Passatempo: Sete Minutos Depois da Meia-Noite, de Patrick Ness

Boa noite Encruzilhad@s!

Hoje para grande alegria do Consultor Literário temos um livro monstruoso para oferecer! 
Desta vez em parceria com a Editorial Presença temos um exemplar do livro Sete Minutos Depois da Meia Noite de Patrick Ness, mais conhecido por A Monster Calls no original, para sortear a um leitor que não tenha medo de monstros.
Por aqui já lemos o livro e podem ler a nossa opinião aqui, e podemos desde já dizer que foi dos melhores livros que já lemos e que a Catarina o devorou (afinal de contas era um livro sobre monstros).
Para se habilitarem a este monstruoso prémio basta seguirem as regras e responderem ao questionário no fim desta página!

Resumo:
Passava pouco da meia-noite quando o monstro apareceu. Mas não era exactamente o monstro de que Conor estava à espera... 
 A escuridão, o vento, os gritos. O mesmo pesadelo nocturno desde que a mãe de Conor ficou doente. Tudo é tão aterrorizador que Conor não se mostra assustado quando uma árvore próxima de sua casa se transforma num monstro... Mas só o monstro sabe que Conor esconde um segredo e é o único a estar ao seu lado nos seus maiores medos. 

Para lerem mais sobre o livro e verem o book trailer cliquem aqui.

«Estas e outras novidades no site da Editorial Presença aqui» 

Regras do passatempo
1) O passatempo decorre até às 23h59 do dia 08 de Março de 2015.
2) Todos os dados solicitados (incluindo Nick de Seguidor) devem ser devidamente preenchidos e completos.
3) Só serão aceites uma participação por pessoa e morada, em todo o território português (Portugal Continental e Ilhas).
4) O/A vencedor/a será sorteado de forma aleatória (random.org), sendo o resultado anunciado na página do blog e o contacto efectuado por e-mail.
5) O Encruzilhadas Literárias e/ou a Editora não se responsabilizam pelo extravio ou danos causados pelos CTT nas encomendas enviadas.

Resultado do Passatempo: Louca por Compras Espera Bebé, de Sophie Kinsella

Boa noite Encruzilhados,

Demorámos um bocadinho a revelar os resultados do passatempo "Louca por Compras Espera Um Bebé" de Sophie Kinsella devido a compromissos profissionais que nos têm ausentado do blog nos últimos tempos. Mais uma vez, obrigada à Quinta Essência por uma nova colaboração e por fazer mais uma leitora do Encruzilhadas Literárias feliz. Ainda assim e sem mais demoras, ficamos muito contentes por enviar um exemplar deste livro divertido para:

Inês Lázaro, de Corroios

Muitos parabéns e boas leituras! Aos restantes, relembramos que estão mais dois passatempos a decorrer no blog até 28 de Fevereiro (Contagem Decrescente) e 7 de Março (Pack RLeite). Não percam a oportunidade de participar!

Passatempo: Pack- Marcador e Caderno Lightning - RLeite


Esta semana não paramos e continuamos a fazer chover passatempos!

E desta vez retomamos a nossa colaboração com a RLeite, e divulgamos o seu novo projeto. Podem consultar os trabalhos mais pedidos no link, e ver as restantes imagens dos produtos que poderão adquirir!

Em sorteio estará um pack com um marcador e um caderno da personagem Lightning de Final Fantasy igual ao exemplo em baixo:


Para participarem, e porque queremos apoiar o trabalho espectacular da Raquel, para além dos requisitos habituais, queremos um like da página da RLeite! Não se esqueçam de confirmar que têm essa opção de consulta disponível para o público em geral.
Boa sorte!
Regras do passatempo 
1) O passatempo decorre até às 23h59 do dia 07 de Março de 2015.
2) Todos os dados solicitados (incluindo Nick de Seguidor) devem ser devidamente preenchidos e completos.
3) Os participantes deverão seguir publicamente as páginas de Facebook do Encruzilhadas Literárias e da RLeite
4) Só serão aceites uma participação por pessoa e morada, em todo o território português (Portugal Continental e Ilhas). 
5) O/A vencedor/a será sorteado de forma aleatória (random.org), sendo o resultado anunciado na página do blog e o contacto efectuado por e-mail. 
6) O Encruzilhadas Literárias e a RLeite não se responsabilizam pelo extravio ou danos causados pelos CTT nas encomendas enviadas.


