Opinião: Um Dia Esta Dor Vai Ser Útil, de Peter Cameron

Um Dia Esta Dor Vai Ser Útil     

 Um Dia Esta Dor Vai Ser Útil

de Peter Cameron 

Edição/reimpressão: 2014
Páginas: 240
Editora: Marcador 




Resumo: 
Um Dia Esta Dor Vai Ser Útil é a história de um rapaz sofisticado e vulnerável com um grande apreço pelo mundo, mas sem a menor ideia de como viver nele. James tem 18 anos, é filho de pais divorciados. Eloquente, sensível e cínico, rejeita as presunções que orientam o mundo adulto que o rodeia – incluindo a expectativa de que irá para a universidade no outono seguinte.

Por ele, mudar-se-ia para uma casa antiga numa cidade pequena do Midwest. Um Dia Esta Dor Vai Ser Útil passa- se durante uns dias abrasadores de verão. Ao mesmo tempo que faz confidências à sua compreensiva avó, James boicota uma psicóloga astuta, lamenta a sua irmã pretensiosa e cria uma identidade falsa online para poder avançar com o fraquinho que sente por alguém próximo.

Rating: 4/5 

Opinião: "Um Dia Esta Dor Vai Ser Útil" é um livro docemente irónico, com o toque certo de cinismo inerente a uma adolescência solitária e introvertida. Peter Cameron merece um maior reconhecimento em Portugal e estou mesmo contente por ter sabido da existência desde pequeno livro editado pela Marcador, que pode não ser grande em tamanho mas é no resto para mim.
A adolescência nem sempre é fácil, muito menos para os que não se encaixam no padrão e que muitas vezes procuram conforto através de subterfúgios e de indirectas (por vezes imensamente discretas ao ponto de passarem despercebidas à maioria), e James relembra-nos a todos que em algum momento das nossas vidas já passámos por ocasiões semelhantes. A diferença é que para si esse é o sentimento permanente e o qual se encarrega de distribuir e reformular junto dos parentes mais próximos. Tal como indica a sinopse, este rapaz é vulnerável e sente-te desencaixado do mundo que o rodeia, mas anseia por ele no meio da neblina de tédio que o cobre, o leva a questionar as coisas com uma relativa indiferença e a agir sem querer pensar muito nas consequências ou na origem de cada gesto, sob a pena de sofrer ataques de pânico. No fundo, nega-se a si próprio e não sabe lidar com a sua voz interior, colocada cada vez mais fundo para que não se escape, não se mostre ao mundo em momento algum.
É com este cenário implementado que vamos vendo o decorrer da personagem, e a sua relação com todos os familiares (desde a mãe algo neurótica, à irmã meio snobe e empertigada, ou ao pai que deseja tudo de bom para o filho mas não sabe lidar com ele fora dos seus padrões de funcionamento) e com as poucas pessoas com que se cruza fora deste núcleo, não mais sãs que ele. Vale-lhe a avó, que o ampara nas situações caricatas e lhe traz parte do colo que ele se recusa reconhecer como necessário e desejado.
Todo este cenário ainda se torna mais completo com a chegada de uma psicóloga que nem quereria para mim, presa aos estigmas profissionais que a impedem de facto de ajudar James, mas de quem suspeito que ele até venha a sentir falta...
Quanto à condução final, gostaria de ter as últimas páginas do livro mais trabalhadas, principalmente no que resulta da exposição frontal de James consigo próprio; dado que o lapso temporal impediu visionarmos as transformações que o tempo implicava, em jeito de conclusão.
Por outro lado, o discurso de toda a narrativa, na primeira pessoa e com um toque de subtileza que mistura  introversão e exploração curiosa dos momentos entediantes de terceiros, foi uma constante sensação de dejá-vu para mim. De facto, e ainda que muito melhor resolvido que James, conheço alguém muito parecido na forma de se expressar, de ver o mundo e de testar as pessoas em seu redor (muitas vezes sem consciência) até ao ponto de ebulição que as faça explodir, perdendo a paciência ou criando juízos de valor incorrectos. Desta forma, esta personagem encarnou alguém da minha vida pessoal a determinada altura, e foi inevitável ouvir as palavras de James com uma voz diferente, como se tivesse sentados a meu lado um e outro numa troca de opiniões e galhardetes constante, e que me fez expulsar algumas gargalhadas ao tentar imaginar a pessoa real em algumas das situações vividas pela fictícia (mesmo - ou melhor, principalmente - as sem piada nenhuma).
"Um Dia Esta Dor Vai Ser Útil" não é um livro de auto-ajuda ou de psicologia, mas que pode ainda assim apelar à reflexão de pequenos momentos das nossas vidas, que passam despercebidos ao olho comum mas não ao de Peter Cameron e das suas personagens e que nos levam no doce embalo da adolescência incompreendida por um jovem que tem medo (puro!) de se conhecer a si próprio. Vale a pena e recomendo a leitura.

Cláudia
Sobre a autora:
 
Maratonista de bibliotecas, a Cláudia lê nos transportes públicos enquanto observa o Mundo pelo canto do olho. Defensora da sustentabilidade e do voluntariado, é tão fácil encontrá-la envolvida num novo projeto como a tagarelar sobre tudo e mais alguma coisa. É uma sonhadora e gosta de boas histórias, procurando-as em cada experiência que vive.

2 leitores reagiram:

  1. Talvez seja um pouco tarde para comentar essa postagem? Ou talvez não seja, haha
    Enfim, achei sua resenha realmente maravilhosa. Morro de vontades de ler e assistir à adaptação do livro e suas palavras me fizeram só aumentar as expectativas sobre a história. Me sinto muitas vezes como o protagonista... incompreendida, com medo, etc. Isso me faz perder tantas coisas boas! Quero ter mais motivação para fazer de tudo e ter experiências novas, essas coisas. Obrigada pela postagem, muito inspiradora para seguir o caminho rumo ao autoconhecimento. Adorei teu blog.
    Abraços,
    Victória.

    ResponderEliminar
  2. Olá Victoria! Nunca é tarde e ainda bem que deixaste o teu comentário. Gostamos sempre de trocar opiniões com leitores/as ou com futuros leitores/as! Este livro doi de facto uma surpresa muito boa e deu enorme prazer de descobrir página a página. Acho que todos nos sentimos um pouco incompreendidos de tempos a tempos. O importante é arriscar, o não está garantido :D Boa sorte e muito sucesso!

    ResponderEliminar