperar o filho das pessoas que o raptaram. Agora, os raptores fazem-lhe uma proposta mortal: entregam-lhe o bebé… se Sam concordar em cometer um assassinato espetacular. Aliando-se a uma jovem mãe cuja filha desapareceu, Sam parte em busca do seu filho pelo país fora numa corrida perigosa e desesperada contra o tempo.

Rating: 3.5/5 

Comentário: Depois da minha última leitura ter passado por Sandra Brown, Jeff Abbott traz-me uma leitura nitidamente mais masculina. Denota-se pelos traços da acção, pela construção do enredo, pela apresentação das personagens. E sendo a minha primeira obra com o autor, não fiquei nada desanimada. O Último Minuto é a continuação de Adrenalina, também editado pela Civilização Editora. No entanto, não desanimem os que ainda não o tiverem lido, porque o enredo é bastante percetível: é-nos contado tudo o que precisamos de saber para compreender o desenvolver dos acontecimentos (sem demasiadas analepses, mas sem nos deixar com buracos que nos fizessem compreender não compreender a totalidade da teia de conspirações que se sucedem neste livro), confesso que só me apercebi que ela uma sequela já ia com a leitura avançada.
Sam Capra vai numa demanda para salvar o filho que nunca teve nos braços, e que foi raptado logo após o seu nascimento por alguém ligado a uma organização internacional capaz das maiores atrocidades - Nove Sóis. Conta agora com o apoio de outra organização - Távola Redonda - que pretende exactamente o contrário à primeira (e com isto garantir um nível de justiça e humanidade para aqueles que não têm meios para se defender sozinhos dos grandes tubarões do crime). A acção decorre num curto espaço de tempo, e é sempre constante e frenética, não nos dá grande descanso ou tempo para respirar, por isso aconselho que se quiserem algo leve para adormecer escolham outra leitura, esta irá impor um nível de adrenalina que ainda deixa alguém com insónias. Como é que alguém lê sobre um ou dois assassinatos e se sente relaxado para dormir? E mais, como é que podemos não ficar irritados e ansiosos quando alguém escapa no último minuto (e sim, só agora reparei no trocadilho com o título)?
A determinada altura até o próprio leitor está num impasse sem saber muito bem por quem torcer, e porque motivo, e isso por si diz-nos como a trama foi construida de forma inteligente.
Quanto às personagens, gostei da Mila - moldava com uma fogosidade que mantém qualquer inimigo à distância; e de Jack (que para mim é sem dúvida das personagens que mais gostava de ver exploradas, mas talvez porque não li o primeiro volume). Já as Irmãs ganham o primeiro lugar - dentro da sua loucura sádica foram sem dúvida as mais divertidas, e  fiquei com pena de vê-las partir tão depressa. Acho que tinham ainda muito por ser explorado. Quanto a Sam, a construção das suas acções torna-o uma personagem interessante, mas a sua essência pareceu-me algo oca. De qualquer das formas proporcionou-me uma aventura sem limites, com alguns elementos que achei algo previsíveis mas com várias nuances e reviravoltas que me fizeram ler tudo até ao fim com algum nível de ansiedade. E depois de tanta correria, murro e perseguição, confesso-vos: estou até cansada.

Cláudia
Sobre a autora:
 
Maratonista de bibliotecas e bookcrossing, a Cláudia ainda consegue estudar e fazer o seu mestrado enquanto lê nos transportes públicos. Defensora da sustentabilidade e do voluntariado é tão fácil encontrá-la numa biblioteca como na Rota Jovem em Cascais. É uma sonhadora e gosta de boas histórias, procurando-as em cada experiência que vive.

Opinião: Um Lugar Dentro de Nós, de Gonçalo Cadilhe

Um Lugar Dentro de Nós
de Gonçalo Cadlhe
Edição/reimpressão: 2012

Páginas:176
Editor: Clube do Autor
Resumo: Gonçalo Cadilhe é o autor deste livro e desta nota biográfica. Sou eu, portanto. Viajar pelo mundo e escrever sobre ele é a minha profissão. Sou um trabalhador dedicado e assíduo e em vinte anos nunca faltei um dia ao emprego. Tenho mais de 40 anos e amo Portugal — de preferência de longe e explicado a estrangeiros. Acredito no comboio, na bicicleta, no barco, na conversa, no copo de vinho e em outros meios de transporte que levam longe mas não têm pressa de chegar.
Nasci e cresci na Figueira da Foz, onde ainda vivo com a minha mulher e o meu filho. Dito desta maneira, parece que nunca saí da minha cidade. Não é verdade, mas mesmo que fosse bastavam algumas das reflexões que deixo neste livro para que me sentisse plenamente feliz com as viagens que nunca fiz.

Rating: 4/5 

Comentário: 
Existem várias formas de viajar, de sonhar acordado, de transpor barreiras inimagináveis através unicamente da vontade de fazer mais, da fome de mundo e de variedade. Existem diferentes formas de alcançar o sonho adormecido e de procurar a realização pessoal. E existem os mesmos lugares, que nos despertam de forma diferente, que nos levam a querer saber mais com curiosidade por questões diversas, que nos fazem ir em diante. Mas no fundo, por mais mundos e gentes que alcancemos, aquele que realmente descobrimos é só nosso e intransmissível. Em parte, este é também o mote que vem na capa deste livro: "Não importa onde a viagem te leva mas sim o que ela faz de ti".

Este não é um livro para se ler de seguida. Cada capítulo, cada fotografia valem só por si, e exigem portanto um período de reflexão - que vai muito além do acto de viajar, passando pela própria existência e pela vida em geral.  Que ao fim ao cabo, é a nossa primeira e última grande viagem. Percorre vários lugares, várias pessoas, vários elementos temporais também. Tem ainda umas imagens espectaculares no fim, que apelam definitivamente a voarmos para fora do quotidiano e a pensar no que é que gostaríamos de fazer diferente, que desafios temos de impor a nós próprios e o que procurar na eminência de um obstáculo.

