Opinião: O Cavalheiro Inglês, de Carla M. Soares

O Cavalheiro Inglês
de Carla M. Soares 

Edição/reimpressão: 2014
Páginas: 400
Editora: Marcador 





Resumo: 
PORTUGAL. 1892. Na sequência do Ultimato inglês e da crise económica na Europa e em Portugal, os governos sucedem-se, os grupos republicanos e anarquistas crescem em número e importância e em Portugal já se vislumbra a decadência da nobreza e o fim da monarquia.

Os ingleses que permanecem em Portugal não são amados.
O visconde Silva Andrade está falido, em resultado de maus investimentos em África e no Brasil, e necessita com urgência de casar a sua filha, para garantir o investimento na sua fábrica.
Uma história empolgante que nos transporta para Portugal na transição do século XIX para o século XX numa descrição recheada de momentos históricos e encadeada com as emoções e a vida de uma família orgulhosamente portuguesa.

NO SEIO DE UMA FAMÍLIA, HÁ CORAÇÕES QUE SE AGITAM ENTRE O CURSO DA HISTÓRIA E O IRRESISTÍVEL PERFUME DOS LIVROS.

Rating: 4/5 

Opinião: Por vezes, entre uma leitura e a opinião, gosto de deixar passar alguns dias de forma a que o livro e a estória possa assentar. "Um Cavalheiro Inglês" foi como uma sobremesa pronta a ser degustada por vários dias, o que não me deixou de todo espantada, ou não estivessemos a falar de um livro de Carla M. Soares.
Conheço a Carla do mundo virtual e já tivemos a oportunidade de nos cruzar na Feira do Livro de Lisboa no ano passado. Da Carla li também o seu romance de estreia - "Alma Rebelde" e fui leitora beta de 2ª fase de um romance ainda não publicado. De todas as vezes, e de acompanhar o que a autora também escreve no seu blog pessoal, sempre tive a certeza que teria prazer em ler este livro. No que diz respeito a construções linguísticas, trejeitos e construções frásicas, a Carla fá-lo de uma forma sempre bonita, fluída, com um certo lirismo português mas com uma óptica moderna. É uma autora que escreve bem, à mão cheia, e que dá gosto de ler, qualquer coisa que escreva. É claro que só esse factor não justifica o apego a um determinado conteúdo, mas já lá vou.
Quando soube do lançamento de "O Cavalheiro Inglês", fui prestar mais atenção à sinopse e deixei-me render assim que vi a capa (tão bonita!). Era um livro que queria muito, e de tanto o desejar, por pouco não acabei com 3 exemplares em casa! Desde já, tenho de agradecer à Marcador, que nos fez chegar um exemplar com dedicatória, o que só torna o livro que aqui tenho ainda mais especial. Posto isto, todos estes factores só adicionaram uma responsabilidade acrescida, porque quer gostasse ou não do conteúdo, e ainda que seguindo o que habitualmente faço em todas as opiniões apresentadas no Encruzilhadas Literárias, senti que teria de ser ainda mais fundamentada ao apresentar os meus pontos de vista.
De todos os livros da Carla, tenho a dizer que este é o meu preferido de todos. Desde adolescente que o romance histórico/ romance de época foi o meu género literário preferido, e aquele em que me sinto mais em casa. Sabê-lo passado em Portugal só adocicou ainda mais a narrativa e deixou-me bastante feliz. De facto, todas as contextualizações e introduções históricas estão bem apresentadas, como pedaços que se vão desvendando a cada afastar do pano. Todos os dados foram inseridos com delicadeza e tacto, recobrando o enredo principal de pormenores mas sem enfastiar o leitor ou tornar pesado um enredo que não estava para sê-lo. A coloquialidade do discurso que tanto estranhei no Alma Rebelde já achei mais trabalhada e até bastante adequada neste volume, especialmente porque soube atribuir um toque de modernidade sem que este se superasse à narrativa principal.
O desenrolar da narrativa é feito com enlevo, várias surpresas num contexto que se julgará expectável, com nuances do séc. XXI e o desvendar de diversos tabus. Fiquei surpreendida em algumas passagens e fez-me querer lê-lo em todos os momentos livres que encontrei. Deixei-me encantar por uma composição que tinha tudo para ser simples, mas com uma série de interdependências que tornaram o enredo inicial um pouco mais complexo do que o esperado, revelando escolhas inteligentes por parte da autora.
As personagens são ricas de pormenores e cativaram-me por serem fortes, mas se calhar não tão imprevíveis como a autora julgou que elas seriam. São também simultaneamente o ponto fraco do livro. Acompanhando alguém que se expressou sobre este livro nos últimos tempos, apesar dessa composição e de personagens por vezes detestáveis, o livro é globalmente interessante e de boa qualidade. Penso também que por vezes o desejo da autora era de que elas fossem de facto aquilo que prometiam mas, e mesmo que o verbalizassem através de vários diálogos, existia uma apresentação real da sua composição interior que de facto não se adequava.
Sofia é a menina mimada que a ama descreve, cheia de boas intenções morais mas pouca prática e desejos vãos de quem cresceu sendo solicitamente correcta mas sem dar uso a uma maior liberdade. É inconsequente, apaixonada, infantil, mandona e muito imatura mas com o coração no lugar. Já Robert é um anti-herói irritante e até a certo ponto detestável, que não olha a meios para obter o que pretende e julga-se acima de consequências nefastas (o que por vezes o equiparou a um certo duque). Todas as personagens secundárias foram úteis pois não serviram apenas de meros espetadores para o enredo principal e atribuiram-lhe outra dinâmica. Ainda assim, o destaque dado a algumas seria merecidamente tratado noutro contexto.
De todas, adorei a Betsy (da qual gostava que tivesse um livro totalmente dedicado a si), que acabou ser a caracterização de mulher que se esperava ver reflectida em Sofia e que acabou por não acontecer.
Todos os dramas mais negros também foram passados algo levianamente, e atendendo a que foram abordados de uma forma algo mais superficial, esperava que o efeito de conclusão ou análise sobre estes fosse mais acerrado.
 Ainda assim, é um livro extremamente bonito, que adorei e pretendo reler, e que denota a evolução da Carla enquanto autora - o que só me faz ansiar pelos próximos livros!
 