Novidade: A Linguagem das Irmãs, Amy Hatvany


SINOPSE 
Há dez anos, Nicole Hunter tomou a difícil decisão de abandonar o seu lar problemático em Seattle. Deixou para trás a sua querida irmã Jenny, possuidora de um distúrbio neurológico que a colocara dependente de uma cadeira de rodas e lhe retirara a capacidade da fala. Após uma década em São Francisco, Nicole tenta convencer-se de que tudo está bem, mas nem a sua vida sentimental nem a profissional são as que ambicionava. 
Quando um violento e trágico acontecimento envolve a sua irmã, Nicole é forçada a regressar à casa de infância onde deixou memórias impossíveis de resolver e perdoar. Ali acabará por tomar a decisão mais acertada da sua vida: cuidar da irmã e resolver os conflitos com a mãe e as memórias dolorosas deixadas pelo pai. Só assim conseguirá redimir-se da culpa que a acompanha e tornar-se a irmã que gostaria de ter sido. Uma história tocante, autêntica e libertadora, sobre as escolhas que é necessário fazer na vida, sobre o poder da amizade e sobre a importância dos laços familiares.

Novidade: Desamparo, de Inês Pedrosa

Novidades Porto Editora

A Porto Editora publica, a 20 de fevereiro, Hereges, o mais recente romance de Leonardo Padura e, segundo o El País, «o cruzamento perfeito entre o romance histórico, o romance social e o policial».
O escritor cubano vai participar e apresentar este livro no encontro Correntes d’Escritas 2015, que se realiza de 26 a 28 de fevereiro na Póvoa de Varzim. Posteriormente estará em Lisboa para uma sessão no Instituto Cervantes, no dia 2 de março, às 18:30. 
Vencedor do X Prémio Internacional de Romance Histórico «Ciudad de Zaragoza», um dos mais importantes galardões do género, Hereges é um romance absorvente sobre uma saga judaica que vai desde 1939 até aos nossos dias e que vem confirmar o autor como um dos narradores mais ambiciosos e internacionais da língua espanhola.




Review: All Fall Down [Embassy Row #1], Ally Carter

All Fall Down [Embassy Row #1]
by Ally Carter
Edition: 2015
Pages: 320
Editor: Hachette Children's Books
Summary: 
Grace is absolutely certain of three things: ´
1. She isn't crazy. 
2. Her mother was murdered. 
3. Someday she's going to find the man with the scar, and then she is going to make him pay. 
As certain as Grace is about these facts, nobody else believes her – so there’s no one she can completely trust. Not her grandfather, a powerful ambassador. Not her new friends, who all live on Embassy Row. Not Alexei, the Russian boy next door who is keeping an eye on Grace for reasons she neither likes nor understands. 
Everybody wants Grace to put on a pretty dress and a pretty smile, blocking out all her un-pretty thoughts. But they can’t control Grace – no more than Grace can control what she knows or what she needs to do. Her past has come back to hunt her . . . and if she doesn't stop it, Grace isn't the only one who will get hurt. Because on Embassy Row, the countries of the world all stand like dominoes, and one wrong move can make them all fall down.