No entanto, e dada essa natureza, a utilização de um discurso na segunda pessoa do singular torna-se algo invasiva, não criando a pretensão de proximidade e familiaridades que se pretendia.

De todos os livros de Gonçalho Cadilhe, este é sem dúvida o mais diferente, que coloca em análise os preâmbulos de um certo pensamento filosófico, sem realmente o ser. Merece ser lido, sem sombra de dúvida.

Cláudia
Sobre a autora:
 
Maratonista de bibliotecas e bookcrossing, a Cláudia ainda consegue estudar e fazer o seu mestrado enquanto lê nos transportes públicos. Defensora da sustentabilidade e do voluntariado é tão fácil encontrá-la numa biblioteca como na Rota Jovem em Cascais. É uma sonhadora e gosta de boas histórias, procurando-as em cada experiência que vive.

Ler no Chiado no Dia Mundial da Poesia


"Boa tarde,


Este mês o Ler no Chiado é mais tarde. Em vez de acontecer na primeira quinta-feira de março, está agendado para dia 21, que também é quinta-feira e é o Dia Mundial da Poesia. Será esse o mote desta sessão da tertúlia moderada  que tem como único convidado José Tolentino Mendonça.


Celebraremos a poesia, pois, à conversa com um poeta. Como ponto de partida para este encontro, os três livros mais recentes do autor, todos editados nos últimos meses: o livro de ensaios (sobre a amizade) Nenhum caminho será longo, o livro de poemas Estação Central e a peça de teatro O Estado do Bosque.

Ler no Chiado é uma iniciativa da Revista Ler e das Livrarias Bertrand, acontece geralmente na primeira quinta-feira do mês, às 18h30, na livraria mais antiga do mundo. Com moderação de Anabela Mota Ribeiro."

~ Enviado pela Livraria Bertrand

O tal

Uma das coisas que aprecio bastante na maneira de ser de Shannon Hale, autora de O Livro dos Mil Dias e Academia de Princesas, é o facto dela se interessar e pensar em coisas que podem por vezes passar um pouco despercebidas.
No seu último artigo a autora debate a falta de personagens do mesmo sexo da personagem que é o "interesse romântico" da personagem principal. Para o fazer, a autora recorda uma história da sua juventude onde entrou numa peça de teatro em que fez de um dos ladrões da floresta de Sherwood e questionou-se porque não poderia ser uma ladra. Os colegas rapazes rapidamente a elucidaram que isso não poderia ser, porque assim não haveria motivos para o Robin Hood se apaixonar pela Lady Marion. A autora achou isto estranho, o que teria existir uma ladra no grupo a ver com o facto do Robin Hood gostar da Lady Marion ou não? (Aproveito para relembrar que a BBC pensou o mesmo quando fez a sua versão do Robin Hood e introduziu a Djac na história.)
E de ligação em ligação a autora chega a uma conclusão: a não ser que haja um triângulo amoroso envolvido na equação, a personagem principal nunca conhece ninguém que consiga rivalizar com o personagem que é o seu interesse romântico. E isto, diz a autora, tanto serve para YA que em que as raparigas são as principais, onde normalmente há dois rapazes igualmente perfeitos que a disputam (mas onde nós normalmente até temos noção de com quem ela vai ficar), como para YA onde os rapazes são os principais e existe apenas uma rapariga que lhes rouba o coração.
A pergunta que fica no ar é: será que esta rapariga/rapaz perfeita/o não tem amigos? Amigos que não sejam exageradamente cómicos ou feios? Será que não tem amigos atractivos como eles e com capacidades interessantes? Qual seria o perigo? Confundiriam os escritores os leitores? Seria mais difícil explicar o porquê da atracção entre os dois personagens?
Creio que a resposta é sim mas é exactamente isso que torna um livro interessante. Claro que a atracção é fácil de explicar, o amor nem tanto, mas o desafio é mesmo esse e a vida real é confusa e imprevisível. Claro que muita gente se refugia nos livros para encontrar realidades perfeitamente organizadas, a certo nível, onde podemos contar com finais felizes e amores que duram para sempre mas não é também refrescante ler um livro mais desafiante onde até meio tudo é imprevisível?
Ou pelo menos onde a personagem principal tenha mais amigos do sexo do seu interesse romântico com os quais não queira namorar? O papel de interesse amoroso que cabia, e cabe ainda, às mulheres nos filmes de acção está a passar rapidamente para os homens na literatura YA e isso não é bom nem para uns, nem para outros.
Digam-nos o que pensam, Encruzilhados! Gostam de ter os casais definidos (a heroína parece só conhecer um rapaz e ele é tudo para ela, ou o contrário) ou preferem livros onde a situação pode ser ligeiramente mais nebulosa (isto é existe mais que uma opção para a nossa personagem principal)? Atenção que isso não significa que ela fique duvidosa sobre quem gosta, apenas significa que existem mais homens/mulheres no mundo e não só o/a tal!


Ki
(Catarina)
Sobre a autora:

Bibliófila assumida e escritora de domingo. Gosta de livros e tudo o que esteja relacionado com eles, tem a mania que tem opiniões sobre coisas e gosta de as expor no seu blog conjunto Encruzilhadas Literárias, tem também uma conta no GoodReads e é das melhores coisas que já lhe aconteceu.

Rubrica: A Vida Imortal de Henrietta Lacks, de Rebecca Skloot

A Vida Imortal de Henrietta Lacks
de Rebecca Skloot
Edição/reimpressão: 2011
Páginas: 416
Editor: Casa das Letras
Resumo:
O seu nome era Henrietta Lacks, mas os cientistas conhecem-na como HeLa. Era uma pobre assalariada numa plantação de tabaco, trabalhando a mesma terra do que os seus antepassados escravos. Mas as suas células - retiradas sem o seu conhecimento - tornaram-se numa das ferramentas mais importantes na Medicina: as primeiras células humanas «imortais» da ciência. Ainda estão vivas hoje, embora Henrietta tenha morrido há mais de sessenta anos. As células HeLa foram vitais para o desenvolvimento da vacina contra a poliomielite; contribuíram para os avanços médicos em relação ao cancro, aos vírus e aos efeitos da bomba atómica; ajudaram nas descobertas médicas importantes, como a fertilização in vitro, clonagem e mapeamento de genes; e, consequentemente, foram compradas e vendidas através de contratos multimilionários. No entanto, Henrietta Lacks permanece praticamente desconhecida.

Rating: 3,5/5

Comentário: 
HeLa. Uma pessoa comum, sem estudos na área da ciência, pouco saberá o que esta palavra significa mas esta talvez seja uma das maiores descobertas cientificas dos últimos anos.
A verdade é que ninguém pensa nas pessoas por detrás das descobertas cientificas, nos seus sentimentos e nos seus motivos. Afinal todos sabemos o que é a gravidade e como actua, mas porque estava Newton sentado debaixo de uma árvore? A teoria de Evolução é realmente fantástica mas porque embarcou Darwin numa expedição de 1 ano (se é que sabem que ele embarcou)?
Lembro-me de estar numa palestra sobre células cancerignas, a falar sobre a sua replicação e aplicações no dia de hoje quando a professora perguntou "se alguém sabia quem era Henrietta Larcks?".
Talvez seja embaraçoso confessar que numa turma de 400 alunos apenas um levantou a mão. Sem palavras,  sem dúvida devido ao choque, a professora desafiou-nos a ler o livro. Eu li. Percebi o porquê. E agora desafio a todas as pessoas a fazer o mesmo. Porque não é preciso ser cientista para ler sobre alguém que tanto fez pelo mundo. Este livro leva-nos a conhecer Henrietta Larcks e é só.
Rebecca Skloot muniu-se de perguntas e de uma vontade enorme de descobrir quem era Henrietta e conseguiu, ao longo das páginas deste livro, contar-nos a sua história como se a tivesse realmente conhecido, como se estivesse estado com ela. Para mim foi como ler um romance, uma história mágica e assustadora (um pouco como no cinema quando aparecem aquelas fatídicas letras que dizem "baseado numa história verídica") onde descobri quem foi Henrietta e o seu contributo para o mundo.
Sim, este livro leva-nos a conhecer Henrietta Larcks e é só. E no entanto, é ao mesmo tempo muito mais.



Gaby
Sobre a autora:

Companheira de aventuras de Hércules e conselheira da Taylor Swift, a Gaby divide o seu tempo entre ver filmes e ouvir música. De vez em quando lá pega num livro para ler, não porque não gosta mas porque finalmente achou algo que lhe interesse. É uma verdadeira groumet literária. Caso queiram saber mais sobre ela podem ver o seu tumblr aqui.

Novidade: [Maximun Ride N.º2] Adeus à Escola, de James Patterson

Edição/reimpressão: 2013 
Páginas: 384 
Sinopse: 
Passaram 24 horas desde que Max e o seu bando escaparam do Instituto, em Nova Iorque. Os seis amigos com poderes extraordinários — são 98% humanos e 2% pássaros — continuam a emocionante procura dos seus pais e da verdade sobre quem realmente são. Embora perseguidos pelos medonhos Erasers, os seis amigos tentam levar uma vida normal, com a ajuda de uma agente do FBI. É assim que voltam a estudar e que Max se apaixona por um rapaz, tentando a todo o custo não desvendar os seus poderes… Mas para este bando não existem dias normais. Max apercebe-se de que estão a ser alvo de uma emboscada e que terão de abandonar a escola. E a situação é ainda mais grave — ela e os cinco amigos devem, supostamente, salvar o mundo. Mas salvá-lo de quem? Quando? E como?

Depois de "O Resgato de Angel", a TopSeller continua a editar as aventuras de Max e o seu bando, quem ainda não leu a nossa crítica ao primeiro volume desta saga pode fazê-lo clicando aqui.

Opinião: Letal, de Sandra Brown

 
Letal
de Sandra Brown
Edição/reimpressão: 2013
Páginas: 456
 Resumo: Quando a filha de quatro anos lhe diz que está um homem doente no seu jardim, Honor Gillette corre a ajudá-lo. Mas esse «doente» revela ser Lee Coburn, o homem acusado de assassinar sete pessoas na noite anterior. Perigoso, desesperado e armado, ele promete a Honor que ela e a filha não irão magoar-se se ela fizer tudo o que ele lhe pedir. Honor não tem alternativa a não ser aceitar a sua palavra.
Em breve Honor descobre que nem as pessoas mais próximas de si são de confiança. Coburn afirma que o seu falecido marido possuía algo extremamente valioso que coloca Honor e a filha em perigo. Coburn está ali para levar consigo esse objeto - a qualquer custo. Dos escritórios do FBI em Washington, D.C. a um velho barco no litoral da Louisiana, Coburn e Honor fogem das pessoas que juraram protegêlos e desvendam uma teia de corrupção e depravação que os ameaça não só a eles, mas à própria sociedade.

Podem consultar o excerto das primeiras páginas aqui.

Para adquirem o vosso exemplar, passem pela livraria do Encruzilhadas no site da Leya.