Cláudia
Sobre a autora:
 
Maratonista de bibliotecas, a Cláudia lê nos transportes públicos enquanto observa o Mundo pelo canto do olho. Defensora da sustentabilidade e do voluntariado, é tão fácil encontrá-la envolvida num novo projeto como a tagarelar sobre tudo e mais alguma coisa. É uma sonhadora e gosta de boas histórias, procurando-as em cada experiência que vive.

Novidades: TopSeller


SINOPSE de A Cada Dia 
(A Topseller disponibiliza os primeiros capítulos para leitura imediata, aqui

«A cada dia um novo corpo. A cada dia uma nova vida. A cada dia o mesmo amor pela mesma rapariga. A cada dia, A acorda no corpo de uma pessoa diferente. Nunca sabe quem será nem onde estará. A já se conformou com a sua sorte e criou regras para a sua vida: Nunca se apegar muito. Evitar ser notado. Não interferir. Tudo corre bem até que A acorda no corpo de Justin e conhece Rhiannon, a namorada de Justin. A partir desse momento, as regras de vida de A não mais se aplicam. Porque, finalmente, A encontrou alguém com quem quer estar a cada dia, todos os dias.»

Sobre David Levithan
 David Levithan é autor e editor. Conta no seu currículo com muitas obras em nome próprio e várias parcerias como Will & Will, com John Green, ou Nick and Norah’s Infinit Playlist, com Rachel Cohn. A Cada Dia é um dos seus trabalhos mais aclamados e finalista dos seguintes prémios: YALSA Teens' Top Ten (2013), Abraham Lincoln Award (2014), Andre Norton Award (2012), Cybils Awards for Fantasy & Science Fiction (Young Adult) (2012), YALSA Best Fiction for Young Adults Top Ten (2013). Mais sobre o autor em davidlevithan.com


Vou amar-te para sempre de Monica Murphy
SINOPSE 
 «Perder. Tudo na minha vida se resume a esta palavra doentia. O meu treinador culpa-me por termos perdido os jogos decisivos da temporada. E o resto da equipa também. Passei os últimos dois meses completamente perdido e fechado sobre o meu desespero, como um autêntico fracassado. E perdi a minha namorada — Fable, a única rapariga que alguma vez mexeu comigo — por não me achar suficientemente bom para ela e por não querer magoá-la. Agora sei que deixá-la foi um erro e, ao ser cobarde, fui eu quem mais perdeu. Mas, mesmo que ela finja que está tudo bem e que seguiu com a sua vida, sei que ainda pensa em mim. Conheço-a demasiado bem. Raios… Ela é tão frágil que tudo o que eu mais quero é estar por perto para protegê-la… para abraçá-la… para amá-la. Só preciso que ela me dê mais uma oportunidade. Estamos perdidos, um sem o outro, mas eu sei que juntos podemos viver um amor incomparável, para sempre.»

