Opinião: Ondas de Calor, de Richard Castle



Ondas de Calor

de Richard Castle
 
Edição/reimpressão: 2015
Páginas: 280




Resumo:  
No meio de uma vaga de calor, Nikki tem um desafio pela frente: desenredar o nó que lhe permitirá desvendar os segredos dos mais poderosos e decidir o que fazer perante a faísca escaldante que surgiu entre ela e Rook, o jornalista presunçoso e bem-parecido com a mania de que é polícia, que a acompanha nesta investigação.
  
Rating: 3/5
Comentário:   
A opinião que se segue pode conter alguns spoilers (embora não o sejam de facto para os fãs da série)
Em primeiro lugar, agradecemos ao Clube do Autor o envio deste exemplar para leitura e opinião isenta!
Castle é uma das poucas séries que ainda vou tentando acompanhar na actualidade. Sendo uma série criminal, como habitualmente gosto, mas especialmente pautada por humor, o escritor-detective nas-horas-vagas conseguiu conquistar-me com a sua boa disposição e confesso que até é por causa das suas teorias mirabolantes e da relação com a família e com os colegas de trabalho que continuo a acompanhá-la com regularidade. 
Essa essência é passada sem tirar nem pôr para Ondas de Calor, o primeiro livro da colecção Nikki Read, o que lhe confere toda a essência Castle que seria possível captar.
Para facilitar esta opinião, vamos pressupor que Castle é um autor de carne e osso e tal e qual a personagem que nos entra em casa pelo ecran através do AXN e que este livro foi genuinamente escrito por ele. 
Nesse sentido, diria que a Detetive Kate o deveria processar, porque mais que musa inspiradora, as aventuras de Nikke Read são totalmente autobiográficas, com uma pontinha de ficção e de concretização das fantasias do autor. Se retirarmos uma filha e trocarmos a profissão de jornalista pela de escritos, Rook (Castle) é igual a ele próprio. Fanfarrão e com gosto pela ribalta, com um sentido de justiça e respeito pelo próximo, bon vivant e conhecedor dos prazeres da vida, mas também vontade de partir para a acção e deter conhecimento (vasto) sobre tudo o que se passa à sua volta (ou não fosse poder todo o seu conhecimento e contactos imprescindíveis). 
A relação com Nikki (pelo menos no que respeita às primeiras temporadas) e com os Roach (e as suas piadas são mordazes mas geniais) é exactamente igual à da série, o que se poderia tornar aborrecido, não fosse o  facto de para mim esse ser o ponto forte da série, e logo do enredo. Apesar de tudo, os diálogos não são replicáveis e correspondem unicamente ao livro e ao caso que está a ser analisado, pelo que a esse nível, facilita um certo desprendimento do original para que nos foquemos exclusivamente no livro diante de nós. 
Outros elementos também se repetem: o assassinato da mãe de Nikki, a mãe excêntrica e actriz de Rook, a médica-legista amiga de Nikki, entre outros pequenos pormenores, que criam a ponte entre ecrã e página.
No que respeita à acção principal, o crime que despoleta a acção ao longo do restante livro é maioritariamente um jogo de pistas e dispensa de suspeitos, ao estilo do cluedo. Com alguma acção, mas não o suficiente para para nos deixar sem fôlego, centra-se no intelecto do/a leitor/a e foca-se em fornecer elementos que possam formar o puzzle cujo resultado desvendará o mistério. Neste sentido, apesar de uma panóplia de potenciais suspeitos e das interligações existentes entre eles que criaram um enredo interessante, cheguei facilmente ao/à culpado/a (não quero revelar a verdadeira identidade de quem for e estragar a vossa leitura). Poderia ter sido melhor construído nesse sentido e criar um motivo mais plausível. No entanto, como muitas vezes até na série adivinho e não não é completamente possível disassociar os dois universos, não fiquei muito aborrecida. 
Por fim, a química entre Nikki e Rook é na minha óptica a frustração de Castle a funcionar, obrigando-o a criar mecanismos fantasistas mas que poderiam ser reais, onde a cumplicidade, a atracção e o magnetismo estão presentes em todas as páginas. Algumas cenas são até escusadas, mas imaginando quem as escreve e as alegorias utilizadas, torna-se até cómico. Ao fim ao cabo, é um homem apaixonado com o dom para a palavra mas que não as sabe colocar em seu favor para o que realmente lhe importa!
Ondas de Calor é por todos estes motivos um livro de entretenhimento para os fãs de Castle e da série, que pode ser lido por quem não a segue, embora não tenha certamente a piada completa dessa forma. É um livro indicado para o verão, uma leitura leve e bem-disposta e que se verá junto a várias toalhas de praia.  
 
Cláudia
Sobre a autora:
 
Maratonista de bibliotecas, a Cláudia lê nos transportes públicos enquanto observa o Mundo pelo canto do olho. Defensora da sustentabilidade e do voluntariado, é tão fácil encontrá-la envolvida num novo projeto como a tagarelar sobre tudo e mais alguma coisa. É uma sonhadora e gosta de boas histórias, procurando-as em cada experiência que vive.

1 leitores reagiram:

  1. Confesso que não sou a maior fã da série e que por esse motivo, passo.. :P

    ResponderEliminar