NaNoWriMo

Amanhã começa Novembro e para mim, desde 2009 que Novembro vem com um desafio: escrever um livro de 50 mil palavras num mês.
Mas deixem-me primeiro explicar-lhes ao certo de onde veio esta ideia. Algures em 1999, vinte e um amigos juntaram-se no mês de Julho em São Francisco e decidiram escrever um livro num mês. Antes que pudessem perceber como, no ano seguinte um amigo construiu-lhes um site e a ideia cresceu. Ao longo do tempo a ideia ganhou novos contornos e fãs e nascia o National Novel Writing Month (NaNoWriMo). O mês escolhido para esta aventura foi Novembro e o objectivo de 50 mil palavras, o equivalente a mais ou menos 100 páginas, foi estabelecido como o tamanho ideal para um livro.
Com o passar dos anos, o site foi evoluindo e mais pessoas se foram juntando à aventura. Em 2011, 256,618 pessoas inscreveram-se para fazer o NaNo e 36,843 conseguiram completar 50 mil palavras antes do mês acabar e entraram para o passeio das estrelas do NaNo.Elas podem ter começado o mês como mecânicos, consultores bancários, desempregados, empregados domésticos, enfermeiros, seja o que for na realidade; mas acabaram o mês como escritores com na maior parte dos casos, uma obra completa.
Com a chegada iminente de Novembro, vou recolher-me para começar a trabalhar no meu novo livro e vou atirar-me de cabeça na aventura que é escrever um livro inteiro num mês. Convido os meus caros e corajosos leitores a tornarem-se escritores, e aos que já são escritores, a aceitarem este desafio! Podem adicionar-me como amiga de escrita aqui e boa sorte a todos!
Vemo-nos em Dezembro!




Ki
(Catarina)
Sobre a autora:

Bibliófila assumida e escritora de domingo. Gosta de livros e tudo o que esteja relacionado com eles, tem a mania que tem opiniões sobre livros e gosta de as expor no seu blog conjunto Encruzilhadas Literárias, tem também uma conta no GoodReads e diz que é das melhores coisas que já lhe aconteceu.

Novidade: Editora 20|20 lança chancela TOPSELLER

Uma editora arrojada, com garra, e com os melhores autores mundiais. Se é bestseller, é TOPSELLER.
É no dia 1 de novembro que a Topseller se vai dar a conhecer ao leitores portugueses. Uma nova editora, arrojada, que arranca com toda a garra. James Patterson e Janet Evanovich. É com estes dois nomes de peso e de referência da ficção - figuram no “top 5” de autores mais bem sucedidos em todo o mundo (fonte: Forbes ), que a Topseller revela a sua ambição: construir um catálogo onde figurem os mais populares autores – portugueses e estrangeiros - de ficção para adultos e jovens adultos.
James Patterson já vendeu mais de 250 milhões de livros em todo o mundo, o que faz dele detentor do recorde absoluto de vendas e de top’s do New York Times. Mas era um autor praticamente desconhecido em Portugal até agora. 
Janet Evanovich é a autora de policiais mais vendida em todo em mundo e a escritora mais bem sucedida atualmente (fonte: Forbes), com mais de 75 milhões de livros vendidos. E no entanto estava inédita até agora em Portugal. 
A Topseller, fruto do empenho de toda a sua equipa, tem como ambição tornar James Patterson e Janet Evanovich autores que superem igualmente recordes em Portugal. Para tal, apoiados por uma forte e original campanha de marketing, a editora irá editar mais sete títulos de James Patterson em 2013 (adulto, jovem adulto e juvenil) e três de Janet Evanovich. 

 «Crise? Somos irrequietos. Crise para nós era ficarmos parados.» 

 – Manuel de Freitas, diretor-geral da 20|20 Editora

Podem ler mais sobre os autores desta nova chancela da Editora 20|20 aqui.

"Insólito Literário"

Hoje, caros Encruzilhados, trazemos-vos um insólito literário. Bom, talvez insólito seja uma palavra demasiado forte, mas foi sem dúvida um acontecimento estranho.
A semana passada, ao regressar ao seu carro após um dia inteiro a dar aulas, uma professora do Concelho de Sintra apercebeu-se que o seu carro tinha sido assaltado.
Antes de chamar a polícia, a professora resolveu revistar o carro de cima a baixo, para ver se descobria o que tinha sido roubado.
Ao fim de quinze minutos e depois de verificar o carro todo, a professora apercebeu-se que só uma coisa tinha sido levada da sua viatura: a sua cópia do livro O Hobbit.
Consta que a professora terá pedido a uma colega que lhe emprestasse uma cópia do livro roubado para acabar de o ler, porque bem, parece que estava na melhor parte.
Aqui no Encruzilhadas somos um pouco doidas por livros, mas nenhuma de nós alguma vez se lembrou de uma atitude tão extrema. Acho que não vou tornar a deixar livros meus dentro do carro...