Novidades: Porto Editora


Sinopse 
Charlie Parker acaba de reaver a sua licença de detetive privado quando Bennett Patchett o procura, pedindo-lhe para averiguar as sinistras circunstâncias que envolveram o suicídio do filho, Damien, um veterano da guerra do Iraque. No decurso das suas investigações, Charlie Parker cedo percebe que um grupo de ex-combatentes, sob a chefia do antigo comandante do batalhão, se envolveu ativamente numa estranha operação de contrabando na fronteira do Maine com o Canadá e que, uns atrás dos outros, todos acabam por conhecer o mesmo destino de Damien. 
E quando Herod, um velho doente mas implacável, com uma propensão para o macabro, entra em cena, o detetive Charlie Parker terá de forjar uma aliança com o homem que mais teme à face da Terra, o assassino conhecido como «o Colecionador».


Sinopse 
Queres saber como nasceu Portugal, o que foram os Descobrimentos ou o que aconteceu no 25 de Abril? Então abre este livro, levanta todas as abas e descobre as respostas e curiosidades sobre o nosso país. Neste livro interativo, escrito por José Jorge Letria, repleto de ilustrações cheias de humor, vais aprender tudo sobre os momentos mais importantes da História de Portugal de uma forma divertida!

Novidade: Viagem ao Coração dos Pássaros de Possidónio Cachapa

Viagem ao Coração dos Pássaros é uma pequena obra-prima no espaço do romance português contemporâneo. Livro de sonhos, de magias, de encantamentos e dores que se tornam em sorriso ou de sorrisos que abrem a porta da morte. Kika e o seu anjo da guarda, a sensual Evangelina, Filipe rumo a Venezuela, Adalberto o fura-mundos e o Escritor que entra também no circo, isto é, na vida, são as personagens simples e fabulosas desta história, que tem por cenário a ilha da Madeira, céu e mar, levadas cristalinas, gente rude do campo com suas superstições e preconceitos e sua fala própria, contraponto das vozes de milagre 

 Que conta esta Viagem ao Coração dos Pássaros? O amor de Filipe e Etelvina, o amor de Etelvina e Adalberto, a censura dos vizinhos, o dom de Kika, o amor muito especial de Kika e o Escritor. Mas este romance fala, sempre e acima de tudo, simplesmente do amor, do amor às árvores, às plantas, aos pássaros e a todos os animais, ervas, sopro de vento, correr da água, talvez Deus, talvez o infinito, o absoluto

Review: The Day of Atonement, by David Liss

The Day of Atonement
by David Liss 


Edition: 2014
Pages: 384
Editor: Random House Publishing Group  




Summary: Sebastião Raposa is only thirteen when his parents are unjustly imprisoned, never to be seen again, and he is forced to flee Portugal lest he too fall victim to the Inquisition. But ten years in exile only serve to whet his appetite for vengeance. Returning at last to Lisbon, in the guise of English businessman Sebastian Fox, he is no longer a frightened boy but a dangerous man tormented by violent impulses. Haunted by the specter of all he has lost—including his exquisite first love—Foxx is determined to right old wrongs by punishing an unforgivable enemy with unrelenting fury.

Well schooled by his benefactor, the notorious bounty hunter Benjamin Weaver, in the use of wits, fists, and a variety of weapons, Fox stalks the ruthless Inquisitor priest Pedro Azinheiro. But in a city ruled by terror and treachery, where money and information can buy power and trump any law, no enemy should be underestimated and no ally can be trusted. Having risked everything, and once again under the watchful eye of the Inquisition, Fox finds his plans unraveling as he becomes drawn into the struggles of old friends—and new enemies—none of whom, like Lisbon itself, are what they seem.

Compelled to play a game of deception and greed, Sebastian Fox will find himself befriended, betrayed, tempted by desire, and tormented by personal turmoil. And when a twist of fate turns his carefully laid plans to chaos, he will be forced to choose between surrendering to bloodlust or serving the cause of mercy.

