Divergent, Veronica Roth

Divergent
de Veronica Roth

Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 352
Editor: Porto Editora

Resumo:
Na Chicago distópica de Beatrice Prior, a sociedade está dividida em cinco fações, cada uma delas destinada a cultivar uma virtude específica: Cândidos (a sinceridade), Abnegados (o altruísmo), Intrépidos (a coragem), Cordiais (a amizade) e Eruditos (a inteligência). Numa cerimónia anual, todos os jovens de 16 anos devem decidir a fação a que irão pertencer para o resto das suas vidas. Para Beatrice, a escolha é entre ficar com a sua família... e ser quem realmente é. A sua decisão irá surpreender todos, inclusive a própria jovem.
Durante o competitivo processo de iniciação que se segue, Beatrice decide mudar o nome para Tris e procura descobrir quem são os seus verdadeiros amigos, ao mesmo tempo que se enamora por um rapaz misterioso, que umas vezes a fascina e outras a enfurece. No entanto, Tris também tem um segredo, que nunca contou a ninguém porque poderia colocar a sua vida em perigo. Quando descobre um conflito que ameaça devastar a aparentemente perfeita sociedade em que vive, percebe que o seu segredo pode ser a chave para salvar aqueles que ama... ou acabar por destruí-la.

Rating: 4/5 estrelas

Opinião:
O Divergente chamou a minha atenção pela capa! Eu sei que não devemos julgar um livro pela capa mas olhem para a capa deste! É um mimo! Devo confessar que além da capa, o Divergente foi votado como o segundo livro mais famoso no Goodreads em 2011, se a capa não fosse o suficiente, isso sem dúvida que captou a minha atenção.
Após ter lido alguns livros passados em sociedades pós apocalípticas (p.e. O Pacto, União, Delirium, Os Jogos da Fome) confesso que estava um pouco reticente do que ia encontrar. O livro União ficou um pouco aquém daquilo que eu esperava e tinha bastante medo que Divergete acabasse por se revelar uma experiência semelhante.
Felizmente Divergente foi de encontro a tudo aquilo que eu esperava. A história é cativante e Tris é uma personagem com a qual é fácil uma pessoa identificar-se e mais, uma personagem que conseguimos perceber. Sei que o facto do livro ser contado na primeira pessoa ajuda a que percebamos as acções de Tris mas nem sempre é assim tão fácil. Lembro-me que n'Os Jogos da Fome, Katniss tem uma fluidez mental difícil de acompanhar no segundo e terceiro livro. Não só pelo que ela viu e viveu mas também por causa da maneira como foi criada.
Tris tem a sorte de ter ambos os pais apesar de não concordar muitas vezes com o que eles fazem ou dizem, ou até mesmo de se sentir distante deles, ela sabe que eles estão lá. Ela tem também um irmão, Caleb, que apesar de também não a perceber a 100% está lá para ela. Tudo isto aliado ao facto de Tris ter tempo para pensar, visto estar segura a nível de alimentação e habitação, ajuda a que os pensamentos dela sejam coerentes e coesos. Uma pessoa não só percebe o que ela está a fazer, como o porquê dela o estar a fazer.
Divergente surpreendeu-me pela positiva, pela facilidade com a qual nos agarramos às personagens. Os adolescentes estão bem descritos e a sociedade em si é conflituosa e pacifica relembrando um pouco a nossa. Como Tris, há mais personagens que estão a passar pelo que ela está pela primeira vez, isso deixa-nos ver diferentes perspectivas de uma mesma realidade.
A história é rápida e evolvente. As simulações deixam-nos a pensar no que nós veríamos e a pergunta inicial persegue-nos o livro todo. Quando uma decisão pode afectar a nossa vida para sempre não há respostas fáceis. Entre ficar com a nossa família ou deixá-los para trás para sempre para podermos abraçar quem verdadeiramente somos, o que escolher?
Sem dúvida um livro a não perder! Com o selo de aprovação e recomendação do Encruzilhadas!

  • Divergente vai ser editado em Portugal pela Porto Editora a 10 de Maio de 2012. (Podem ler o primeiro capítulo aqui, cortesia da editora!)
  • Sairá, em inglês, a 1 de Maio de 2012, a sequela chamada Insurgent.
  • Recomendado para os fãs d'Os Jogos da Fome.
     

0 leitores reagiram:

Que pensam Encruzilhad@s?