Ki
(Catarina)
Sobre a autora:

Bibliófila assumida e escritora de domingo. Gosta de livros e tudo o que esteja relacionado com eles, tem a mania que tem opiniões sobre livros e gosta de as expor no seu blog conjunto Encruzilhadas Literárias, tem também uma conta no GoodReads e diz que é das melhores coisas que já lhe aconteceu.

Opinião: Antes do Futuro de Jay Asher e Carolyn Mackler

Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 320
Editor: Editorial Presença
Resumo:
Estamos em 1996. Quando Josh instala um CD-ROM que dá acesso a cem horas de internet gratuitas no computador de Emma, sua vizinha e melhor amiga, são ambos transportados para uma estranha página chamada Facebook onde veem versões de si mesmos quinze anos mais velhos. As suas relações, amigos, filhos, carreiras, férias... todas essas informações estão na internet e alteram-se consoante as decisões que eles tomam no dia a dia. À medida que tomam consciência do que a vida lhes reserva no futuro, Josh e Emma são obrigados a confrontar-se com o que estão a fazer certo e errado no presente...
(Para lerem um excerto do livro cliquem aqui para o verem no site da editora cliquem aqui ou na capa)

Comentários

Catarina: Rating: 3,5/5

Um livro que faz jus ao título da colecção (Noites Claras) visto que passei uma noite em claro por causa dele.
Estamos em 1996, eu tinha dez anos na altura (por curiosidade), e Emma e Josh acabaram de deitar mãos a uma arma única e desconhecida chamada Facebook. Conseguem imaginar-se a navegar esse site sem perceberem bem o que se passa e apanharam actualizações de estado esquisitas sobre a vossa vida? Porque isso foi o que aconteceu aos nossos protagonistas. Não basta os problemas que tem presentemente, Emma e Josh vêem-se de braços dados com os seus problemas de adultos.
Fascinada por este site Emma encontra um update de status que a deixa preocupada com o seu futuro. Quem não ficaria? Todos sabemos as frases por vezes dúbias que deixamos no Facebook, os pedaços de letras de músicas, as citações, será que o nosso eu de 16 anos conseguiria compreender um nosso eu 15 anos mais velho? As pessoas mudam e as nossas experiências moldam-nos quer queiramos quer não, uma frase que expresse alegria hoje pode ser nostálgica daqui a uns anos.
O que gostei neste livro foi a temática recorrente do "viver no presente". Quando se apercebem que pequenas mudanças no presente causam ondas que mudam para sempre o futuro, Emma e Josh assustam-se e enquanto um tenta mudar tudo, o outro começa a andar com pézinhos de lã.
Pensemos se o nosso futuro fosse bom, não teríamos medo de o estragar? Mas não moldamos nós o nosso futuro com cada escolha que fazemos? Gostei bastante das perguntas lançadas por este livro mas creio que ele poderia ter ido mais longe.
Tal como no livro Treze Razões (de Jay Asher) parece-me que o autor tem um certo medo do confronto e deixa as suas histórias correrem numa certa zona de segurança, onde sabe que todos ficaram felizes com os resultados finais. Confesso que esperava um certo final que mais ou menos consegui mas o livro ficou aquém do que eu acho que teria sido possível.
Por outro lado, creio que a escrita de Carolyn Macklen ajudou a equilibrar a balança e a trazer uma certa novidade e movimento à história, que sem dúvida seria mais pacata nas mãos de Asher.
No geral trata-se de um livro divertido que coloca umas questões curiosas sobre o nosso futuro, o nosso presente e as decisões que fazemos diariamente. Sem dúvida algo que qualquer jovem que goste do Facebook vai gostar de ler. Uma boa aposta da Editorial Presença para o mercado mais jovem como aliás,são todos os livros desta colecção.


Ki
(Catarina)
Sobre a autora:

Bibliófila assumida e escritora de domingo. Gosta de livros e tudo o que esteja relacionado com eles, tem a mania que tem opiniões sobre livros e gostas de as expor no seu blog conjunto Encruzilhadas Literárias, tem também uma conta no GoodReads e é das melhores coisas que já lhe aconteceu.