Rating: 3/5
Review:  Before I start talking about this book I have to tell I received this copy through Netgalley in exchange of a honest review. And I will start asking Random House to change the letters font because the one adapted to this book was difficult to read and finishing it was more difficult. 
Sebastian Fox isn't a new character for me. I had the chance to read some of his adventures in the past in another David Liss's book. For that reason I was particular curious about the origins of this - bold and always in trouble - man. It started very well. Seeing David in Lisbon, a city I know so well, was great and specially easy to image. The boy before all the adventures added a particular interest to the story and created a great dynamic surrounding the future consequences. The journey to the United Kingdom and the return to Lisbon was well explained and gave the readers the clues to make our attention aware of a minimum transformation near new and old characters. The passage to the city was again interesting. I was ready to see the action start and all the revolutions Sebastian was taking on  with the objective of revenge. The introduction of some new faces was nice and made the book's content more balanced. Even so, starting the middle I felt the story wasn't floating to a good port. The narrative got slower and and it was a little of all the same. Even the relationship between characters that could be amazing (all the angst, love, passion, fear and desires were there) felt a little bit passive and there was the need of a little strength to promote the drama that happened during the final 100 pages. I was expecting to enjoy it much more and it was kind of disappointing, since I enjoyed a lot the previous ones. However, I still had a good time reading it and that's why I´m giving it a 3 stars. I wanted to make a more detailed review but without spoilers it´s not possible so I prefer to end it here.

Nota: Para quem não lê em inglês e se interessou pelo livro, The Day of Atonement chega a Portugal pelas mãos do Clube de Autor em Outubro, com o título "Expiação".


 
Cláudia
About the author:
 
Addicted to the library Claudia loves to read on the move and we can usualy find her sitting in a train or bus reading while commuting to and from work. But don't be fooled she is also keeping an eye on the landscape and all around her. She is an avid defender of sustainability and volunteering and it's as easy to find her starting a new project as it is to find her chatting with her friends. She is a dreamer and loves good stories so she keeps looking for them in her personal life.

Passatempo de aniversário!

Imaginem todos os livros que sempre quiseram. Mas imaginem mesmo! Estão a visualiza-los? Escolham um. Já escolheram? Boa. Se ele custar menos de 10 euros acabaram de ganhar a possibilidade de o ganhar!

Este ano no nosso aniversário temos um voucher de 10 euros para o The Book Depository. Isso mesmo, um/a felizardo/a terá até 10 euros para selecionar qualquer livro que deseje muito e recebê-lo no conforto do vosso lar. 

MAS, como queremos festejar o nosso aniversário com quem de facto nos segue, temos um pequeno desafio para os nossos seguidores mais atentos. Desta vez não vamos dar pistas, nem links, nem nadinha. Vão ter de procurar sozinhos as informações solicitadas.

Antes de participarem relembrarmos as regras:
1) O passatempo decorre até às 23h59 do dia 31 de Janeiro de 2014. 
2) Todos os dados solicitados (incluindo nick de seguidor) devem ser devidamente preenchidos e completos. 
3) Só serão aceites uma participação por pessoa e morada.
4) Este será um dos únicos passatempos internacionais que temos, por isso quem nos segue de fora de Portugal que não perca esta oportunidade!
4) O/A vencedor/a será sorteado de forma aleatória (random.org), sendo o resultado anunciado na página do blog e o contacto efectuado por e-mail. 
5) O Encruzilhadas Literárias não se responsabiliza pelo extravio ou danos causados pelos CTT nos exemplares enviados. No entanto se quiserem reclamar com o Book Depository forneceremos o número da encomenda para que possam apresentar queixa.

Feliz Aniversário Encruzilhados!!

Feliz Aniversário Encruzilhados!!

