Ler ou não ler e-books, eis a questão!

Aqui no Encruzilhadas já nos rendemos um pouco à evidência de que os e-books parecem ter vindo para ficar. Apesar de sermos raparigas à moda antiga que gostam de pegar num bom livro, sentir-lhe o cheiro e virar-lhe as páginas a verdade é que os e-books são muitos mais fáceis de transportar e acabam por, em maior parte dos casos, ficar mais baratos do que comprar o livro físico.
Falando por mim, agora que as coisas estão a apertar, ler e-books acaba por ser uma maneira de me manter actualizada nas minhas leituras sem ter de gastar muito dinheiro. A única contra partida é que não tenho um e-reader, o que significa que passo muitas horas em frente ao portátil sentada na sala a ler. 
Isto acaba por ser um pouco aborrecido porque um portátil, obviamente, não é um e-redear, cansa mais a vista e é muito mais pesado, não dando aquele jeito que os e-readers parecem dar para uma pessoa se por em todas as posições, como quando está a ler um livro. No entanto a cavalo dado não se olha o dente e com a ajuda de um add-on para o firefox, ou a instalação de um programa no pc consigo ler os ficheiros ePub sem problemas, o meu irmão até foi simpático e mostrou-me um programa chamado f.lux que ajusta a luz do ecrã o que até ajuda a poupar-me os olhos.
Porém há outras situações pertinentes que me fizeram virar para os e-books. Estas situações prendem-se com escritores que só editam livros em e-book, ou que fazem volumes especiais em e-book. Alguns desses escritores são Cassandra Clare, autora da trilogia Os Caçadores de Sombras, e Lauren Oliver, autora da trilogia Delirium.
No caso de Clare, tratam-se mais de pequenas histórias soltas entre os volumes da trilogia, que ajudam a compreender melhor algumas das situações, do que necessariamente e-books. No caso de Oliver temos o e-book Hana, que conta a mesma história de Delirum mas no ponto de vista da melhor amiga da personagem principal. No caso de autores de renome estes e-books acabam por ser histórias extra para dar uma melhor compreensão da narrativa principal, no caso de autores desconhecidos os e-books acabam por ser a maneira mais barata de chegarem ao mercado e tentarem alcançar os leitores.
Mesmo as empresas de auto-publicação como a Bubok oferecem ao seus clientes a possibilidade de comprar o livro físico ou e-book. Será apenas uma questão de tempo até as livrarias começarem também a vender este formato, visto que as grandes "livrarias" on-line, como a Amazon já o disponibilizam. E que é mais rápido e eficaz que pagar e fazer logo o download do livro, não há a pressa de comprar os livros antes de terem saído para se os ter no dia do lançamento, basta pagar e assim que o download acabar já se tem o livro para começar a ler.
Há que referir no entanto que os e-book deram origem a uma pirataria enorme dos mesmos. Livros que antigamente eram fotocopiados e que devido a alterações na lei deixaram de o ser, passaram a estar a um download de distância dos ciberautas. Salva-se a carteira e salvam-se as árvores.
O Encruzilhadas irá comentar e-books e o primeiro a contemplado será o Hana de Lauren Oliver. No caso de existir cópia física do livro essa será sempre a descrita, caso apenas haja e-book serão os dados deste que constarão na entrada do post.
Queremos portanto saber, "Ler ou não ler e-books?" Qual é a vossa opinião sobre o tema?

1 leitores reagiram:

  1. Eu desde que descobri os ebooks que sempre os li, são uma maneira de poupar dinheiro, papel e espaço na estante. Mal os leio, apago. Tmb são bons para quando se viaja para algum lado e leva-se dezenas de ebooks, e escusamos de ir carregadas com vários livros. Os ebooks não substituem o papel mas são outro modo de ler, assim como os audiobooks.

    ResponderEliminar