Opinião: A Livraria dos Finais Felizes, de Katarina Bivald



A Livraria dos Finais Felizes,               de Katarina Bivald

Edição/reimpressão: 2016
Páginas: 528
Editor: Suma de Letras
  





Resumo: Se a vida fosse um romance, o da Sara certamente não seria um livro de aventuras. Em vinte e oito anos nunca saiu da Suécia e nenhum encontro do destino desarrumou a sua existência. Tímida e insegura, só se sente à vontade na companhia de um bom livro e os seus melhores amigos são as personagens criadas pela imaginação dos escritores, que a fazem viver sonhos, viagens e paixões. Mas tudo muda no dia em que recebe uma carta de uma pequena cidade perdida no meio do Iowa e com um nome estranho: Broken Wheel. A remetente é uma tal Amy, uma americana de 65 anos que lhe envia um livro. E assim começa entre as duas uma correspondência afetuosa e sincera. Depois de uma intensa troca de cartas e livros, Sara consegue juntar o dinheiro para atravessar o oceano e encontrar a sua querida amiga. No entanto, Amy não está à sua espera, o seu final, infelizmente, veio mais cedo do que o esperado. E enquanto os excêntricos habitantes, de quem Amy tanto lhe tinha falado, tomam conta da assustada turista (a primeira na história de Broken Wheel), Sara decide retribuir a bondade iniciando-os no prazer da leitura. Porque rapidamente percebe que Broken Wheel precisa de um pouco de aventura, uma dose de auto-ajuda e, talvez, um pouco de romance. Em suma, esta é uma cidade que precisa de uma livraria. E Sara, que sempre preferiu os livros às pessoas, naquela aldeia de poucas gente, mas de grande coração, encontrará amizade, amor e emoções para viver. E finalmente será a verdadeira protagonista da sua vida.




Rating: 3/5

Comentário: Este livro deixou-me curiosa. A capa era engraçada, a sinopse prometia uma narrativa divertida, sobre livros e pessoas, e a descoberta do mundo através das páginas e além delas.
Pareceu-me uma óptima leitura de verão e para desanuviar a cabeça de stresses e preocupações.
De todas as opiniões que li sobre ele, após término da leitura, há algo que é comum a todas: o facto de que existe uma espécie de divisória narrativa, que cria duas abordagens diferencias ao enredo.
Sarah é a condutora de ambas e permite definir uma imagem mais complementar sobre si, ainda que para isso se descure dos restantes em algumas situações que mereciam um detalhe mais atento. Mesmo que tratando-se de um livro para enternecer, a partir do momento em que se colocam elementos correspondentes a narrativas secundárias com alguma necessidade de profundidade, deixá-las ao abandono não é de todo uma boa solução.
A primeira parte do livro centra-se nesta estranha amizade interrompida, entre Sarah e Amy, cujas cartas colocadas no início de capítulo deram uma nuance muito pessoal e aconchegante, Quem nunca, enquanto leitor, vibrou com a possibilidade de discutir e sugerir livros, mesmo que com alguém que só conhecemos à distância? É esse o ponto de partida de uma deliciosa aventura, à qual Sarah se propõe não sem hesitar e com receio.
Embora perceba a construção da narrativa em volta desta personagem ao início, assim como o seu isolamento e refúgio algo exacerbado nos livros, confesso que em parte me irritou, porque me senti por vezes mais na presença de uma caricatura do que é um leitor do que o resto. Tudo o que é demais enjoa, assim também se aprende ao longo destas páginas, mas para alguém que adora livros como eu (ou não tivesse criado um blogue literário), a ideia de que eles dominem completamente a nossa vida, em que percamos a nossa identidade em detrimento de personagens e  aventuras, parece-me exagerado e pouco saudável. E até certas situações, que eu como leitura também vivo, apresentadas pelos olhos completamente (vidrados e) literários da Sarah me pareceram ridículos. Mais uma vez, não se trata da análise de amor e paixão por um hobby, mas que esse amor e paixão nos torne num ser uni dimensional.
Depois, esse amor por livros leva-a muitas vezes a fazer referências a outros - muitos clássicos - mas revelando-nos o enredo, e acabando por estragar a leitura a muitas pessoas que ainda não os leram. O facto de estarem publicados há dezenas ou centenas de anos não justifica ainda assim a enxurrada de spoilers por si trazidos.
Em continuidade, a segunda parte da narrativa revelou-se para mim mais interessante. Em primeiro lugar, porque finalmente temos acesso privilegiado a uma série de personagens secundárias diferentes que contribuem para a caricatura local e tornam o livro extremamente bem-disposto e divertido. Em segundo, porque ocorrem maiores interacções entre personagens, e porque vemos uma cidade florescer aos olhos de uma narrativa cómica e bem-disposta, onde tudo não é o que parece, mas que no seu conjunto folclórico, irrealista e até por vezes disparatado, vemos surgir um conjunto de pequenas histórias que se interligam mais ou menos, mas que demonstram que naquela cidadezinha decrepita, ignorada pelos seus pares, existem abelhinhas solitárias que divagam sobre sonhos e futuros, e que reafirmam que ainda que com um ar meio abandonado, Broken Wheel não está assim tão danificada que não fervilhe de vida, mesmo que seja sob a superfície.
Claro que o romance que se lhe juntou foi rápido, incoerente e irrealista, mas também não tenta ser outra coisa e sendo esse o objectivo deste livro, está extremamente bem conseguido, No fundo, é o famoso filme de domingo à tarde em versão literária, que contribui para colocar um sorriso no rosto e para fugir de uma realidade por vezes pouco luminosa.
Para finalizar, há que regressar à temática dos livros, uma vez que Katarina Bivald volta a uma teoria que acho mais do que interessante, uma das que apoio com certeza: o facto de que nem todos têm de gostar de ler, mas que muitos não gostam porque não acharam o seu nicho literário ainda. E que esse nicho não tem género ou idade, desde que nos satisfaça a curiosidade e desperte prazer. Foi portanto especial ver vários elementos da comunidade a descobrirem os seus livros, os seus géneros, e a quebrar barreiras e preconceitos sobre o que é que devemos ou não ler. Em última instância, um livro sobre livros nunca poderia ser mau!



Cláudia
Sobre a autora:
 
Maratonista de bibliotecas, a Cláudia lê nos transportes públicos enquanto observa o Mundo pelo canto do olho. Defensora da sustentabilidade e do voluntariado, é tão fácil encontrá-la envolvida num novo projeto como a tagarelar sobre tudo e mais alguma coisa. É uma sonhadora e gosta de boas histórias, procurando-as em cada experiência que vive.

1 leitores reagiram:

  1. Olá Cláudia,
    Tenho uma estranha mania de ler livros sobre livros. E desde que este livro saiu que gostava de o ler.
    Parece ser giro.
    Beijinhos e boas leituras

    ResponderEliminar