Rating: 3.70/5


Comentário: 

Letal foi a minha estreia com Sandra Brown, apesar de já ter intenções de ler livros dela há muito tempo. Outras prioridades foram-se sobrepondo, como qualquer leitor com uma lista interminável de livros para ler sabe, mas a estreia deste último livro da autora em Portugal serviu como pontapé de saída para enveredar pelo mundo de crimes e suspense da autora.
Tida por muitos como uma das melhores autoras de romances policiais, onde predominam os thrillers e o suspense com uma visão feminina muito demarcada, o seu último romance tem sido referido como um dos melhores da sua autoria. Quanto a isso, não me posso pronunciar, mas foi de facto uma surpresa muito bem conseguida.
Começamos uma narrativa com um nível de acção já adiantado, de onde resulta a perseguição a um assassino em série que surge sem passado e do qual ninguém consegue saber o destino actual. O que aí se sucede, já nós conhecemos através da sinopse: insinua-se junto da família Gillette, precisando de descobrir algo na posse da viúva que o possa ajudar. Como? Só o descobriremos mais em diante. A acção encontra-se sempre ao rubro, e a entrada em cena de personagens secundárias faz por nos lembrar desse mesmo facto, já que a localização isolada da casa de Honor acaba por passar para o leitor, que se envereda nas interligações criadas entre o criminoso e a mulher e a sua filha e se esquece da caça ao homem. A introdução da menina é na verdade um dos pontos a favor para mim: nem sempre é fácil para os autores criarem personagens infantis que o sejam realmente - ou os discursos não se adequam, ou são demasiado forçados. Emily é uma miúda doce e com uma ingenuidade institiva que torna toda a narrativa mais interessante, até porque será sem dúvida um dos elementos cruciais para o desenrolar da narrativa. É fácil gostarmos dela, e torcermos pela sua segurança.
Quanto a Coburn, é uma personagem mistério que promete mais drama do que o que realmente traz à ribalta e o qual nunca ficamos a conhecer muito profundamente. Ainda assim, são as suas acções as principais promotoras dos momentos de acção e que nos deixam logo sempre ansiosos porque as consequências das mesmas geralmente só geram mais confusão. 
Desta primeira experiência com a autora, destaco a capacidade de criar um puzzle complexamente interligado, com uma série de reviravoltas completamente inesperadas. Na verdade, e sem adiantar nada que estrague a leitura, irá surgir uma personagem mistério que durante muito tempo não pensamos vir a descobrir de quem se trata, mas que inevitavelmene nos levará a fazer especulações. Não acredito que muitos acertem no desfecho da mesma, mas digo-vos que é completamente inesperado. Para assinalar destaco também a primeira reviravolta no decorrer da narrativa. Não esperava mesmo o que se passou e fiquei surpreendida, de qualquer forma a passagem do discurso para o ante/pós revelação acabou por ser algo brusco. De qualquer forma, acabou por criar elementos interessantes que nos fizeram olhar para as diversas personagens com outros olhos.

Não chega ao 4 em pontuação por dois motivos: A interligação constante entre todas as personagens saiu algo forçada. Dá-se o exemplo do elemento do FBI que partilha informação do caso que está a analisar com a mulher - acreditar-se-ia na existência de um brio que apelasse à confidencialidade e que ao encontrar-se num cargo de chefia soubesse minimamente o que estava a fazer. Numa segunda análise, e não sei se propositado ou devido à tradução, alguns momentos (principalmente os que dizem respeito a momentos de cariz sexual) trazem uma linguagem muito crua que surge completamente fora do contexto, soou-me estranha e não gostei de a ler assim. Quanto ao fim, foi apressado e com elementos desnecessários. Percebi a necessidade de criar um elemento que levasse ao final feliz, mas para isso não haveria a necessidade de incutir outro tipo de comportamentos às personagens, que às tantas pareciam sofrer se surtos bipolares. Mas foi apenas uma leve tendência. Não me arruinou a leitura, nem a surpresa, nem a curiosidade para ler o que se iria passar a seguir, de querer saber se os elementos de protecção seriam suficientes para salvar a vida de inocentes e se os criminosos seriam apanhados.
Outro ponto a favor é que não existem descrições horrendas (e capazes de vomitar) sobre os crimes ocorridos, o que tornou a leitura bastante prazerosa para mim. 
Em suma, gostei e irei mesmo procurar os restantes livros de Sandra Brown.


Cláudia
Sobre a autora:
 
Maratonista de bibliotecas e bookcrossing, a Cláudia ainda consegue estudar e fazer o seu mestrado enquanto lê nos transportes públicos. Defensora da sustentabilidade e do voluntariado é tão fácil encontrá-la numa biblioteca como na Rota Jovem em Cascais. É uma sonhadora e gosta de boas histórias, procurando-as em cada experiência que vive.

Médicos prescrevem livros

Esta notícia não é nova e já a divulgamos no nosso facebook com o link para a reportagem do The Guardian. No entanto, ainda não satisfeitas com isso, eu e a Cláudia decidimos ir em busca de mais para podermos dar a nossa opinião sobre o assunto.
Claro que nem vou tentar esconder que acho a ideia simplesmente genial, essa é a verdade, afinal para mim os livros sempre foram terapêuticos e são uma alternativa muito mais saudável que comprimidos.
Apesar da ideia ter sido posta em prática pela primeira vez em 2005 no País de Gales, graças a uma ideia do Psicólogo Clínico Prof. Neil Frude em 2003, só agora em 2012 chega a Inglaterra.
Assim, a Inglaterra junta-se ao País de Gales, Dinamarca e Nova Zelândia como um dos primeiros países nos quais os médicos receitam livros para doenças do foro psicológico como raiva, ansiedade, depressão, obsessão, compulsões, pânico, fobias e auto-estima.
A ideia nasceu de uma junção de situações entre as quais a alarmante verdade de que pelo menos seis milhões de pessoas, residentes no Reino Unido, sofrem de depressão e ansiedade e que desses seis milhões dois terços não recebem qualquer tipo de tratamento.
Quando testes sugeriram que os livros poderiam ser poderosos aliados na cura destas doenças mas ainda existiam muitas pessoas que desconheciam a existência destes livros ou simplesmente não tinham acesso aos mesmos. Frude diz que no fundo o que faltou foi a conexão  "os médicos já lá estavam, os livros já lá estavam e as bibliotecas também. Só necessitamos de os juntar.". E assim, em Gales onde a iniciativa começou, 30 mil livros de auto ajuda são requisitados todos os anos da biblioteca, e três e dez dos livros mais requisitados são de auto-ajuda.
Livros estes que também podem ser requisitados em Portugal das nossas bibliotecas, facto que eu desconhecia e fiquei a saber no inicio deste ano. Não sei porquê mas sempre achei que as bibliotecas não facultavam livros de auto-ajuda, talvez porque ache que maior parte das pessoas se sentem um pouco envergonhada quando é apanhada a lê-los, mas as Bibliotecas de Lisboa tem vários no seu catalogo, incluído Paul McKenna e Louise Hay. (Convido-vos a requisitarem livros de um e outro, para quem gosta são os melhores do género.)
Existe uma lista de 30 livros, para começar, que foi enviada já para as bibliotecas. Estes trinta livros não foram escolhidos ao acaso, e incluem os melhores livros de auto-ajuda actualmente disponíveis. Frude explica que nos Estados Unidos América, a classificação deste género de livro vai de cinco estrelas a "de espetar um punhal no peito", que é a classificação mais baixa que se pode atribuir a um livro deste género e que significa que o livro em vez de ajudar as pessoas está a fazer exactamente o contrário