Rating: 4/5

Review:
This ARC edition was sent to me in exchange for an honest review. You can read the first chapter for free here.
As a fan of Ally Carter I would like to say that I wasn't sure about what to expect of her new book. Don't get me wrong I loved Heist Society and the Gallagher Girls and was excited that a new series was on it's way but at the same time I was sad that Ally's new book wasn't Heist Society #4 (which should totally have been by the way!). However Ally didn't fail to impress and now I can't wait for the next book in this new series.
Now Grace might be absolutely certain of three things but so are we as readers, The first is that Ally continues to use her first person point of view that she also used in Heist Society and the Gallagher Girls, so fans of the old series won't fell as much of a clash going in the new one. Second Grace, a bit like Cammie, has suffered a traumatic event and has experiences PTSD, and contrary to romanticizing this condition Ally does show us how it can affect day to day life, this also makes Grace a very unreliable narrator because sometimes the action is paused as she has her attacks which means that we lose bits of information or don't get to see a scene coming to an end. Third everyone would love to live on Embassy Row and by that I mean here's my passport, here are my bags, let's go.
Ally kept true to herself in this book, friendship is still the main theme, family is important, love takes time and makes funny puns when it's possible. Even so I have to say that this book seemed a little bit more darker than her previous ones, it also seemed aimed at slightly older audiences (for instants I would recommend Gallagher Girls for a 12 year old, not so sure about Embassy Row) I believes this is so because of Grace's PTSD which is explored through out the book. Now we know by flashes that Grace has been to psychologists and that she had therapy, we also know that she is trying to fight it on her own because she doesn't want her pills anymore. Grace's struggle is easily relatable to anyone who has gone through any of these things and might shed a light to people who haven't and make young people more aware that having PTSD or any other conditions don't stop you from being a hero.
Embassy Row is an amazing setting because, and let's be honest, it's a giant chess board. All this embassies side by side with walls that may or may not touch (looking at America and Russia!) are connected and one little inside might be reason for world war III to break out. Everyone is on their toes except, even the children of the ambassadors that have lived there all their lives know their places and how to act. Grace of course is our wild card, someone who has a vague idea of what's going on but still can't see the whole puzzle.
Although I fell Ally has a set of characters that she tends to re-create, like the funny one, the hurt friend, and so on, I like who she keeps exploring them and giving them new insights, Grace's group is a mixture of nationalities, ages and sexes which is something that Ally likes to do and creates a more diverse reading (also there's always someone who speaks Portuguese so kudos for that!).
All in all I recommend All Fall Down for fans of the previous works of the author because they will immediately recognize Ally's writing style and fell welcome one but I would also recommend the book for new fans as I believe this is one of Ally most interesting plots and very unexpected endings. I give it 4 starts and wait impatiently for volume two!
To finish I would like to say that I actually ended up buying the book and got free mascara with it. So that was a two in one Ala Gallagher Girls and Heist Society, looking fabulous while taking over the world.

 Cat / Ki
Known bookaholic and writer on free weekends. Cat loves books and everything that's related to them. Sometimes she has feelings and opinions about books and the world and she writes about them in her blog Encruzilhadas Literárias. She also has a personal GoodReads account and she believes the world is a better place for it (AKA no more repeated books from relatives as gifts). She lives in the UK and can often be found either in Waterstones or the Charity Shops.

Passatempo: Contagem Decrescente, de Bruno Franco

Olá Encruzilhados!
Enquanto falamos com o Mr Random sobre o resultado do nosso passatempo anterior deixamos aqui a boa nova de que temos mais um livro a sorteio.
O autor Bruno Franco entrou em contacto connosco e gentilmente ofereceu um exemplar do seu livro Contagem Decrescente para um/a sortudo/a!
Algumas das nossas estantes vizinhas já leram e comentaram o livro e podem ler a crítica da Menina dos Policiais aqui.
E se isto não vos aguçar o apetite deixamos-vos um pequeno resumo da obra:

