O clube de leitura da Praça Taksim

O maior clube de leitura do mundo é também um dos maiores protestos pacíficos de todos os tempos. 

Após semanas de confrontos violentos em Istambul, na Turquia, entre polícias e protestantes um novo tipo de protesto nasce: o homem silencioso.
Virado para o Centro Cultural Ataturk, na Praça Taksim, Erdem Gunduz, um artista, ficou  em pé com as mãos nos bolsos durante oito horas.
Este movimento de protesto foi rapidamente adoptado por toda a Turquia. E subitamente, várias pessoas se manifestaram durante minutos ou horas silenciosamente.
Gunduz que começou sozinho na praça, está agora acompanhado por várias pessoas que se juntarem ao seu protesto silencioso. Lentamente, as pessoas começaram a trazer livros para lerem durante o protesto. Os livros que reflectem as opiniões dos leitores em relação ao seu governo, valeram ao protesto o nome "O clube de leitura da Praça Taksim".
Mil novecentos e oitenta e quatro de George Orwell é até agora o livro favorito tendo sido já captado várias vezes pelas câmaras nas mãos de diferentes protestantes/leitores. A história fala de um futuro distópico onde o Governo, carinhosamente apelidado de Big Brother vigia as pessoas em todos os locais, a todos os instantes, em semelhança ao programa televisivo do mesmo nome.
Um protesto diferente que está a captar a atenção dos media pela inovação da utilização de livros.
Podem ver todas as fotos deste protesto neste artigo em inglês.



Ki
(Catarina)
Sobre a autora:

Bibliófila assumida e escritora de domingo. Gosta de livros e tudo o que esteja relacionado com eles, tem a mania que tem opiniões sobre coisas e gosta de as expor no seu blog conjunto Encruzilhadas Literárias, tem também uma conta no GoodReads e é das melhores coisas que já lhe aconteceu.

0 leitores reagiram:

Que pensam Encruzilhad@s?