A 18 de Janeiro de 2010, nasceu este nosso cantinho que já nos acompanha há 5 anos. Ao longo do tempo, o nosso blog cresceu, construiu-se com base em opiniões e sugestões, contabilizou seguidores e, porque não dizer, alguns amigos.
De um mero lugar de troca de sugestões literárias, fomos abrindo outras portas e deu-se origem a rubricas, passatempos, parcerias com Editoras e Autores, e muitas surpresas.
Para nós, que temos perfeita consciência de que não somos das que mais contribuem para o desenvolvimento da blogosfera, o reconhecimento por pessoas externas ao nosso canto dá-nos alento nas alturas mais atribuladas em que este espaço passa para terceiro e quarto lugar nas prioridades de cada uma. Abrir a página de uma editora e ver um excerto ou um link que reencaminhe para alguma opinião do Encruzilhadas Literárias continua a surpreender-nos e a deixar-nos muito felizes com o resultado. Significa que ainda que de forma menos intensiva, o esforço que dedicamos está a ser bem executado e chega onde pretendemos.
Não sabemos quantos mais anos se seguirão, ou sequer se estaremos por cá para celebrar um sexto aniversário. O mundo muda a cada segundo, assim como os nossos interesses e motivações. Para já, não poderíamos deixar de agradecer-vos a todos. Os que comentam na nossa página do facebook diariamente, os que fazem perguntas sobre livros, os que nos sugerem leituras no goodreads e os que não nos conhecendo, quando falamos do blog, o reconhecem e dizem segui-lo. Por esse motivo, obrigada a todos os bloggers que nos inspiram e com quem partilhamos opiniões, obrigada aos que nos lêem e dão alento para fazer mais e melhor, aos autores que consideram a nossa opinião válida de consideração e às Editoras e Parceiros, que viram no nosso espaço uma dedicação verdadeira, que estabeleceu bases de confiança para futuras colaborações. Hoje em dia, o Encruzilhadas Literárias é tão nosso como vosso. Parabéns!

Review: Murder Most Unladylike, by Robin Stevens

Murder Most Unladylike: [A Wells And Wong Mystery #1] 
by Robin Stevens 
Release year: 2014 
Pages: 352 
Editor: Random House Children's Publishers UK
Summary:
When Daisy Wells and Hazel Wong set up their very own deadly secret detective agency at Deepdean School for Girls, they struggle to find any truly exciting mysteries to investigate. (Unless you count the case of Lavinia's missing tie. Which they don't, really). But then Hazel discovers the Science Mistress, Miss Bell, lying dead in the Gym.

Rating: 4/5

Review:
I personally blame Enid Blyton for my love of boarding school books. That being said there's something about a plot setup against a boarding school that just catches my eye. I specially like all girls boarding schools because I like female main characters, I believe they have so much to offer. I also love crime novels which means that for me this book was a match made in heaven.
I have been meaning to read a crime novel for quite sometime now but I also wanted to read a good children / teen book. Murder Most Unladylike was just the right thing so I could kill two birds with one stone. This is also the first book in the Wells and Wong Mystery series and two more books are expected to hit the shelves on 2015, the second one in January 29th and the third one in July 30th.
Daisy and Hazel have a Detective Society together that is, of course, most secret and they go around the school solving petty mysteries that don't match their capacities, this is until the day Hazel discovers their Science Mistress dead on the Gym and the body mysteriously disappears before anyone (but Hazel) has the chance to see it. Now the whole school thinks Miss Bell has left for a better job except for the Detective Society who, for the first time in forever, have a true crime in their hands.
I have to admit I really enjoyed reading this novel. It's not absurdly complicated and there's some elements of luck to it that aren't abused of after all one has to think about the setting (time and space) which is rather limited, a boarding school isn't that big (this isn't Hogwarts we are talking about), and the fact that the book takes place in 1934 helps to create a more slow atmosphere for developments (no Google for you Hazel!).
I also enjoyed that Daisy and Hazel were well written for their ages, with the typical teen/friend fights and quick reconciliations, and without some mystical understanding "beyond their years" that some characters tend to have in novels. All and all the plot was well developed, even if sometimes it seemed to go stale (after all you don't make ground breaking discoveries everyday) and the whole subtle sub-plot left me wonder if there was anything else happening in Deepdean School for Girls.
And you figure out the crime you will be rather surprised! (I was!) Which was good because sometimes you can have a lot of built up for nothing which wasn't the case.
As I said in the beginning of this review this is the first book in a series and I am now very curious as to see what Daisy and Hazel have in store in Arsenic for Tea and First Class Murder both already in my "to-read" list.
The only thing I have to complaint about is how the american cover is pink? Why is it pink when it's so pretty in blue? Where they trying to make this a "girlish" book? I really have no idea. I love the blue cover and I also rather enjoyed the silhouette theme (that keeps on going for covers two in three in yellow and red).
The 29th January can't come soon enough so I can get my hands on the second volume of this series!