Para o próximo ano, a Books on Prescription espera chegar a crianças e jovens também. Uma lista de 30 livros já foi enviada para as bibliotecas que, ao abrigo do programa, serão obrigadas a disponibilizar os títulos para que os pacientes os possam levantar na sua biblioteca local.
Esta iniciativa acaba por ser benéfica para as bibliotecas também, especialmente em Inglaterra, onde várias bibliotecas municipais se encontravam em risco de fechar por não terem leitores e movimento suficientes. Os especialistas acreditam que esta medida irá dar nova vida às bibliotecas, o que já se provou ser verdade nos países onde este esquema já está implementado.
A meu ver estamos com uma solução fantástica em mãos que resolve dois problemas de uma vez: além de manter bibliotecas abertas, e quem sabe garantir a criação de mais, a Books on Prescription ajudará também as pessoas com doenças psicológicas mais leve a sentirem-se bem e acabará por evitar que os problemas se tornem mais complexos. Além do mais, já se sente uma onda de mudança nas pessoas em relação aos medicamentos, já existe um número considerável de pessoas contra a medicação, especialmente a forte, que sem dúvida acolherá este novo meio de tratamento.
Mesmo assim, o criador do projecto, o Prof. Frude já veio relembrar que este género de alternativa só é válida quando a doença é ainda muito leve e não em casos crónicos. Creio que contudo podemos também dizer que estes livros acabam por actuar também como prevenção, quando são lidos antes das pessoas sentirem os sintomas. É um género de literatura fantástica para a auto-descoberta e para a realização de exercícios práticos somos quem somos exactamente.
Fazendo as contas, tal como dizia no início, é uma iniciativa que apoio mas creio que há mais livros do que os de auto-ajuda que podem ajudar uma pessoa. Afinal, quem nunca encontrou uma mensagem profunda num livro considerado banal? É a maneira como o livro nos fala que nos chama a ouvir, e se há pessoas que precisam de ler A Cabana ou O Segredo para encontrar uma verdade interna há também quem o consiga fazer lendo livros como Irmãs de Sangue ou Harry Potter. Por isso, acredito que aumentar o leque de livros seleccionados seria, talvez numa segunda fase, uma óptima maneira de continuar o tratamento.

Curiosidades:

Passatempo: Marcador Pedras do Bosque


Boa tarde, Encruzilhadas (e Encruzilhados)!

Hoje temos um sorteio especial! Não só por ser Dia da Mulher mas também porque é a primeira vez que vamos sortear um marcador. Este marcador é super-especial pois foi feito à mão pela Carla e tem uma coruja que é um animal que eu e a Cláudia gostamos muito. 

Para se habilitarem a levar para casa este fantástico marcador é muito fácil. Basta entrarem no vosso facebook (desculpem mas desta vez não fazia sentido ter um questionário no blogue) e entre 8 e 15 de Março partilharem esta foto, porem gosto na página da Carla (aqui Pedras do Bosque) e escreverem o vosso nome nos comentários. Boa sorte a todos! 

Atenção Apenas podem fazer partilhar uma vez e a partilha tem de ser pública para vos podermos "ver" quando sortearmos o vencedor.
As regras normais dos passatempos do Encruzilhadas Literárias aplicam-se e para quem é mais esquecido são as seguintes:

Regras do Passatempo
1) O passatempo decorre até às 23h59 do dia 15 de Março de 2013.
2) Todos os dados solicitados devem ser devidamente preenchidos e completos.
3) Só serão aceites uma participação por pessoa e morada, em todo o território português (Portugal continental e ilhas).
4) O/A vencedor/a será sorteado de forma aleatória (random.org), sendo o resultado anunciado na página do blog e o contacto efectuado por e-mail.
5) O Encruzilhadas Literárias e/ou a Carla/ Pedras do Bosque não se responsabilizam pelo extravio ou danos causados pelos CTT no exemplar enviado.

Novidades: Editorial Presença (1ª Quinzena)

Já viram as novidades da Editorial Presença? A capa do João Porcalhão está um mimo! Quais são as capas que mais vos despertam o interesse?

