quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Opinião: Desenvolver pessoas Lean numa Organização de Serviços, de João Alves Moura




Desenvolver pessoas Lean numa Organização de Serviços
de João Alves de Moura

 
Edição/reimpressão: 2016
Páginas: 188
Editor: Edições Ex Libris
  

Sinopse: 
Mais do que um mero exercício académico, o Modelo de Projeto de Implementação Lean que se preconiza assenta num “tempo” necessário para criar, numa empresa, condições que permitam ligar estreitamente Filosofia de Longo Prazo e Cultura Lean.
Utilizando as ferramentas de trabalho que a metodologia Lean propõe, suportada na aplicação de uma sistemática de resolução de problemas, a aplicação deste modelo assenta em lições aprendidas, que permitirão, à partida, um caminho mais fiável, mais alinhado e menos sujeito a erros.
A par da responsabilidade que a Gestão de Topo detém no sucesso da implementação de uma filosofia de melhoria contínua, assim, o sucesso deste Modelo assenta também no facto de se proporcionar às pessoas a desenvolver, uma aprendizagem para a interiorização de novos hábitos.

Comentário: Quem já nos segue há algum tempo, sabe que não tenho por hábito comentar livros técnicos, como o que vos apresento hoje. Mas a vida traz-nos acasos interessantes. Conheci o autor, João Moura, durante uma formação em Lisboa e acabámos por falar de hobbies e interesses pessoais, o que nos trouxe ao convite do autor para me dar a conhecer parte importante do seu trabalho, que passa precisamente pelo objectivo de desenvolver pessoas Lean em organizações Lean.
Sendo este um modelo de aplicação prática para quem já domina os conceitos, e sendo eu uma leiga no assunto, antes de me debruçar sobre ele necessitei de pesquisar um pouco para me integrar na temática (o meu conselho para edições futuras passa precisamente pela introdução de um capítulo exploratório breve, que embora não eduque a fundo, permita uma melhor contextualização do conteúdo que se segue).
A cultura Lean teve a sua origem no Japão pela mão da Toyota em meados de 1950, e autoria de Taiichi Ohno e Shigeo Shigeo. O sistema de produção adoptado foi inicialmente conhecido como "Toyota Production System". Cerca de 20 anos mais tarde, passou a ser adoptada por outros construtores automóveis japoneses e europeus (e posteriormente estendido a outras indústrias).

Na década de 80 passou a ser designada pelo nome pelo qual é hoje conhecida através da acção do investigador John Krafcik do MIT, envolvido num projecto internacional que seguia a abordagem à produção referida anteriormente. [Carvalho, J. 2010]
 Na prática, Lean corresponde a um conjunto de técnicas e metodologias de cultura empresarial que validem uma produção ao maior nível, com o mínimo de recursos possíveis, isto tendo sempre como foco as pessoas e o seu papel fundamental para o desenvolvimento de qualquer organização que se queira bem sucedida, inovadora, e sustentável.
Embora com vários anos de prática e reconhecimento no mundo industrial e empresarial, é certo que em Portugal não existam ainda muitas organizações a trabalhar sobre este fundamento. Certamente, alguns dos motivos prementes para que isso suceda passam pela falta de compromisso de todo o tecido (já que esta não é uma metodologia que possa ser adoptada por metades ou só parcialmente) e pela implicação de custos (tanto de tempo, dinheiro e recursos humanos) que exigem os primeiros anos para a sua aplicação eficaz (e que poderá dar origem a algum prejuízo inicial).
É precisamente sobre esta questão que se debruça João Moura, ao apresentar um plano a 3 anos para a aplicação de um sistema Lean eficiente e eficaz numa Organização de Serviços, tendo sempre, claro está, as pessoas por base.
Este livro é inevitavelmente um modelo de aplicação prática e de concretização de projecto. Com explicações passo por passo, indicações de constrangimentos que possam surgir em cada um, assim como exemplificações de como suplantar os constrangimentos são algumas das análises elaboradas pelo autor. Recorrendo a versões esquemáticas e resolutivas, o autor acompanhar o gestor de um processo Lean nas diversas etapas, preparando-o para os desafios e dotando-o de ferramentas para fazer face às mesmas.
Muitas vezes indicando estratégias ou abordagens metodológicas para o desenrolar do processo, o autor contempla-nos com um glossário de conceitos e intervenções bastante completo, explicando exercícios e recorrendo ao apoio visual para os tornar mais eficazes.
A ideia de que este processo não resulta sem o real envolvimento de cargos de chefia e gestão está assente desde a primeira página, assim como a necessidade de contemplar recursos humanos com a disponibilidade necessária para que se tornem agentes Lean e tenham a capacidade de monitorizar e acompanhar o processo junto dos seus colegas nas mais variadas esferas.
É um livro esclarecedor, de fácil acesso (após compreensão do conceito), visualmente apelativo e de fácil entendimento. Acima de tudo, um guia prático que poderá fazer a diferença.
Num sentido mais percursionista, só a sua aplicação prática poderá garantir que se adapta e corresponde às necessidades da realidade, o que a mim me suplanta de momento.
Ainda assim, foi um conceito que me foi caro descobrir, pelo que João Moura trouxe-me uma enorme fonte de conhecimento.


 
Cláudia
Sobre a autora:
 
Maratonista de bibliotecas, a Cláudia lê nos transportes públicos enquanto observa o Mundo pelo canto do olho. Defensora da sustentabilidade e do voluntariado, é tão fácil encontrá-la envolvida num novo projeto como a tagarelar sobre tudo e mais alguma coisa. É uma sonhadora e gosta de boas histórias, procurando-as em cada experiência que vive.

0 leitores reagiram:

Enviar um comentário