Passatempo: Vermelho como o Sangue, de Salla Simukka

O primeiro mês do ano não poderia começar sem um passatempo, e neste caso contamos mais uma vez com a colaboração de um dos nossos parceiros mais especiais: a Editorial Presença arrisca novamente  num género diferente trazendo-nos um noir nórdico YA (jovem adulto) que de certeza despertará a atenção de muitos jovens e adultos pelo país fora. Esta é também uma forma de começar a assinalar os 5 anos de existência do Encruzilhadas Literárias, pelo que estejam atentos às novidades que aí vêm! Boa sorte!

 THRILLER NÓRDICO PARA JOVENS ADULTOS

Lumikki Andersson tem 17 anos e vive sozinha num pequeno apartamento, na cidade onde frequenta uma prestigiada escola de Artes. Lumikki é solitária, independente, e gosta da liberdade. Na escola prefere dedicar-se aos estudos e ignorar os grupinhos que se vão formando. Não se meter naquilo que não lhe diz respeito é, para ela, uma regra fundamental. Mas essa regra vai ser posta à prova no dia em que encontra uma incrível quantidade de notas de quinhentos euros penduradas a secar no laboratório fotográfico da escola e que tudo indica terem estado manchadas de sangue. Em poucas horas, Lumikki, juntamente com três dos seus colegas, vê-se enredada numa sombria conspiração.

Salla Simukka é finlandesa e nasceu em 1981. Tem traduzido e escrito ficção para adolescentes e jovens adultos. Escreveu vários romances e uma coleção de contos. Traduziu também ficção para adultos, livros infantis e peças de teatro. Faz regularmente crítica literária para dois jornais diários e um semanário finlandeses, participando ainda no quadro editorial da publicação juvenil Lukufiilis.

Em janeiro de 2013 Salla Simukka recebeu o Prémio Topelius pelas obras Without a Trace e Elsewhere. Criado em 1946, este prémio destina-se a distinguir as melhores obras de ficção infantil e juvenil na Finlândia.


 «Estejam atentos as todas as novidades editoriais e promoções da Editorial Presença aqui»

Antes de participarem relembrarmos as regras:
1) O passatempo decorre até às 23h59 do dia 18 de Janeiro de 2014. 
2) Todos os dados solicitados (incluindo nick de seguidor) devem ser devidamente preenchidos e completos. 
3) Só serão aceites uma participação por pessoa e morada, em todo o território português (Portugal continental e ilhas). 
4) O/A vencedor/a será sorteado de forma aleatória (random.org), sendo o resultado anunciado na página do blog e o contacto efectuado por e-mail. 
5) O Encruzilhadas Literárias e/ou a Editora não se responsabilizam pelo extravio ou danos causados pelos CTT nos exemplares enviados.


Review: Of Things Gone Ashtray, by Janina Mathewson


Of Things Gone Astray
by Janina Mathewson 


Edition: 2015
Pages: 288
Editor: Harpen Collins UK / The Friday Project 




Summary: 
Mrs Featherby had been having pleasant dreams until she woke to discover the front of her house had vanished overnight …
On a seemingly normal morning in London, a group of people all lose something dear to them, something dear but peculiar: the front of their house, their piano keys, their sense of direction, their place of work.
Meanwhile, Jake, a young boy whose father brings him to London following his mother’s sudden death in an earthquake, finds himself strangely attracted to other people’s lost things. But little does he realise that his most valuable possession, his relationship with his dad, is slipping away from him.
Of Things Gone Astray is a magical fable about modern life and values. Perfect for fans of Andrew Kaufman and Cecelia Ahern