Resumo:
31 de Dezembro. Passagem de ano. Rodrigo Tavares, um proeminente detective da Polícia Judiciária, encontra-se em Almada para assistir ao espectáculo pirotécnico quando recebe um telefonema que muda a sua vida por completo, levando-o a perceber que tinha chegado o momento que tanto temera: a concretização de uma ameaça homicida proferida pelo assassino que mais lhe custara capturar no passado. 
Rodrigo tem até dia 15 de Janeiro para deter o assassino, ou as consequências serão devastadoras. E não apenas para si. 
Quando o detective observa a forma excruciante e desumana como a primeira vítima fora assassinada, percebe a importância e a seriedade do que está a acontecer, e é então que começa a corrida contra o tempo. O que começa por ser uma caça ao homem transforma-se rapidamente em algo muito maior e aterrorizador. Ao mergulhar num mundo de trevas e muitas dúvidas, medo e desespero, Rodrigo receia o futuro como nunca antes o fizera.

Sobre o autor:
Bruno Franco é um escritor português de ficção policial, nascido em Setembro de 1990. Licenciado em Radioterapia, trabalha actualmente no serviço de Radioterapia do Instituto Português de Oncologia de Lisboa. Pertence, desde 2002, a uma equipa de natação de competição, que faz parte do Clube de Instrução e Recreio do Laranjeiro.


Regras do Passatempo: 
1) O passatempo decorre até às 23h59 do dia 28 de Fevereiro de 2015.
2) Todos os dados solicitados (incluindo nick de seguidor) devem ser devidamente preenchidos e completos.
3) Só serão aceites uma participação por pessoa e morada, em todo o território português (Portugal continental e ilhas).
4) O/A vencedor/a será sorteado de forma aleatória (random.org), sendo o resultado anunciado na página do blog e o contacto efectuado por e-mail.
5) O Encruzilhadas Literárias e/ou o Autor não se responsabilizam pelo extravio ou danos causados pelos CTT no exemplar enviado.


Resultados: Passatempo de Aniversário

Os nossos seguidores mais atentos não estiveram de modos e a participação neste passatempo foi fantástica. Apesar de alguns lapsos na idade do blog, nome da nossa mascote e sobre a existência do nosso consultor literário.

O Encruzilhadas está há 5 anos no activo, conta com duas encruzilhadas que andam sempre com a cabeça nos livros,  uma fantástica mascote a quem os nossos fãs votaram de chamar carinhosamente Bicaletras e um Consultor Literário que gosta de mandar opiniões para o FB e comentar sobre a aparente falta de dragões no nosso blog. 

Estes cinco anos foram fantásticos e quem sabe, com sorte e paciência, poderão vir mais cinco. Gostávamos de vos poder presentear a todos mas não é possível. Ao vencedor/a esperamos que já tenha um livro em mente!

O Mr Random juntou-se à festa e ajudou-nos a descobrir quem ficou um livro mais rico graças ao nosso Passatempo de Aniversário. Desta feita o voucher vai ter a Vila Nova de Gaia para as mãos da Filomena Sousa!

Parabéns Filomena! Agora só tens de entrar em contacto connosco e dizer-nos que livro queres até 10€ e ele é teu!

A todos os demais mantenham-se atentos às novidades e aos próximos passatempos!

Passatempo: Louca por Compras Espera Um Bebé, de Sophie Kinsella (Quinta Essência)

Temos fãs de malucas por compras por aqui? E se for apenas da Sophie Kinsella?
Com o apoio da Quinta Essência, trazemo-vos mais um fantástico passatempo para celebrar a loucura feminina sob a forma de um cartão de crédito e porque não dizer, o Carnaval! Sophie Kinsella já nos habituou com uma série de livros bem-dispostos, com sentido de humor e óptimos para descomprimir.

Para se habilitarem a ganhar este livro só terão de procurar as respostas no site da editora aqui, lerem o resumo do livro e responderem às nossas perguntas. Tem até dia 16 deste mês para participar e depois é esperarem os resultados!


