Opinião: A Rapariga que Salvou o Rei da Suécia, de Jonas Jonasson





The Girl Who Saved The King of Sweden
de Jonas Jonasson

Edição/reimpressão: 2014
Páginas: 432
Editora: Harper Collins Publishers 


Resumo:
From the author of The 100-Year-Old Man Who Climbed Out the Window and Disappeared comes a picaresque tale of how one person's actions can have far-reaching-even global-consequences On June 14, 2007, the king and the prime minister of Sweden went missing from a gala banquet at the royal castle. Later it was said that both had fallen ill, but the truth is different.

The real story starts much earlier, in 1961, with the birth of Nombeko Mayeki in a shack in Soweto. Nombeko was fated to grow up fast and die early in her poverty-stricken township, be it from drugs, alcohol, or just plain despair. But Nombeko takes a different path. She finds work as a housecleaner and eventually makes her way up to the position of chief advisor, at the helm of one of the world's most secret projects. Here is where the tale merges with then diverges from reality. South Africa developed six nuclear missiles in the 1980s, then voluntarily dismantled them in 1994.

This is the story of the seventh missile, the one that was never supposed to have existed. Nombeko Mayeki knows too much about it, and now she's on the run from both the South African justice system and the most terrifying secret service in the world. The fate of the planet now lies in Nombeko's hands. Jonasson introduces us to a cast of eccentrics: a nerve-damaged American Vietnam deserter, twin brothers who are officially only one person, three careless Chinese girls, an angry young woman, a potato-growing baroness, the Swedish king and the prime minister. Quirky and utterly unique, The Girl Who Saved the King of Sweden is a charming and humorous account of one young woman's unlikely adventure.

Rating: 3,5/5 

Opinião: Jonas Jonasson tem um sentido de humor peculiar que adorei desde a primeira página. Não leio muitos livros de autores nórdicos (nem sei se Jonas não terá sido o primeiro) e portanto não consigo decifrar se se trata de uma questão cultural (à semelhança do humor britânico) se do brilhantismo do autor. Seja como for, o mérito é-lhe reconhecido. Julgo que algumas pessoas poderão não se identificar tanto com a forma como o autor incute momentos divertidos e caricatos no enredo, assim como a forma como os descreve, mas eu diverti-me com eles e alguns fizeram-me sorrir.
Este é um livro dotado de personagens diferentes, complexas e muito humanas, todas à procura de algum tipo de redenção, seja o direito à existência, a liberdade, a capacidade de ocultação ou de desafio às bases estruturais de uma sociedade que nem sempre compreende aqueles que não encaixam nas normas e no que é considerado normal (ou até mandatário quase). 
Nombeko é uma personagem muito fácil de gostar, desde os seus primórdios 12 anos em que a inteligência e acutilância a levam longe, passando pela capacidade de lidar com ligeireza e esperteza perante situações mal resolvidas, conflitos por si não criados e todas as situações caricatas que o destino lhe colocou nas mãos. A sua sagacidade (demonstrada de forma bastante discreta e quase despercebida) é bastante interessante, especialmente quando em contacto com outras personagens trágico-cómicas, como o engenheiro ignorante ou o trio de irmãs chinesas despreocupadas cujas tramas complicam só com um piscar de olhos.
Os Holder são personagens engraçadas, destinadas a gerar a análise paradoxal dos mesmos acontecimentos com carisma, ignorância, humor (e muita falta dele) e acima de tudo, coragem para modificar de forma intencional (ou não), racional (poucas vezes) e com muita convicção (e confirma-se, tanto para um como para outro gémeo). Situações indesejáveis serão transpostas num outro nível de criatividade, loucura, engenho e acima de tudo, momentos inesperados. 
Deste modo, a junção destas três personagens com todas as que os desafiam e a eles se juntam, pelas situações inesperadas e improváveis (quase impossíveis) acabam por tornar este livro uma pequena delícia, que não irá agradar a todos, mas que está muito bem escrito, com originalidade, capacidade de entreter e nos ocupar assim como validar uma horas bem passadas. Foi uma das últimas leituras de 2014, e fica aconselhado!


Cláudia
Sobre a autora:
 
Maratonista de bibliotecas, a Cláudia lê nos transportes públicos enquanto observa o Mundo pelo canto do olho. Defensora da sustentabilidade e do voluntariado, é tão fácil encontrá-la envolvida num novo projeto como a tagarelar sobre tudo e mais alguma coisa. É uma sonhadora e gosta de boas histórias, procurando-as em cada experiência que vive.

1 leitores reagiram:

  1. Quero ler este livro há algum tempo :)
    Boas leituras!
    http://ocantinhodoslivrosangie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar