segunda-feira, 31 de dezembro de 2018

Opinião: Krabat, O Moinho do Feiticeiro, de Otfried Preußler



 
Krabat, O Moinho do Feiticeiro
Otfried Preußler
 
Edição/reimpressão: 2018
Páginas: 256
Editor: Sextante





Sinopse: 
Um romance clássico da literatura de língua alemã, Krabat – O Moinho do Feiticeiro tem como pano de fundo histórico a Grande Guerra do Norte – travada entre potências que, no primeiro quartel do século XVIII, disputavam entre si a hegemonia no centro-leste da Europa.

Otfried Preussler conta-nos a história do aprendiz de moleiro Krabat e da sua luta para libertar a azenha da maldição do Mestre-moleiro. Rituais de magia negra e de liturgia cristã, sonho e realidade, amizade e ódio coexistem no mesmo espaço da narrativa, criando uma complexa teia de mistérios por desvendar e de perigos sempre à espreita.

Rating: 3/5
Comentário: Nada como o início do ano para escrever este livro, até porque a ideia da renovação e a mística do ritual de término da transladação da Terra está sempre presente.
Otfried Preußler escreveu "O Moinho do Feiticeiro" em 1971 e o romance juvenil tornou-se um clássico na literatura alemã, tendo sido distinguido com prémios como o Prémio de Literatura Juvenil Alemã (1972) e o Prémio Europeu do Livro Juvenil da Universidade de Pádua (1973). Para além de ter sido traduzido em 37 línguas, existe há uma adaptação ao cinema que, ou passou somente nos circuitos de língua alemã, ou passou-me despercebida porque tinha um total desconhecimento sobre esta história.
O que me atraiu para a sua leitura, para além de um olhar complacente e simultaneamente incisivo sobre um contexto histórico para uma parte da Europa raramente abordada na literatura vendida em Portugal, foi o facto de apresentar um enredo que apelava à magia negra e à simbologia inerente. Magia essa que não segue os preâmbulos criados pela saga do Harry Potter uns anos mais tarde, mas que se agarra às raízes da bizarria e do misticismo do oculto, que poderia não ser vista como indicada para jovens. Não fosse esta uma narrativa construída por camadas, e com várias interpretações à lus da dimensão analisada.
Numa constante dicotomia entre luz e escuridão, paz e guerra, conhecimento e ignorância, o autor traz-nos uma narrativa assente em metáforas e alegorismos, simbologia diversa e introdução de arreigos morais que criam um paralelismo constante entre duas forças que conduzem a narrativa.
Krabat, enquanto rapaz inocente, defronta-se com a argúcia e inteligência do Mestre-moleiro, cuja sagacidade o torna o senhor e capataz não só do Moinho, como da vida de 13 rapazes que compõem a sua força de trabalho. As imagens da brancura da farinha resultante do trabalho desenvolvido no negrume, a compleição dos rituais de compromisso em noite de liturgia sagrada, o reforço do conhecimento enquanto verdadeiro poder sobre a força bruta, são algumas das variantes em análise trazidas pelo autor. Mas são também mecanismos de apoio narrativo, que contam uma história bem mais leve e simples, se vista somente pela óptica narrativa - clara e fácil de entender pelo leitor juvenil.
São estas subtilezas inerentes à trama principal, também com laivos de contexto histórico e fundamentos das histórias tradicionais e populares germânicas, que tornam "O Moinho do Feiticeiro" um enredo mais denso do que inicialmente esperado, mas levado a cabo com mestria e afinamento modular, onde cada ritual de passagem (desde o mundo dos sonhos mudança de um ano para o outro) incute uma peça da trama que merece ser analisada individualmente.
Não obstante, Otfried apresenta uma narrativa corrente e facilmente lida pelos jovens, com os fundamentos certos para criar uma narrativa envolvente, mas também um enquadramento místico que transpira mistério e capacidade de superação e renovação.


Cláudia
Sobre a autora:
 
Maratonista de bibliotecas, a Cláudia lê nos transportes públicos enquanto observa o Mundo pelo canto do olho. Defensora da sustentabilidade e do voluntariado, é tão fácil encontrá-la envolvida num novo projeto como a tagarelar sobre tudo e mais alguma coisa. É uma sonhadora e gosta de boas histórias, procurando-as em cada experiência que vive.