Regras do Passatempo: 
1) O passatempo decorre até às 23h59 do dia 16 de Fevereiro de 2015.
2) Todos os dados solicitados (incluindo nick de seguidor) devem ser devidamente preenchidos e completos.
3) Só serão aceites uma participação por pessoa e morada, em todo o território português (Portugal continental e ilhas).
4) O/A vencedor/a será sorteado de forma aleatória (random.org), sendo o resultado anunciado na página do blog e o contacto efectuado por e-mail.
5) O Encruzilhadas Literárias e/ou a Editora não se responsabilizam pelo extravio ou danos causados pelos CTT no exemplar enviado.


 

Opinião: A Todos os Rapazes que Amei, de Jenny Han

 

A todos os Rapazes que Amei
de Jenny Han 

Edição/reimpressão: 2014
Páginas: 272
Editora: TopSeller 




 Resumo: 
«Guardo as minhas cartas numa caixa de chapéu verde-azulada que a minha mãe me trouxe de uma loja de antiguidades da Baixa. Não são cartas de amor que alguém me enviou. Não tenho dessas. São cartas que eu escrevi. Há uma por cada rapaz que amei — cinco, ao todo.
Quando escrevo, não escondo nada. Escrevo como se ele nunca a fosse ler. Porque na verdade não vai. Exponho nessa carta todos os meus pensamentos secretos, todas as observações cautelosas, tudo o que guardei dentro de mim. Quando acabo de a escrever, fecho-a, endereço-a e depois guardo-a na minha caixa de chapéu verde-azulada.
Não são cartas de amor no sentido estrito da palavra. As minhas cartas são para quando já não quero estar apaixonada. São para despedidas. Porque, depois de escrever a minha carta, já não sou consumida por esse amor devorador. Se o amor é como uma possessão, talvez as minhas cartas sejam o meu exorcismo. As minhas cartas libertam-me. Ou pelo menos era para isso que deveriam servir.»
Críticas de imprensa
«Lara Jean, a personagem principal, dá a esta história comovente um toque de originalidade e um charme muito próprio.»
Publishers Weekly

«Uma interpretação emocionante do crescimento e do amor jovem.»
Kirkus Reviews

Rating: 4/5
Opinião:"A Todos os Rapazes que Amei" fez um enorme furor por esta Internet fora quando surgiu. O título era sugestivo, a capa simpática - atrativa na sua simplicidade - e era um YA que falava de romance. Estavam portanto montadas todas as peças para que se tornasse num sucesso. Foi um livro que quis muito ler, e tive oportunidade de deitar-lhe a mão numa altura em que procurava uma leitura leve e descontraída. Lara Jean faz uma boa entrada neste livro ao não ser a típica personagem principal e ao constar no que se pode hoje chamar a iniciativa de livros pela diversidade. Com mãe de origem asiática e pai norte-americano, ficam resquícios culturais dos dois lados, colaborando para um livro mais completo e que aborda com naturalidade as aculturações e trocas existentes entre famílias constituídas por membros de vários contextos socioculturais.
É também uma menina doce, fácil de gostar, com os desafios inerentes à idade e com uma perspetiva da vida ainda um tanto imatura, por mais que seja melhor desenvolvida que a maioria de jovens da sua idade. O envolvimento com as personagens que a rodeia é delicioso e também o principal motivo pelo qual este livro é tão banal, mas fica guardado connosco e deixa um sorriso após o seu término.
Voltando à premissa, que na sinopse portuguesa pode não ser exactamente clara, Lara Jean vê a sua tradição de endereçar cartas (que nunca deverão ser recebidas) aos rapazes de quem gostou rompida pela intervenção de alguém que as envia aos destinatários. A partir daí, perante o terror de se ver exposta a todos os que rapazes de quem gostou (especialmente ao que gosta e não pode ter) e as necessidades de lidar com o quotidiano de uma irmã mais nova mais dependente de si, um pai distraído e uma irmã mais velha acabada de se mudar para a Escócia, Lara Jean acaba por enfrentar desafios inesperados e que a colocam em confronto com os seus medos, ideais e sonhos.
Com leveza e curiosidade, vemos desvendada a sua realidade familiar e escolar (sendo que este universo poderia ter sido ainda mais explorado, atendo a que ela é uma estudante de ensino secundário e vários momentos decorrem dentro do espaço escolar), mas também o universo das amizades.
Gostei especialmente da forma como se encararam as relações humanas, num livro feito para sonhar mas com um certo nível de realismo. De facto, abordam-se as noções de perdão, de descoberta, de solidão, de amizade e amor, da força dos laços fraternais e do poder de cura que um abraço pode ter. Mas também se evidencia que por vezes o que almejamos alcançar nos ultrapassa, ou até nem é certo para nós, e que exige portanto capacidade de nos reinventarmos e lidar com os problemas com frontalidade e realismo.
No fundo, as estórias paralelas, como a da sua irmã e John, também contribui para esse aspecto, demonstrando que nem sempre as relações terminam por algo terrível, e que nem tudo é preto no branco, pelo que as amizades pode perdurar para além do imaginário.
É um livro doce, com humor, muito romance, mas acima de tudo, a exaltação de relações positivas e de amizades contínuas.


