Opinião: Os Inovadores, de Walter Isaacson



Os Inovadores, de Walter Isaacson

Edição/reimpressão: 2016
Páginas: 616
Editor: Porto Editora







Resumo: Quais as capacidades que permitiram a certos inventores e empreendedores transformar as suas ideias visionárias em realidade? O que provocou os seus saltos criativos? Por que razão alguns foram bem-sucedidos e outros fracassaram? Em Os Inovadores, Walter Isaacson dá resposta a estas questões, oferecendo-nos a mais completa história da revolução digital, uma narrativa fascinante acerca daqueles que criaram o computador e a Internet. Numa escrita empolgante e ágil, Isaacson organiza um roteiro minucioso que começa com Ada Lovelace, filha de Lord Byron e pioneira da programação na década de 1840, passa pela fundação do mítico Silicon Valley e segue até aos nossos dias, com Steve Jobs ou Bill Gates.

Explorando mais as personalidades desconcertantes destes génios do que as suas invenções, Os Inovadores é o guia indispensável para o modo como nasce a inovação e para se compreender o mundo digital que é hoje o nosso.

Rating: 4/5

Comentário: Para alguém nascido na década de 90, alguns registos evolucionários não me passaram despercebidos ao longo da adolescência. Resta lembrar as disquetes, os walkmans ou uma televisão com poucos canais para gravar a diferença. E acetatos! Há jovens que já nem saberão o que são e eu ainda passei pelo processo de preparar alguns para apresentações no secundário.
Estes pequenos registos que diferenciam em grande parte muitas das vivências tidas nos últimos 15 anos justificam o cenário rápido, acelerado, inconstante e constantemente mutável que representa a nossa sociedade contemporânea na qual a dita Revolução Digital tem a maior preponderância.
E foi esse o pretexto para mergulhar nesta colectânia de história científica trazida por Walter Isaacson. 
Trazendo-nos um apanhado dos séculos XIX e XX, o autor consegue reproduzir um conjunto de informação que contextualiza e enquadra cada pequeno momento de evolução científica, com as explicações devidas sobre o seu funcionamento e consequências para  processo evolutivo que conduziu à Revolução Digital, mas também com um notável detalhe para os apontamentos biográficos e para a análise multidisciplinar e complementar entre os vários momentos da História.
Desde a concepção e sonho de construção de máquinas automatizadas que conduziram aos primeiros computadores e às máquinas de calcular, ao movimento hacker (com uma conotação bem mais simpática e abrangente do que a comumente conhecida) e à importância dos contextos sociais e históricos, assim como políticos que despoletaram o aparecimento de vários momentos propensos à inovação, este livro acaba por ser uma colecção de momentos para leigos e curiosos que se  procuram informar sobre este segmento de transformação social e tecnológica que continuamos a atravessar.
As apropriações históricas não saem descontextualizadas e servem como bónus aos apontamentos de reflexão sobre a definição do que serão as mentes inovadoras e quais os seus modos de procedimento. É quase que uma abordagem sobre a tipologia de cultural laboral propensa ao aparecimento do espírito livre para criação e da cooperação colaborativa.
Julgo que a leitura deste volume poderá ser realizada segundo duas vertentes, uma mais ligeira e de entretenhimento puro e outra direcionada para o prazer das instrução. O meu processo acabou por pender pelos dois movimentos, pelo que acabou por ser um livro que vim a deliciar aos poucos, especialmente nos capítulos iniciais onde a inserção de conceitos de engenharia, química e eletromecânica, ainda que bem explicados, me exigiram algum tempo de assimilação por querer de facto compreendê-los (e que acabaram por me suscitar momentos de pesquisa extra) para acompanhar com maior presença todo o processo evolutivo.
Enquanto contexto histórico, gostei de acompanhar e conhecer alguns momentos cuja segmentação me era desconhecida. Ressalvo a formação da estrutura de transformação económica e tecnológica de Silicon Valley, o processo de construção colaborativa da rede que esteve por base da Internet, ou a importância dos movimentos anti governamentais e pacifistas (acompanhados do LSD) que tornaram propenso o aparecimento do computador pessoal tal como o conhecemos hoje. E ainda, porque não referir, o papel fundamental que as mulheres representaram no aparecimento e evolução do software, tido como de menor importância em tempos idos (e que injustiças se cometeram perante alguns nomes sonantes nestas áreas).
Quanto aos momentos biográficos, julgo que quase todos tiveram um factor comum, especialmente ao nível de escolaridade dos progenitores destes revolucionários digitais, mas também de uma série de factores de personalidade comuns que relembram e emancipam o leitor para o mote mais simples para dar origem a um momento evolutivo, seja qual for: nunca parar, e acreditar que o impossível é concretizável.
A um nível mais pessoal, uma vez que a maioria dos nomes dos intervenientes me eram desconhecidos, acabei por tirar um prazer maior na leitura sobre aqueles que não me eram estranhos e através dos quais pude ver revelados mais aspectos sobre si que até então me eram estranhos. Julgo que de todos, o que mais me surpreendeu foi o Bill Gates, provavelmente por nunca me ter debruçado ou interessado pela personalidade para além do que é geralmente conhecido sobre o empresário.  Não obstante, todos os outros me trouxeram vários apontamentos biográficos que os tornaram menos nomes e mais pessoas aos olhos analíticos da História.
Há ainda que referir que o livro, ainda que bem segmentado por "processos evolutivos", atendendo ao que estava em análise em cada capítulo, se preocupa em criar pontes de uns para outros, de modo a que o leitor subentenda que embora explicador segundo um padrão evolutivo, muitos destes passos foram dados em simultâneo, com o cruzamento dos diversos intervenientes em diversas "realidades".
É sem dúvida um livro abrangente, completo para o que se propõe e com uma atenção ao detalhe (vista também pelo cuidado em evidenciar quais as fontes utilizadas para suportar várias afirmações e constatações) que se esforça por acompanhar todas as esferas do processo evolutivo da revolução industrial, sem esquecer a cronologia história e a sua contextualização social, que retiram estes processos do vazio e os inserem em momentos conclusivos e de real proporção.
Uma a não perder!
                                          

Cláudia
Sobre a autora:
 
Maratonista de bibliotecas, a Cláudia lê nos transportes públicos enquanto observa o Mundo pelo canto do olho. Defensora da sustentabilidade e do voluntariado, é tão fácil encontrá-la envolvida num novo projeto como a tagarelar sobre tudo e mais alguma coisa. É uma sonhadora e gosta de boas histórias, procurando-as em cada experiência que vive.

0 leitores reagiram:

Que pensam Encruzilhad@s?