Rating: 3/5

Review: I will start this review by saying that I received an online copy of this book through Netgalley in exchange of a honest review. With this clarified let's keep going. I didn't quite remember the summary of this book when I started reading it so it was almost like going in a adventure to the unknown. It was nice to get into a book which actions were occurring in London, since I'd visited the city recently and it was like being back without leaving home. "Of Things Gone Astray" follows different people who somehow lost different and peculiar things during one morning: from an house's front wall to the ability to get free of some memories, there is a lot to consider. Each chapter is focused on a different character and we get the chance to analyze every single life and understand the importance of the missing pieces in their lives. It is an incredibly well written book and and a luxury to end 2014 reading such quality in a book.
The fantasy or eccentric moments registered in the book are more than a "magical fable about modern life and values". They represent problems of nowadays with origin in the modern society that are somehow forgotten in all the tasks and duties of everyday life but that can change our lives forever. It is also a beautiful warning call directed to everyone following the need to don´t forget the impact that small actions can have not only on each person live but also in all the people that are surrounding them. And it's also a warning to be really alive, without all the mortifying curtains of responsibilities, duties and needs that have the power to change our dreams and even to extinguish them. Unemployment, loneliness, familiar relationships, love relationships, long careers, the power of obligations, everything is analyzed by metaphors with so many details and particularities and just make this book a small beauty.
Another interesting aspect are the connections between all the characters that were done discretely without being obvious and unnecessary. Their connection was a special construction built by some nuances, creating more than a few details in each report without making it forced or strange.
However there were a few problems to me and that´s why I can´t give this book more than 3 starts. I understood all the logic of the book's creation but specially at the beginning the composition of everybody's story was a little but disconnected, like lego pieces that really didn't matched. It loosed a bit of logic and the cohesion of the book was compromised. The other small problem I had was the end of the book. Once again I understood the metaphor and what was being discussed. It made sense to me and I actually liked but even so it was ruched and there was missing some kind of final point to justify all the reading process until that moment.
Even so I have to congratulate Janina Mathewson because I enjoyed the book quite much, the book cover is just beautiful and I am interested on reading more from her. Not bad from a debut from new author!

 
Cláudia
About the author:
 
Addicted to the library Claudia loves to read on the move and we can usualy find her sitting in a train or bus reading while commuting to and from work. But don't be fooled she is also keeping an eye on the landscape and all around her. She is an avid defender of sustainability and volunteering and it's as easy to find her starting a new project as it is to find her chatting with her friends. She is a dreamer and loves good stories so she keeps looking for them in her personal life.

Opinião: A 5ª Vaga, de Rick Yancey

A 5ª Vaga
de Rick Yancey 

Edição/reimpressão: 2014
Páginas: 400
Editora: Editorial Presença 





Resumo: 
A 5ª Vaga, o volume que dá início à trilogia com o mesmo nome, é uma obra-prima da ficção científica moderna. É um épico extremamente original, que nos apresenta um cenário de invasão extraterrestre do planeta Terra como nunca antes foi escrito ou sequer imaginado. Nesta narrativa assombrosa, uma nave extraterrestre fixa-se na órbita da terra, à vista de todos mas sem estabelecer qualquer interação. Até que, subitamente, uma gigantesca onda eletromagnética desativa todos os sistemas da Terra, e todas as luzes, comunicações e máquinas deixam de funcionar. A esta primeira vaga seguem-se outras, num crescendo de violência que devasta grande parte da humanidade.

Será este o fim da existência humana sobre a Terra? Haverá ainda alguma salvação possível? A 5ª Vaga é um thriller de alta voltagem, com todos os ingredientes para se tornar um grande clássico da literatura fantástica universal.

- Finalista na categoria de Fantasia para Jovens Adultos: Goodreads Choice Awards, 2013
- Finalista dos Children´s Choice Book Awards na categoria Teen Book of The Year 2014


 «Estas e outras novidades no site da Editorial Presença aqui»