 
Cláudia
Sobre a autora:
 
Maratonista de bibliotecas, a Cláudia lê nos transportes públicos enquanto observa o Mundo pelo canto do olho. Defensora da sustentabilidade e do voluntariado, é tão fácil encontrá-la envolvida num novo projeto como a tagarelar sobre tudo e mais alguma coisa. É uma sonhadora e gosta de boas histórias, procurando-as em cada experiência que vive.

Resultados Passatempo: "Vermelho como o Sangue" de Salla Simmuka

Boa noite Encruzilhad@s,

Por aqui andamos outra vez numa fase de maior agitação, pelo que o tempo para o blog mas também (e principalmente) para leituras tem sido escasso e pouco proveitoso. Ainda assim, sabemos que estamos em falta e começamos por remediar este corte através do anúncio dos resultados do passatempo "Vermelho como o Sangue" de Salla Simmuka.
Sem mais demoras, damos os nossos parabéns a:




- Fernando[...] Pereira, de Ribeirão!







 O livro seguirá para sua casa nos próximos dias! Os restantes fiquem atentos que os resultados do passatempo de aniversário sairão em breve!

Opinião: Vermelho como o Sangue, de Salla Simukka

 
Vermelho como o Sangue
de Salla Simukka 

Edição/reimpressão: 2015
Páginas: 216
Editora: Editorial Presença 




 Resumo: 
Lumikki Andersson tem 17 anos e vive sozinha num pequeno apartamento, na cidade onde frequenta uma prestigiada escola de Artes. Lumikki é solitária, independente, e gosta da liberdade. Na escola prefere dedicar-se aos estudos e ignorar os grupinhos que se vão formando. Não se meter naquilo que não lhe diz respeito é, para ela, uma regra fundamental. Mas essa regra vai ser posta à prova no dia em que encontra uma incrível quantidade de notas de quinhentos euros penduradas a secar no laboratório fotográfico da escola e que tudo indica terem estado manchadas de sangue. Em poucas horas, Lumikki, juntamente com três dos seus colegas, vê-se enredada numa sombria conspiração.

— Quem me dera ter um filho branco como a neve, vermelho como o sangue e escuro como o ébano!

