Livros a não dar no dia da mãe!

Aqui no Encruzilhadas gostamos de ver as coisas através de novos ângulos! Assim sendo e enquanto todos vos estão a aconselhar sobre que livros dar à mãe, no dia da mãe que se aproxima, nós por aqui, decidimos ajudar na lista aconselhando livros que não devem ser oferecidos!
Não dizemos que os livros sejam maus, longe disso, dizemos apenas que os temas poderão ser um pouco controversos demais para o dia em questão. Ainda com algumas dúvidas?
Pois bem! Aqui ficam então alguns livros que achamos que não devem chegar às mãos de nenhuma mãe naquele que é considerado o seu dia.

Sofia (ou alternativamente  A Escolha de Sofia
de William Styron
Edição/reimpressão: 1983
Páginas: 376
Editor: Livros do Brasil
Resumo:
Trata do dilema de "Sofia", uma mãe polonesa, filha de pai anti-semita, presa num campo de concentração durante a Segunda Guerra e que é forçada por um soldado nazista a escolher um de seus dois filhos para ser morto. Se ela se recusasse a escolher um, o soldado mataria ambos filhos. Essa história dramática é contada em 1947 ao jovem "Stingo", um aspirante a escritor e que vai morar no Brooklyn, na casa de "Yetta Zimmerman", onde ele acaba tendo Sofia como sua vizinha. 

Não há mãe nenhuma que vá querer receber um livro sobre ter de escolher entre dois filhos. É natural. Assim sendo e apesar se talvez se achar que se pode estar a marcar uns pontos extra com este livro, talvez seja melhor deixá-lo de parte para outra ocasião. Talvez para os anos?

Para a Minha Irmã
de Jodi Picoult
Edição/reimpressão: 2006
Páginas: 408
Editor: Livraria Civilização Editora
Resumo:
Os Fitzgerald são uma família como tantas outras e têm dois filhos, Jesse e Kate. Quando Kate chega aos dois anos de idade é-lhe diagnosticada uma forma grave de leucemia. Os pais resolvem então ter outro bebé, Anna, geneticamente seleccionada para ser uma dadora perfeitamente compatível para a irmã. Desde o nascimento até à adolescência, Anna tem de sofrer inúmeros tratamentos médicos, invasivos e perigosos, para fornecer sangue, medula óssea e outros tecidos para salvar a vida da irmã mais velha. Toda a família sofre com a doença de Kate. Agora, ela precisa de um rim e Anna resolve instaurar um processo legal para requerer a emancipação médica – ela quer ter direito a tomar decisões sobre o seu próprio corpo. Sara, a mãe, é advogada e resolve representar a filha mais velha neste julgamento.

No seguimento do livro anterior, aqui temos outro sobre escolhas. Neste caso no entanto, a mãe tem um papel mais pro-activo e de vilã ou salvadora conforme o ponto de vista. Na minha singela opinião, Jodi Picoult não é muito simpática para as mães, o que a torna uma escritora também a evitar nesta data.

Os Homens Que Odeiam as Mulheres
de Stieg Larsson
Edição/reimpressão: 2011
Páginas: 576
Editor: Leya
Resumo:
O jornalista de economia Mikael Blomkvist precisa de uma pausa. Acabou de ser julgado por difamação ao financeiro Hans-Erik Wennerstrom e condenado a três meses de prisão. Decide afastar-se temporariamente das suas funções na revista Millennium. Na mesma altura, é encarregado de uma missão invulgar. Henrik Vanger, em tempos um dos mais importantes industriais da Suécia, quer que Mikael Blomkvist escreva a história da família Vanger. Mas é óbvio que a história da família é apenas uma capa para a verdadeira missão de Blomkvist: descobrir o que aconteceu à sobrinha-neta de Vanger, que desapareceu sem deixar rasto há quase quarenta anos. Algo que Henrik Vanger nunca pôde esquecer. Blomkvist aceita a missão com relutância e recorre à ajuda da jovem Lisbeth Salander. Uma rapariga complicada, com tatuagens e piercings, mas também uma hacker de excepção. Juntos, Mikael Blomkvist e Lisbeth Salander mergulham no passado profundo da família Vanger e encontram uma história mais sombria e sangrenta do que jamais poderiam imaginar.

Se o nome por si só não fosse chocante para uma mãe receber de um filho, não há pai nenhum, mãe principalmente, que vá gostar de ler sobre "violações recorrentes". Logo, se não quiserem ser responsáveis pela caixa de comprimidos extra à mesinha de cabeceira da vossa mãe, aconselhamos a por este livro de lado.

Outros títulos rápidos que não aconselhamos a dar nesta data, quer seja apenas pelo nome, quer seja pela história são os seguintes:
  • Descubra a cabra secreta que há em si de Elizabeth Hilts
    • O título fala por si;
  • Mildred Pierce de James M. Cain 
    • Nesta história a filha odeia a mãe de tal modo, que dorme com o padrasto, mata-o e ameaça culpar a mãe pelo crime se esta não lhe der dinheiro para ela fugir;
  • A Oresteia de Ésquilo
    • No qual o pai mata a filha para agradar aos Deuses, a mãe mata o pai para vingar a filha, o filho mata a mãe para vingar o pai e depois de muita discussão os deuses decidem que o pai estava certo.
  • As Virgens Suicidas de Jeffrey Eugenides
    • Cinco irmãs adolescentes suicidam-se sucessivamente ao longo de um ano. Além do tema forte, a mãe das mesmas é considerada horrorosa por maior parte dos leitores;
  • Alice Sebold, autora de Visto do Céu e Visto da Lua é também das menos recomendadas para este dia, devido à imagem negativa passada pelas personagens maternais.
Atenção: Apenas recomendamos que os livros não sejam dados nesta data, de resto sintam-se à vontade para os partilharem e oferecerem!

Agora que alguns livros foram retirados da lista, não podemos deixar de nos perguntar: Há algum livro que jamais dariam às vossas mãe? Porquê?

4 leitores reagiram:

  1. Adorei!!!

    LOL

    o que não daria a minha agora assim o 1º que me vem a cabeça: "Escravos do amor kate pearce"

    razão: Ia mudar a visão da minha mãe sobre os livros que lei-o, não sei se seria positivo hihih

    ResponderEliminar
  2. Norma, também tenho uns quantos desses na minha lista :p

    ResponderEliminar
  3. Não daria "Room" ou em português "O Quarto", porque é sobre uma mãe e um filho que viveram 6 anos encarcerados num quarto. Embora seja uma história com um final feliz, é um tema nada adequado para este dia.

    ResponderEliminar
  4. Adorei o post. Realmente há livros que não são muito adequados para esta data...
    Mas partilho da opinião da Norma. Existem uns quantos livros meus que eu não daria à minha mãe :p

    ResponderEliminar