Rating: 4,5/5 

Opinião: Como é que eu não tinha lido isto antes? Como é que eu não tinha lido isto antes? Como é que eu não tinha lido isto antes? Não, de facto não são erros de tipografia. Estou de facto estupefacta com este livro, o que é dizer muito!
Começo por dizer que todas e quaisquer estórias que possam estar à espera de ver descritas ou criadas, já foram inventadas. Hoje em dia é muito complicado imputar um ponto de pura originalidade na literatura, porque os enredos são os mesmos de muitos, só com novas personagens, contextos e perspetivas. Nessa perspetiva, o misticismo das invasão extraterrestre não é novidade e tem sido explorado pelo mundo literário e cinematográfico nas mas mais variadas formas, desde o invasor simpático à procura de voltar para casa até ao exterminador implacável capaz de devastar a Humanidade em prol de uma destruição massiva ou ocupação de um planeta apetecível. Seja o que for, não estava por aí além curiosa com este livro. A ideia de repetição pairava-me na cabeça cada vez que lia a sinopse e parecia-me um livro a saltar. Mal posso dizer como estava enganada e estou tão arrependida por não me deixar vencer às evidências mais cedo! A 5ª Vaga abre o ano de 2015 com uma experiência de leitura fantástica e justifica todos os reconhecimentos literários que lhe têm sido atribuídos dentro do género literário dos jovens adultos (YA), especialmente em 2013 através do Goodreads (que ainda valendo o que vale, é para mim um dos prémios mais significativos de reconhecimento do trabalho de um autor, nem que seja pelas massas que o seguem e classificam positivamente os seus livros).
Para começar, está muito bem escrito: corrente, com linguagem acessível, atractiva e estimulante, tem a capacidade de nos agarrar desde a primeira página e nos obrigar a continuar a virá-las a uma velocidade vertiginosa (não descansei enquanto não lhe vi o fim!).
Rick Yancey tem um sentido de humor soberbo que soube passar para as suas personagens e dei por mim a rir com um livro que não tinha esse propósito. Ainda assim, foi impossível não reagir ao sarcasmo das personagens e ao humor negro de sobrevivente que já não tem com o que rematar a devastação pela qual está a passar senão com um humor quase que mórbido mas tão adequado (nunca me vou esquecer do urso para "matar extraterrestres com miminhos", entre outras. Assim pode não ter piada, mas no contexto vão ver como são excepcionais) que não se pediria diferente. Este é sem dúvida um dos pontos mais fortes no livro.
Todas as vozes são muito humanas, reais, complexas, com nuances e derivações: a nenhuma personagem é negada a fragilidade do equilíbrio entre o bem e o mal, entre a necessidade do sacrifício e da realização de acções impensáveis que garantam a sobrevivência, à capacidade de magoar e de destruir mas também de arriscar por uma única vida, de combater o medo, a loucura, a falta de esperança com recobros de força, destreza e vontade. Adorei cada uma delas, desde a Cassie (que é uma proganista espectacular, a anexar à minha lista de preferidas) - lutadora de mão cheia, com garra, um toque lunático derivado da situação que se encontra a viver mas com vontade de encarar as adversidades de frente; ao Ben - atormentado pelos fantasmas do passado, com valores justos e correctos, e uma esperança de morrer convicto aos seus valores; o pequeno Sammy -que só apetece aconchegar no colo e retirar do sonho mau que a criança vive até ao Evan - complexo, com muitas camadas e nuances, mistérios mas simultaneamente tão claro e transparente que é impossível não vê-lo e senti-lo.
Outro dos pontos de originalidade do livro passa pela apresentação directa de todos os dados do jogo. Em nenhum momento nos julgamos com falta de ferramentas ou em certa parte entediados com aquelas reviravoltas que nunca chegam a sê-lo porque já as desvendámos desde o início. Rick Yancey diz-nos exactamente o que estamos a ver, sem nos fazer perder o interesse em acompanhar o desenrolar da estória e das interligações de personagens, e que talvez por isso se tornam mais próximas do leitor. É uma vantagem poder ler estas evoluções e cria sem dúvida uma surpresa pelo factor de diferença.
Quanto à temática principal, não estava à espera de gostar tanto, sinceramente. Mais uma vez, não é um tema que já não tenha sido explorado de todos os ângulos e perspectivas, mas conseguiu cativar por não querer ser demais mas atribuir o nível certo de mistério, angústia, medo e devassidão necessários. A ideia das ondas é intrigante assim como da pré-selecção que ocorrerá a meio do livro e sobre a qual não irei falar. No entanto, restaram-me algumas questões que não sei se serão falhas do autor neste primeiro livro (e que virão justificadas nos próximos) ou "acasos" colocados propositadamente na nossa frente para despertar a atenção dos leitores para o desenrolar da trama nos próximos dois livros. Em todo o caso, fiquei sem entender algumas justificações e tenho aqui algumas dúvidas para partilhar com quem já leu este livro, pelo que quem já o tiver feito, por favor contactem-nos por mensagem privada por facebook! Quero muito debater a questão do "vermelho" e "verde" - quem já leu perceberá.
Para os restantes que adoram o género YA: comprem, peçam emprestado, procurem na biblioteca local, não interessa - simplesmente corram a ler este livro.

 
Cláudia
Sobre a autora:
 
Maratonista de bibliotecas, a Cláudia lê nos transportes públicos enquanto observa o Mundo pelo canto do olho. Defensora da sustentabilidade e do voluntariado, é tão fácil encontrá-la envolvida num novo projeto como a tagarelar sobre tudo e mais alguma coisa. É uma sonhadora e gosta de boas histórias, procurando-as em cada experiência que vive.