Opinião: Imaculada, de Paula Lobato Faria



Imaculada
de Paula Lobato Faria
 
Edição/reimpressão: 2017
Páginas: 312
Editor: Clube do Autor
  



Sinopse: 
Esta é uma história inspirada em acontecimentos reais em que a dualidade de ser e de parecer, da lealdade e da traição, do amor e da obrigação nos leva a caminhos imprevisíveis.

Portugal, 1956
Tempo da ditadura de Salazar, da censura e da PIDE. Numa família da alta burguesia, no interior do país, o lema "Deus, Pátria e Família" é sagrado. Mas a vida estremece quando na casa dos Correia bate à porta o amor e o desejo de liberdade.

«Apenas um por cento é baseado em memórias e todo o resto na imaginação, mas muitos leitores vão aqui identificar pessoas que conheceram durante a vida, pois os personagens desta trama são gente comum, de carne e osso», avança a autora nas primeiras páginas do romance.
Booktrailer:  https://www.facebook.com/clubedoautor/videos/1359235020779654/

Rating: 3,5/5
Comentário: Parece algo improvável para uma geração que nasceu depois do período do Estado Novo, por muito que este lhe seja descrito, a constatação da ignorância feminina, crescida e educada para existir somente numa bolha de moralidade e bons costumes. No entanto, a vivência pessoal com uma mãe educada pelos avós, cuja correspondência de costumes não se afastam muito dos rectratados aqui neste livro, fez com que a aproximação da ficção à realidade fosse bastante persuasiva.
Cristiana é sem dúvida uma jovem mulher, rodeada das expectativas da família, da sociedade, e de uma vivência já determinada antes dela poder expressar intenções e/ou sentimentos. É também o confronto entre os seus desejos mais íntimos e as possibilidades que lhe são negadas, o retracto de época em meio rural e portanto ainda mais fechado que os locais cosmopolitas, que torna este livro uma leitura de análise e interesse sobre um período da nossa História tão recente, e que ainda assim já há quem o faça por esquecer.
Esse foi sem dúvida o aspecto que mais me atraiu neste livro. A apresentação dos valores sociais e pessoais mediante variados momentos e situações, nas nuances e testemunhos entrelaçados que, ainda que não preponderantes, não deixam de estar presentes para um olhar mais atento. São um ponto forte, uma crítica velada, mas acima de tudo uma análise clara de um momento da nossa vivência enquanto portugueses.
É inevitável não ver a cultura de elevação ao elemento masculino, onde mães, noivas e mulheres em geral consideram os homens que as rodeiam como seres de plenitude, fechando os olhos a falhas e a pecados. Elas, que muitas vezes são as primeiras a apontarem defeitos a si e a outras, num julgamento constante pela elevação moral.
O estilhaçar da moldura perfeita foi conseguido de uma forma delicada mas acutilante, batendo nas articulações certas e revelando ponto a ponto as fragilidades de uma construção societal corrompida por um sistema político, por uma energia de controlo entre pares, e uma presença acérrima dos valores católicos.
Quanto ao romance em si, a Cristiana não é de facto  uma personagem fácil de encarar, mesmo que entendendo a proveniencia da sua ingenuidade. Mas é sentida a sua compreensão do mundo e o abrir de amplitudes que lhe chega com o avançar da trama.
 Quanto ao galã, surge como o sedutor acalorado, com uma preserverança e constituição indutora de novos pensamentos, mais modernos, democráticos, vanguardistas e justos; ao fim ao cabo, a chave de Cristinana para um mundo novo. A exploração do romance ter-me-ia sido mais interessante se o casal não tivesse tido um encantamento quase que platónico e instantãneo (ou não fosse eu pouco crédula nestes ditames do amor) e todo o seu diálogo demasiado romantizado e irrealista para mim. Julgo que tivessem eles travado conhecimento mais prolongado, ou pudessemos ter assistido a mais momentos de convivência que este romance poderia ter sido mais estruturado.
Por fim, não sei se esta era ou não a intenção da autora, mas o fim deixa indícios de que poderá existir uma continuação, e a ser verdade, estou bastante curiosa para saber o desfecho destas personagens, numa sociedade pós-25 de Abril, e com novos desafios e exigências.
Apesar dessa situação, gostei bastante do enredo, vi-me envolvida até à última página e terminei-o em dois dias. Fica a sugestão para uma leitura de verão.

 
Cláudia
Sobre a autora:
 
Maratonista de bibliotecas, a Cláudia lê nos transportes públicos enquanto observa o Mundo pelo canto do olho. Defensora da sustentabilidade e do voluntariado, é tão fácil encontrá-la envolvida num novo projeto como a tagarelar sobre tudo e mais alguma coisa. É uma sonhadora e gosta de boas histórias, procurando-as em cada experiência que vive.

0 leitores reagiram:

Que pensam Encruzilhad@s?