Rating: 4/5
Opinião: Para não variar, gosto de mais uma capa dos livros editados pela Editorial Presença. Sendo raras as vezes em que não me apego ou lhes atribuo significado, "Vermelho como o Sangue" volta a confirmar mais uma decisão editorial acertada com o poder de atrair a atenção do leitor (sim, nós sabemos: o conteúdo não está dependente das capas, e nem julgamos um livro por razões semelhantes, mas no meio de uma livraria cheia, uma capa de cativar o olho é vencedora). Remetendo para algo sombrio mas simultaneamente sedutor, a cativação entre sinopse e atração ligeiramente obscura são predominantes. No entanto, e após terminar esta leitura, pergunto-me se não induzirá um pouco em erro quem tenha expectativas elevadas quanto ao conceito.
Certamente que já vos aconteceu em alguns casos, pelo que não será estranho afirmar que alguns livros têm o poder de nos confundir completamente. Este livro foi sem dúvida um desses casos que, durante a sua leitura e enquanto expectadora, me fizeram sentir posicionada sob diversas ópticas, tendo uma análise diferente do livro a cada momento.
Numa primeira instância remeti alguma dessa sensação para o género literário. Nunca li nada do noir nórdico, embora esteja a tentar convencer-me a enveredar por alguns (até guardei a lista que a Vera d' A Menina dos Policiais compilou em tempos para saber por onde começar nessa aventura misteriosa). Fiquei portanto curiosa come este livro que, ainda que enquadrado nessa categoria, seria certamente um registo ligeiramente mais leve, atendendo ao facto de tratar-se de um livro direccionado para o público jovem-adulto. As minhas expectativas iniciais passavam por imaginar um enredo que eventualmente apresentasse menos descrições gráficas ou pormenores macabros em destaque, mas que ainda assim abordasse os preâmbulos do perigo e do cinzento típico da paisagem invernosa dos países nórdicos. Não obstante o facto ter elementos incomuns num romance tipicamente YA, com uma presença menos emocional e mais orientada para uma composição factual, ainda que sempre impulsionada pela acção, acho que aguardava por uma presença mais acentuada de "negritude". Fala-se em contrastes, em cores, na versatilidade do branco e do vermelho, da neve e da noite, mas sem um certo impacto quanto ao crime principal. Ele existe, está lá e não é escondido, mas também não é de todo o enfoque da estória.
Ao longo de todo o livro, é possível registar a presença de pequenos elementos que atestam a nacionalidade da autora (as constantes descrições de nevões e de aspectos climáticos reforçam essa imagem, assim como alusões a pequenos elementos culturais, como figuras públicas ou bens alimentares tradicionais ou de regular consumo). No entanto, não existe uma grande interação imediata com o meio envolvente que nos diga se facto estamos no país natal de Lumikki ou noutro país qualquer. Talvez essa orientações fugas tenha sido propositada, de forma a que atenção ficasse concentrada na dinâmica resultante desde o cair da primeira peça.
Por esse motivo, a estória acabou por revelar-se ligeiramente menos densa que as minhas expectativas iniciais tinham programado, mas ainda assim com capacidade de entretenimento. De facto, existe uma rede de oferta garantida com crimes, perseguições, algum mistério e homens densos e perigosos. As teorias começaram a formar-se e aguardavam um desenvolvimento não muito demorado. Esperava-se também uma rede intrincada de mistério de difícil resolução ou que nos fizesse..enfim..temer pelas personagens! No entanto, e com a excepção da Lumikki que toma o livro todo para si, as outras personagens surgiram um pouco apagadas mesmo quando detinham a palavra nos breves acompanhamentos na primeira pessoa de personagens secundárias. Estes pontos de vista poderiam eventualmente ter sido mais explorados, até porque quando se tornavam de facto interessantes, eram meio que cortados pela autora para a linha inicial de raciocínio.