Cláudia: Rating: 3,75/5

Ao debater-me sobre como começar a opinião a este livro, tive a ideia para mais um artigo, que sairá em breve. E digo-o aqui para que fique registado e não me esqueça. Hoje em dia, a panóplia de livros que integram o segmento juvenil podem tomar um leitor menos atento a fazer julgamentos comparativos. Há realmente livros tão diversos dentro da classificação deste segmento, que comentários que equiparem uns  uns e outros tornam-se algo redutores das obras em causa. Mas como disse, isso fica para outro artigo!
Porque é que o introduzo aqui? Porque ultimamente têm saído para o mercado português uma série de livros, trilogias e sagas que se enquadram na literatura juvenil, e que vêm cheios de uma pujança, de elementos demarcadores dos restantes, que por vezes tornam a opinião de livros como "Antes do Futuro" influenciada por esses, podendo ser descuidada por um leitor menos atento, dada a simplicidade e inocência da estória.
Em "Antes do Futuro" debatemo-nos com o inimaginável. Quantos de nós já não se perguntaram a dada altura como é que seriam dali a 3, 5 ou 10 anos? Emma e Josh deparam-se com uma versão sua 15 anos mais velha. Se isso não fosse já suficientemente difícil de entender, 2011 traz-lhes um futuro mais complicado que o esperado. Ao fim ao cabo, o que é um facebook?, porque é que as pessoas revelam a sua vida toda lá?, porque é que as pessoas são totalmente diferentes do esperado? E mais ainda: porque é que a mais pequena onda de acontecimentos pode danificar seriamente o futuro?
Pessoalmente, não teria qualquer interesse em saber o meu futuro. Já para Emma, o seu tem um significado especial, e não muito agradável pelo que lhe reserva, o que a dirige a uma série de peripécias que a levam a pensar e colocar em causa as relações presentes que mantém, e de que forma elas se afirmarão no futuro. Josh segue-a nesta aventura e tenta perceber que consequências isso trará também para si, numa mescla de incredulidade e fascínio.
No meio de tudo, é um livro de adolescentes, onde não pode faltar a abordagem ao amor, às desavenças criadas por coisas tidas mais tarde como insignificantes, pelas conquistas (escolares e pessoais) e pelos constantes fracassos, pelos amigos de sempre, e pelo desespero de crescer mais depressa.
Contrariamente à opinião da Catarina, não acho que houvesse necessidade de explorar mais a temática ou ir a fundo em algumas questões mais filosóficas. O objectivo deste livro é claramente entreter e fazer-nos passar um bom bocado, estando adequado à faixa etária para que dirige. Estamos a falar de personagens de 15 anos com problemas tipicamente de adolescentes e cuja principal preocupação é simplesmente crescer. E não saberem exactamente como fazê-lo.

Cláudia
Sobre a autora:
 
Maratonista de bibliotecas e bookcrossing, a Cláudia ainda consegue estudar e fazer o seu mestrado enquanto lê nos transportes públicos. Defensora da sustentabilidade e do voluntariado é tão fácil encontrá-la numa biblioteca como na Rota Jovem em Cascais. É uma sonhadora e gosta de boas histórias, procurando-as em cada experiência que vive.

A livraria por baixo da terra

Aqui no Encruzilhadas Literárias já vos falamos de antigas igrejas que viraram livrarias, de antigos cinemas que viraram livrarias, de livrarias flutuantes e até de livrarias que viraram páginas de banda desenhada mas uma livraria debaixo do chão foi algo que nos apanhou desprevenidas.
Situada na Holanda, tal como a igreja que virou biblioteca, esta biblioteca pública fica mais precisamente em Delft.
Criada em 1997 a Delft Technical Library re-nasceu das cinzas, após um incêndio a ter consumido e destruído por completo. 
Como se pode ver na imagem ao lado, o telhado da biblioteca é um relvado imenso onde as pessoas se podem sentar a ler nos dias de sol. A mesa do hall de entrada é feita de livros que se salvaram do incêndio e a luz natural advém do cone que trespassa a biblioteca em direcção ao céu.
Para terminar deixamos-vos, outra vez, com imagens desta bela biblioteca. 



Ki
(Catarina)
Sobre a autora:

Bibliófila assumida e escritora de domingo. Gosta de livros e tudo o que esteja relacionado com eles, tem a mania que tem opiniões sobre livros e gostas de as expor no seu blog conjunto Encruzilhadas Literárias, tem também uma conta no GoodReads e é das melhores coisas que já lhe aconteceu.