Opinião: O Labirinto Perdido, de Kate Mosse


 

  O Labirinto Perdido
de Kate Mosse
Edição/reimpressão: 2006
Páginas: 680

Editora: Dom Quixote

 Resumo: Uma empolgante história de coragem, destino e traição passada na Carcassonne medieval e contemporânea.
Em Julho de 1209: em Carcassone, uma rapariga de dezassete anos recebe do pai um livro misterioso que ele afirma conter o segredo do verdadeiro Graal. Embora Alaïs não consiga perceber as palavras e os estranhos símbolos no seu interior, sabe que o seu destino é protegê-lo. Será necessário sacrifício e fé para manter em segurança o segredo do labirinto - um segredo que remonta a milhares de anos e tem origem nos desertos do Antigo Egipto... Em Julho de 2005: Alice Tanner descobre dois esqueletos durante uma escavação arqueológica nas montanhas perto de Carcassonne. No interior da sepultura onde se encontram os ossos, ela pressente uma avassaladora sensação de malevolência e constata assustada que, por mais impossível que pareça, é capaz de compreender as misteriosas palavras antigas que estão gravadas na rocha. Alice apercebe- se demasiado tarde que desencadeou uma assustadora sequência de acontecimentos que é incapaz de controlar e que o seu destino se encontra inexplicavelmente ligado ao dos cátaros, oitocentos anos antes.

Rating: 4/5

Comentário:
Perto do Natal ouvi falar de uma mini-série que ia estrear no TVSéries, e que se referia a uma aventura tanto no presente como no passado, no tempo das cruzadas, e numa demanda pelo Graal - um romance histórico com a dose certa de acção e mistério portanto. Curiosamente deixei passar mas lá a conseguir resgatar e ao fim das 4 horas de exibição, quando fiquei a saber que era baseado num romance, decidi que tinha mesmo de ir à procura do livro. Trouxe-o da biblioteca recentemente e foi exactamente o que estava à espera!
Confesso que a um primeiro nível que foi dificil entrar no enredo, como muitas vezes acontece quando vemos uma série/filme que teve alteração de cenas para que se pudesse encaixar numa sessão cinematográfica. Neste caso, porque adoro a actriz que representou Alais senti a personagem inicialmente fraca e não tão desafiadora como o esperava. A partir do momento em que ignorei a série e entrei no livro a fundo, fiquei rendida. 
O estilo de Kate pareceu-me algo entravado ao início. Muias frases curtas, muitas descrições, muitos pontos finais que cortavam uma certa fluidez esperada à obra, o que me colocou de pé atrás porque quase 700 páginas daquilo seriam um pesadelo. No entanto, acho que passado o trauma de iniciar o livro começou a ganhar força e levou-nos a bom porto.
Kate traz-nos uma série de personagens brilhantemente entrecruzadas, aliando pormenores históricos e outros tantos ficcionais de uma forma bastante subtil, implementando uma estória com suspense, que nos fez sempre querer acompanhar o desenrolar dos acontecimentos.
Não sei porquê, mas neste género de livros tenho sempre tendência a render-me principalmente às partes narradas no tempo mais antigo e neste caso não foi excepção. As partes dedicadas ao século XIII conseguiram então levar a melhor de mim, não tanto por causa da vida de Alais ou do segredo que o seu pai lhe encarregou de guardar, mas pela aventura de um tempo já passado, assim como pelas considerações históricas em torno dos Cátaros, e do que eles tiveram de encarar em plena altura das Cruzadas, quando foram acusados de heresia e chacinados pelos grupos que actuariam em primeira mão na Terra Santa.
A autora soube ainda criar de forma bastante inteligente as interligações entre o passado e o presente. Não nos trouxe lições de História que o tornassem maçudo mas cobriu-o com os pormenores certos para nos captar a atenção até ao fim. Quanto ao tempo presente, Alice é uma rapariga esperta, com um enorme sentido de autopreservação (ainda bem!), o que lhe valeu a minha consideração. Ao acompanharmos o seu percurso iremos deparar-nos com um sem número de inimigos que farão de tudo para a apanhar e resgatar parte do segredo que agora lhe pertence. Mas que segredo é esse realmente? E o que é que significa a demanda do Graal? Poderia contar-vos mas não teria piada. De qualquer forma, à medida que a acção prossegue vamos captando as suas nuances e percebendo qual a ligação que move estas duas mulheres com 800 anos de separação, e o quanto as suas atitudes serão ou não promotoras do desenrolar da acção.
O sem número de inimigos é intenso, deixa-nos sem fôlego e expectantes de um momento para simplesmente respirar. Fez-me vibrar e fará a qualquer pessoa que goste de mistério, acção e História. Aconselho que vejam a série e leiam o livro, ou vice-versa. Vale a pena.

Aqui fica o trailer para os interessados:




Cláudia
Sobre a autora:
 
Maratonista de bibliotecas e bookcrossing, a Cláudia ainda consegue estudar e fazer o seu mestrado enquanto lê nos transportes públicos. Defensora da sustentabilidade e do voluntariado é tão fácil encontrá-la numa biblioteca como na Rota Jovem em Cascais. É uma sonhadora e gosta de boas histórias, procurando-as em cada experiência que vive.

Desculpem mas sou a irmã mais velha!

