Opinião: O Professor de Quéops, de Albert Salvadó



O Professor de Quéops
de 
 
Edição/reimpressão: 2003
Páginas: 203
Editor: Terramar
  





Sinopse: 
Eis uma história da época do faraó Sneferu e da rainha Heteferes, pais do futuro faraó Quéops (ou Khufu), que mandará construir a mais impressionante das pirâmides do Egipto. Mas trata-se também da história de Sedum, escravo que se tornará professor de Quéops. Ora foi precisamente com esta obra que Albert Salvadó - agora revelado ao público português - venceu o II Prémio Néstor Luján de Romance Histórico, em 1998.
Albert Salvadó demonstra ser senhor de uma notável capacidade efabuladora, sem nunca perder de vista a consistência de uma sólida infra-estrutura histórica. E, no entanto, este seu romance põe a nu toda uma trama narrativa, engenhosamente arquitectada, em que se sucedem os episódios dominados pela intriga e a conspiração, pelo amor e a paixão, pelo mistério e a aventura, e também pelo assassínio.

Rating: 3/5
Comentário: Albert Salvadó foi o único autor de Andorra que encontrei traduzido para o projecto "World Book Tour" e foi portanto a minha escolha para o mês de Maio.
Das várias escolhas disponíveis, optei por ler um livro ligeiro e pequenino, até porque foi um mês de mudanças a nível pessoal, e com pouco tempo para enveredar em leituras mais complicadas.
A expectativa cumpriu-se e o autor manteve um estilo ligeiro e corriqueiro numa história contada em jeito de conto e com bastante fluidez assim como rapidez narrativa. A sensação geral coincidiu mesmo com essa nuance, e não pude deixar de ler esta história com um enredo com um estilo narrativo semelhante ao aplicado quando contamos histórias a crianças. Ao longo das páginas vamos acompanhando a vida de Sedum, desde o seu nascimento até à sua morte, com vários saltos temporais e pouca profundidade e envolvimento emocional. Este personagem passará por várias etapas e desafios na sua vida, mediante o contacto que estabelece com diversas pessoas, algumas representando obstáculos à sua sobrevivência pacifica e bem intencionada, tão por si almejada. É uma típica história de triunfo da inteligência e bondade sobre a astúcia e ganância, com uma passagem de moral mais ou menos intencionada e transmitida tal e qual num cenário de fábula, com um herói sofredor e vitimizado pelo acaso, cuja sorte varia consoante as pessoas com que se cruza.
Naturalmente, passando-se no Antigo Egipto, não deixamos de ter contextualização social e comportamental que facilita a compreensão da realidade das personagens e o seguimento das suas histórias. Ainda assim, passam quase que despercebidas, de tal forma que retirando pequenos elementos, esta mesma história quase que poderia ter-se passado em qualquer contexto histórico.
Não será certamente um livro que me ficará na memória, mas não posso deixar de dizer que me diverti a lê-lo, nem que seja como elemento de descompressão (especialmente porque o comecei e terminei numa tarde em que estava extremamente cansada e a necessitar de desligar o cérebro da realidade por umas horas).

Sobre o autor: "Albert Salvadó (Andorra-a-Velha, 1 de fevereiro de 1951) é um escritor andorrano. Estudou engenharia industrial e escreveu contos infantis, ensaios e novelas.
Destaque para suas novelas históricas, onde mistura realidade, ficção e mistério. Suas obras foram publicadas em vários idiomas (catalão, castelhano, francês, português, grego, tcheco e outros) e ganhou numerosos prêmios. Entre eles: Prêmio Carlemany, Prêmio Fiter i Rossel do Círculo das Artes e das Letras, duas vezes o Prêmio Néstor Luján de novela histórica.", in Wikipedia

 
Cláudia
Sobre a autora:
 
Maratonista de bibliotecas, a Cláudia lê nos transportes públicos enquanto observa o Mundo pelo canto do olho. Defensora da sustentabilidade e do voluntariado, é tão fácil encontrá-la envolvida num novo projeto como a tagarelar sobre tudo e mais alguma coisa. É uma sonhadora e gosta de boas histórias, procurando-as em cada experiência que vive.

0 leitores reagiram:

Que pensam Encruzilhad@s?