Lumikki é então o livro por inteiro, ocupando cada página, mesmo quando não está presente. Com uma estória familiar e de infância por contar, a sua posição peculiar perante o mundo e a sociedade envolvente não é despropositada de todo, e deixa a vontade de descobrir mais. Gostei que ela não fosse a típica heroína mas também não sendo um elemento totalmente contrário. Com desenvoltura e surpreendente, sabe ser intrigante e gerar reacções involuntárias, mas por vezes também transparentes que nos deixam espreitam um pouco a sua essência.
Ainda assim, a leituras primeiras 50 páginas do livro, onde Lumikki é o quase que o único elemento em evidência, passaram sem que conseguisse reter muito conteúdo. Não porque não estivesse com atenção, mas porque a estrutura está criada para que, consoante os desejos desta personagem para o mundo em seu redor, esta passasse despercebida, como se diante encontros numa rua e mesmo que perante uma observação mais atenta, a nossa capacidade de a descrever seria nula.
Com o avançar do livro, e atendendo também ao facto de o eu desejo de ser/ estar camuflada ir decrescendo consoante as circunstâncias necessárias, a personagem acabou por ir ganhando destaque, despertando curiosidade, e criando espaço e memória na minha mente. Atingindo vários estereótipos ao mesmo tempo que os quebra, com respostas mordazes mas repletas de ironia de quem tem um bom coração mas tenta escondê-lo, acompanhar as peripécias a que ela tanto quis fugir com uma pitada de humor e muito desconcerto, não foi nada difícil. Especialmente porque esta rapariga cheia de vida traz-nos uma verdadeira adolescente, com alguma crueza na forma de pensar (mas muito real no seu raciocínio),com anseios, dúvidas, medos e estórias passadas, mas também desafios, ambições e originalidade.
Por causa dela, o enredo meio esmorecido acabou por não ser assim tão importante, por muito que no entanto desejasse uma maior evidência da importância deste elemento quase que descartável.  Gostava no entanto que o Urso Polar voltasse às páginas da trilogia e que a sua introdução não fosse um mero truque de mágica.
Por fim, deixo alguns apontamentos a ter em conta atendendo ao estilo da autora e a opções de escolha editorial: por vezes surgiram diálogos em inglês sem tradução, o que para quem não souber compreender a língua é aborrecido (e ter-se-ia facilmente resolvido com uma nota de tradutor em rodapé, à semelhança de outras existentes no livro). Há que não esquecer que ainda que faça parte do programa curricular, o Inglês não é ainda perfeitamente compreendido por todos os jovens nas idades compreendidas ao que se espera que se seja o público-alvo de "Vermelho como Sangue". 
Por outro lado, desconheço qual a sonoridade do finlandês quando falado, mas do pouco que julgo conhecer, reconheço palavras de grande extensão e difícil expressão, com um significado mais ou menos complexo. Calculo que por esse motivo, e sem nunca ter aberto a edição original, tendi a acreditar que na versão original existem diversas frases curtas (especialmente ao início da obra) que por questões de sonorização e linguísticas soariam melhor dessa forma. No entanto, e ao tratar-se de facto de um motivo derivado de processos linguísticos, este perde-se na tradução. Por conseguinte, terem adoptado frases mais curtas ou com paragens um pouco momentâneas (abruptas, que me fizeram ler um pouco embalada em soluços) acabou por não resultar da melhor forma para mim. Cortaram-me a linha de raciocino algumas vezes e tornaram-se um quanto aborrecidas. 
Ainda assim, foi um livro que me surpreendeu e marcou mais do que o que esperado. Talvez se deva a uma magia muito própria, sem dúvida, pelo que o meu seguro 3 de rating transformou-se depressa num 4 mal encerrei o livro. Pela sua originalidade, pela surpresa de que um livro meio apagado nos cenários transversais pode causas e porque, no fim de contas, me fez contente"

   «Estas e outras novidades no site da Editorial Presença aqui»





 
Cláudia
Sobre a autora:
 
Maratonista de bibliotecas, a Cláudia lê nos transportes públicos enquanto observa o Mundo pelo canto do olho. Defensora da sustentabilidade e do voluntariado, é tão fácil encontrá-la envolvida num novo projeto como a tagarelar sobre tudo e mais alguma coisa. É uma sonhadora e gosta de boas histórias, procurando-as em cada experiência que vive.