Na maior parte dos livros infantis devia haver uma pequena oração para as crianças aprenderem a se protegerem dos vários perigos e que sem dúvida acabaria com "E Deus nos salve das irmãs mais velhas. Ámen!".
Como irmã mais velha tenho a dizer que sempre me senti difamada nos contos infantis e tenho quase a certeza que não estou sozinha. Por vezes sinto que começamos por ser maltratadas na história da Gata Borralheira e depois disso ninguém mais parou de o fazer.
Situado raras excepções como na história do Peter Pan, e mesmo aí quase que somos mortas, Os Jogos da Fome, onde mais uma vez somos quase mortas, e O Outro Lado, onde efectivamente estamos mortas, há muitos poucos livros infantis e juvenis, na minha opinião, que explorem decentemente a imagem da irmã mais velha.
Apesar de nos livros para a adultos podermos ser uma personagem mais recorrente, a verdade é que as irmãs mais novas, ou filhas únicas, são personagens bem mais amadas que a pacata da irmã mais velha. Normalmente, segundo os livros, as irmãs mais velhas vem em dois tipos: as distante que raramente se importam com os irmãos mais novos e querem apenas saber da sua vida, e portanto que não são boas nem más, ou então somos as más e só queremos prejudicar as nossas pobrezinhas irmãs e/ou irmãos mais novas/os. Sem esquecer claro, a variante em que tomamos todas as más decisões e somos um exemplo daquilo que as nossas irmãs (ou irmãos) não devem fazer, como por exemplo, quando nos lembramos de casar com o mau da fita do livro. O que por vezes nos salva é que normalmente esse enredo é repartido entre irmãs mais velhas e mães, viúvas ou divorciadas.
Como irmã mais velha que sou, isto são coisas que me magoam. Nada me irrita mais do que ver uma irmã mais velha completamente estereotipada num dos três tipos revelados acima. E irrita-me porque de uma maneira ou outra eu sinto que é como se me estivessem a dizer constantemente que eu, ao contrários dos mais novos, não mereço um final feliz.
Nos contos infantis era sempre má e mal disposta, e a minha irmã mais nova por ser simpática e delicada tinha todas as ajudas, no fim eu acabava morta ou fugia maltratada e a minha irmã ficava com tudo. Há medida que fui crescendo e passei a ler livros infantis-juvenis, passei a ser menos chata, já não era má, era apenas muito pacata e centrada em mim e se houver uma explosão ou um ataque haverá uma grande probabilidade de eu morrer.
Por vezes só me apetece abanar os escritores e dizer "Confessem! Somos aquela personagem secundária chata para deitar fora, não somos?".
Mesmo n'Os Jogos da Fome e apesar de tudo o que aconteceu, alguém acredita que a Katniss viveu feliz? A Katniss sobreviveu, é uma sobrevivente e não lhe tiro isso mas onde está aquela felicidade idílica que os mais novos parecem atrair como a luz atraí borboletas da noite?
Existem poucos livros que contrariem esta tendência (atenção falo no ramo infantil/juvenil, na ficção para adultos já somos personagens mais comuns), além d'Os Jogos da Fome, outros livros que me lembro que envolvem irmãs mais velhas são Estrada Vermelha, Estrada de Sangue (embora oficialmente Saba seja a segunda mais velha, sendo o seu gémeo o mais velho, ela é irmã mais velha da Emmi), a saga O Pacto (começo a notar uma certa tendência distópica) e por fim um dos meus favoritos Howl's Moving Castle (livro onde é baseada a animação O Castelo Andante).
Tirando o último livro, onde depois de muita luta Sophie consegue realizar os seus sonhos e descobrir todo o seu potencial, é muito raro encontrar uma irmã mais velha que viva feliz para sempre e isso entristece-me.
E vocês, Encruzilhados? Quais são os livros infanto-juvenis com irmãs velhas como personagens principais que mais gostam? Conhecem algum que não tenha sido mencionado?


Ki
(Catarina)
Sobre a autora:

Bibliófila assumida e escritora de domingo. Gosta de livros e tudo o que esteja relacionado com eles, tem a mania que tem opiniões sobre coisas e gosta de as expor no seu blog conjunto Encruzilhadas Literárias, tem também uma conta no GoodReads e é das melhores coisas que já lhe aconteceu.

Atenção Poetas!

Olá Encruzilhados,

Aos nossos queridos poetas queremos chamar a atenção para esta iniciativa! Podem ler mais sobre ela clicando aqui e podem clicar na imagem para acederem ao regulamento.
Desta vez tenham atenção que apenas "poderão concorrer autores brasileiros natos ou naturalizados, com obras obrigatoriamente inéditas (sem publicação)."

Têm até dia 27 de Abril para participar! Boa sorte a todos.

Novidades: Quinta Essência

Todos a partir de de 5 de Março!

Encontras-me no fim do mundo
de Nicolas Barreau
Resumo:
Jean-Luc Champollion é aquilo a que os franceses chamam um homme à femmes. O encantador proprietário de uma galeria bem-sucedida ama a arte e a vida, é muito sensível ao encanto das mulheres, que de bom grado lho retribuem, e vive num dos bairros da moda de Paris, em perfeita harmonia com o seu fiel dálmata Cézanne. Tudo corre bem até que, uma da manhã, Jean-Luc encontra no correio um envelope azul, e a sua vida muda para sempre. 
A missiva é uma carta de amor, ou melhor, uma das declarações de amor mais apaixonadas que o galerista já viu, mas não vem assinada: a misteriosa autora decidiu esconder-se e convida-o a descobrir quem é. Jean-Luc fica inicialmente confuso, mas decide alinhar. A remetente anónima forneceu-lhe um endereço de e-mail e desafia-o a responder. 
Mas a tarefa não é fácil. Em breve, Jean-Luc tem apenas um objetivo: descobrir a identidade da caprichosa desconhecida, que parece conhecer muito bem os seus hábitos e gosta de o provocar incessantemente. Assombrado pelas suas palavras, Jean-Luc segue as pistas dispersas na correspondência, cada vez mais incapaz de resistir à mais doce das armadilhas. O objeto da sua paixão existe apenas no papel e na sua imaginação, mas ele sente conhecer melhor esta mulher do que os quadros expostos na sua galeria, mesmo que nunca tenha visto o seu rosto. Ou será que viu?


Férias em Saint-Tropez
de Elizabeth Adler
Resumo:
Numa villa em St. Tropez, no sul da França, cinco turistas que não se conhecem - todos eles a fugirem da sua vida do dia-a-dia - veem-se reunidos à força no pequeno Hotel dos Sonhos. Chez Violette parecera ser o refúgio perfeito para o detetive privado Mac Reilly e a sua namorada/parceira, Sunny Alvarez, e para os seus cães Pirate e Tesoro. Sunny chega primeiro e descobre que foram enganados, juntamente com várias outras pessoas que julgaram estar a alugar aquela elegante casa na Riviera francesa. De repente e de forma inesperada, são forçados a solucionar um crime e a desvendar um homicídio, tendo como pano de fundo a soalheira e glamorosa Saint- Tropez.


