Resultado do Passatempo: Doce Tortura, de Rebecca James

Olá malta encruzilhada! Esta procura de resultados foi difícil mas finalmente conseguimos achar uma vencedora que de facto quer o livro! Doce Tortura, de Rebecca James foi lançado em Portugal pelo grupo Penguin Random House Portugal, através da chancela Suma de Letras. 

Com o seu apoio, iremos enviar um exemplar para Braga! Parabéns Sónia Faria.

Para os restantes, estejam atentos aos próximos passatempos que nunca se sabe quando é que a sorte bate à porta :D

Opinião: Os Muitos Nomes do Amor, de Dorothy Koomson



Os Muitos Nomes do Amor

de Dorothy Koomson

Edição/reimpressão: 2015
Páginas: 472
Editor: Porto Editora



Resumo:  
Clemency Smittson foi adotada em bebé, e a única ligação à mãe biológica é um berço de cartão com borboletas pintadas à mão. Agora adulta, e em constante conflito com sentimentos de perda e rejeição, decide mudar drasticamente de vida e voltar a Brighton, a cidade onde nasceu.
Mas Clem não sonha que é lá que vai encontrar alguém que sabe tudo sobre a sua caixa das borboletas e a verdadeira história dos seus pais biológicos.
E quando percebe que nem tudo é o que parece, e que talvez tenha sido injusta com aqueles que mais a amam, haverá tempo para recuperar o que foi perdido?

  
Rating: 4/5
Comentário: Dorothy Koomson já nos habituou repetidas vezes com enredos ricos no universo feminino. Mas apesar de contemplar sempre mulheres como personagens principais, a autora não se restringe a uma análise banal e atribui-lhes histórias ricas, complexas e cheias do mínimo detalhe, criando uma composição única e que de banal não tem nada.
De volta ao Reino Unido, desta vez pela mão de Clemency, a autora aborda no novo livro todas as constantes e contrastes do amor nas suas variadas vertentes, desde o respeito pelo próximo e a dor da perda, passando pelos laços da amizade, pela cumplicidade de anos de encontros e partilhas, pelo abdicar de decisões de benefício próprio em prol do outro.
De todos os livros da autora que já li, julgo que "Os Muitos Nomes do Amor" tem um cunho mais introspectivo e de espelho reflectivo para o leitor. De facto, e fugindo aos clichés habituais, Dorothy Koomson explora neste livro as relações humanas em todos os seus níveis trazendo surpresas e fazendo-nos reflectir não só sobre se tomaríamos o mesmo tipo de decisões que Clemency leva em diante em alguns momentos-chave, mas também sobre todas as pessoas da nossa vida que de alguma forma se poderiam associar por características comportamentais a algumas das personagens apresentadas. 
Senti também tratar-se de um livro muito mais íntimo, de análise das repercussões das decisões tomadas em momentos de necessidade, mas com uma abordagem delicada e muito humana. 
Clemency é uma mulher de quarenta anos assombrada pelo sabor da rejeição, nunca ultrapassado nem pela adopção numa família maioritariamente acolhedora nem pela aproximação dos que de lhe têm respeito e carinho. Algumas decisões menos ortodoxas de quem a rodeia, os olhares enviesados por parte de estranhos perante a apresentação da sua filiação, assim como a abordagem indelicada perante o assunto da adopção tornaram-na num patinho deslocado, esperando (pelo menos interiormente) que ou se esqueçam da sua presença ou que o processo de transformação num cisne ocorra depressa. 
Apesar de nem sempre matura ou com comportamentos ditos adequados para a sua idade, Clemency representa ao longo das várias páginas todas as avaliações menos delicadas que lhe fizeram ao longo dos anos, assegurando que por vezes, pequenos momentos têm repercussões imensas e variadas na definição do carácter de cada um. 
Achei bastante interessante a relação que a personagem tinha com a mãe (que sendo única e especial, representava também a necessidade extenuante de corresponder a expectativas, de saber lidar com um amor muito pessoal e por vezes possessivo - especialmente devido ao medo da perda - mas que em última instância expressava sacrifico e falhas de comunicação), que variadas vezes representou a relação entre várias mães e filhas representadas em muitas páginas de livros e ecrans de cinema, sendo certamente fundamentadas por momentos pitorescos da vida real.
A relação com o marido também foi digna de nota, especialmente por ter seguido um percurso diferente do habitualmente definido pela autora nos livros dela, mas também por abordar com um tacto especial o deslevo da mentira ou da traição, que nem sempre é o que parece, mesmo não deixando de o ser. 
Senti que o encontro com a família biológica foi muito inicial e abrupto, sem existir ainda uma condução real para o desenlace, que mas esse atropelo temporal foi propositado, de forma a que a cada página fosse lançado um novo pedaço de uma construção para o climax de uma emancipação planeada, desejada e necessária para o transformar do enredo. 
A um outro nível, em vários momentos do livro são introduzidos alguns emails, sempre do mesmo remetente para o mesmo receptor, que ainda que querendo introduzir outro ponto de vista no enredo, não me forneceram assim tantos detalhes que não pudessem ter seguido o percurso do restante livro. Apesar de não os achar particularmente inúteis, o facto de ser um contacto unilateral, mesmo quando nos apercebemos que existe um certo tipo de resposta da voz ausente, acaba por não fazer muito sentido na minha opinião, quebrando até por vezes o ritmo da história. 
Tirando esse pormenor, é mais um livro cheio, repleto de maneirismos típicos da autora que já marcam o seu registo, mas ainda assim como condão que incutir alguma originalidade na narrativa. 
Em última instância, "Os Muitos Nomes do Amor" é um livro de redenção, em que os afectos falam mesmo mais alto, mesmo quando não compreendidos, quando explorados por alguém indevido ou quando na sua posse, não existe domínio próprio que indique o que fazer com eles. Desde o mesmo da dádiva, à exploração do desconhecido e à compaixão pelo próximo, Dorothy Koomson traz-nos todas as cores do perdão, da redenção, do amor desmedido e da força dos laços, que familiares ou não, biológicos ou não, definem os próximos passos da vida de cada um de nós.

Cláudia
Sobre a autora:
 
Maratonista de bibliotecas, a Cláudia lê nos transportes públicos enquanto observa o Mundo pelo canto do olho. Defensora da sustentabilidade e do voluntariado, é tão fácil encontrá-la envolvida num novo projecto como a tagarelar sobre tudo e mais alguma coisa. É uma sonhadora e gosta de boas histórias, procurando-as em cada experiência que vive.