Um pequeno escândalo
de Patricia Cabot
Resumo:
Quando a bela Kate Mayhew é contratada como dama de companhia de Isabel, a filha obstinada de Burke Traherne, o marquês vê-se numa situação impossível. Dividido entre saber que ela é exatamente aquilo de que Isabel precisa mas, para ele, a pior tentação possível, encontra-se constantemente perto de alguém que ameaça a sua independência. Conhecido pelo seu autodomínio férreo desde o dia em que apanhou a mulher com um amante, Burke jurou nunca mais arriscar-se a casar. Ao aceitar a oferta de emprego de Sua Senhoria, a temperamental Kate enfrenta dois perigos: sua atração irresistível por um homem que abdicou do amor, e um encontro com o seu próprio passado escandaloso... que ela não pode manter secreto para sempre.

Resultados Passatempo "Cartas que Falam"



Boa noite caros Encruzilhados!

E depois de mais um fantástico passatempo, desta vez em parceria com o escritor Bruno Araújo, está na altura de revelar o resultado.
Agradecemos a vossa participação que como sempre supera as nossas expectativas, infelizmente só pode haver um vencedor.

Dito isto, o vencedor é:

[27] - Inês do Carmo [...] Silva, de Azeitão;

Parabéns! 
Receberá em breve um email para confirmação dos dados submetidos no formulário. Bom Sábado para todos e boas leituras!

Novidades: Edições ASA

A partir de 26 de Março:

Ligeiramente casados
de Mary Balogh
Resumo:
Como todos os Bedwyn, Aidan tem a reputação de ser arrogante. Mas este nobre orgulhoso tem também um coração leal e apaixonado - e é a sua lealdade que o leva a Ringwood Manor, onde pretende honrar o último pedido de um colega de armas. Aidan prometeu confortar e proteger a irmã do soldado falecido, mas nunca pensou deparar com uma mulher como Eve Morris. 
Ela é teimosa e ferozmente independente e não quer a sua proteção. O que, inesperadamente, desperta nele sentimentos há muito reprimidos. A sua oportunidade de os pôr em prática surge quando um parente cruel ameaça expulsar Eve de sua própria casa. Aidan faz-lhe então uma proposta irrecusável: o casamento, que é a única hipótese de salvar o lar da família. A jovem concorda com o plano. E agora, enquanto toda a alta sociedade londrina observa a nova Lady Aidan Bedwyn, o inesperado acontece: com um toque mais ousado, um abraço mais escaldante, uma troca de olhares mais intensa, o "casamento de conveniência" de Aidan e Eve está prestes a transformar-se em algo ligeiramente diferente... 


A partir de 12 de Março :

Menina de Ouro
de Chris Cleave
Resumo:
É difícil encontrar palavras para descrever a EMOÇÃO que os livros de Chris Cleave despertam. Os seus enredos são apenas uma parte da HISTÓRIA. Mais importante é a forma como tocam o leitor. E isso é ÚNICO e irrepetível. Menina de Ouro é sobre os limites do AMOR. Sobre as nossas LUTAS diárias. Sobre o conflito entre os nossos DESEJOS e a realidade. Conheça Kate e Zoe. Duas mulheres brilhantes com um SONHO que apenas uma poderá realizar. Conheça também Sophie. Uma criança dotada de uma sensibilidade rara, que luta entre a VIDA e a morte. Estão unidas por um SEGREDO. Delas se exige uma ESCOLHA. No momento mais importante das suas vidas, uma delas terá de fazer o derradeiro SACRIFÍCIO. Menina de Ouro é sobre o que significa ser HUMANO, mas também sobre o que nos permite a todos, de diferentes formas, atingir o EXTRAORDINÁRIO.


A partir de 5 de Março:

A marca das Runas
de Joanne Harris
Coleção: Crónicas das Runas - Livro 1
Resumo:
Maddy Smith nasceu com uma marca que ditou o seu destino. A runa inscrita na sua pele é um símbolo dos Antigos Deuses, uma marca mágica. E perigosa. Na pequena aldeia onde vive todos a receiam e excluem. Mas Maddy não renega a sua sorte. Pelo contrário, ela adora magia. Mesmo que isso a condene à solidão. Quinhentos anos passaram desde Ragnarók - o flagelo que marcou o Fim dos Tempos -, e a Nova Ordem impôs regras que ditam o aniquilamento do Caos, da Magia, dos Sonhos e da Imaginação.
À medida que os seus feitiços ficam cada vez mais fortes, Maddy sabe que será apenas uma questão de tempo até os Examinadores da Ordem a identificarem e perseguirem. E tempo é algo que o Mundo não tem... agora que a ameaça de destruição é cada vez mais real. Isolada, Maddy pode apenas contar com o ancião seu mentor, que lhe dá a conhecer as lendas nórdicas, com os seus deuses e criaturas maravilhosas. Invisível para a maioria das pessoas, este Mundo Subterrâneo encerra a chave do seu passado. Dela depende o destino do Mundo, mais uma vez... 

A provação do inocente 
de Agatha Christie
Resumo:
Condenado a prisão perpétua, Jacko Argyle sucumbiu a uma pneumonia e acabou por morrer sem conseguir provar a sua inocência. Acusado de assassinar a mãe adotiva, o jovem jurou em tribunal ter um álibi e até uma testemunha. Mas essa pessoa nunca foi encontrada. 
Acabado de chegar de uma longa viagem, Arthur Calgary tem informação que permite limpar o nome de Jacko, ainda que postumamente. A inocência de Jacko implica a culpa de outra pessoa... mas só a família estava em casa naquela noite fatal... A Provação do Inocente (Ordeal by Innocence) foi originalmente publicado em 1958 na Grã-Bretanha, tendo sido editado nos Estados Unidos no ano seguinte. Foi adaptado para o cinema em 1985 e para a televisão em 2007.