Opinião: Os Rinocerontes não comem panquecas, de Anna Kemp

Os Rinocerontes Não Comem Panquecas
de Anna Kemp com ilustrações de Sara Ogilvie
Edição/reimpressão: 2011
Páginas: 32
Editor: Livraria Civilização Editora
Resumo:
Estava a Margarida a tomar o pequeno-almoço muito sossegada quando, de repente, entra um rinoceronte roxo pela cozinha dentro - exactamente! Depois, dá uma dentada numa das panquecas da Margarida - exactamente! A Margarida tenta contar aos pais, mas eles estão demasiado ocupados para a ouvir. Estão sempre demasiado ocupados para a ouvir. Por isso, a Margarida começa a falar com o rinoceronte…

Rating: 4,5/5

Comentário:
Mais um fantástico livro da dupla Kemp e Ogilvie! Desta feita um rinoceronte roxo entra na casa de Margarida e fica a morar com ela. É verdade, um rinoceronte roxo e o pior que é os pais de Margarida estão demasiado ocupados para a ouvir ou até mesmo para se aperceberem do seu novo inclino.
Numa estranha caricatura de algumas das famílias dos nossos dias, o livro pretende chamar a atenção dos pais para a falta de comunicação e por outro lado criar uma empatia com as crianças mostrando-lhes que, tal como os pais delas, os pais de Margarida não a ouvem.
Numa sucessão de situações das quais acaba por nascer uma amizade, Margarida decide que visto que os pais não a ouvem talvez o seu novo amigo, o rinoceronte, tenha tempo para a ouvir. E a verdade é que tem, o rinoceronte tem todo o tempo do mundo parta ouvir a Margarida.
Num estilo metafórico e algo poético, Kemp e Ogilvie criam mais uma história de sucesso onde animais e crianças co-habitam juntos e criam uma forte amizade. Se Biff podia dançar ballet apoiado pela sua dona, Margarida pode ganhar um ouvinte no seu amigo rinoceronte. Assim se lançam as amarras para criar dentro do coração das crianças uma simpatia pelo reino animal, que se bem encaminhada, poderá levar a um respeito pelo mesmo.
Costumamos dizer de pequenino é que se troce o pepino, alegando que é em criança que construímos as bases que nos ajudarão a caminhar no futuro. Uma boa escolha de livro infantis com mensagens que possam perdurar mas sem o peso de uma "moral final" onde tudo é explicado, acaba por ser uma boa aposta. Mais do que simplesmente ler, os pais devem convidar os filhos a pensar no que leram.Creio que este livro com a sua história, e principalmente com o seu final ajuda a criar esta ideia.
Com uma linguagem acessível e desenhos amorosos, esta dupla premeia-nos novamente com um livro que vale a pena e que fará as delícias tanto dos mais novos como dos adultos. Um livro que saí com a minha recomendação.





Ki
(Catarina)
Sobre a autora:

Bibliófila assumida e escritora de domingo. Gosta de livros e tudo o que esteja relacionado com eles, tem a mania que tem opiniões sobre livros e gostas de as expor no seu blog conjunto Encruzilhadas Literárias, tem também uma conta no GoodReads e é das melhores coisas que já lhe aconteceu.

Perdido naquela janela

Aqui há uns dias atrás dei por mim a pensar num livro que tinha quando era nova. Era um livro de receitas da UNICEF e anunciava ter receitas de todo o mundo, tinha uns desenhos amorosos e as receitas eram fáceis de seguir, cheguei inclusivamente a fazer várias vezes scones usando a receita do livro e a ajuda da minha mãe.
O livro de seu nome Os Pequenos Cozinheiros faz parte do meu mundo literário infantil e foi durante muito tempo um dos meus livros favoritos. Quando me lembrei dele corri à sua procura. Vasculhei estantes e estante, fiquei coberta de pó e resmunguei para mim mesma que é no próximo fim de semana que finalmente vou limpar as estantes!
No entanto, aproximadamente 20 minutos depois, tive de admitir a minha derrota, O livro desapareceu. Não faço ideia onde esteja, nem onde pode estar. Lembro-me que o meu irmão se lembrou a determinada altura de o riscar e quem sabe, o livro acabou por encontrar o caminho para o papelão. Fiquei triste mas rapidamente esqueci o assunto quando no dia seguinte me chegaram livros novos pelo correio.
A vida foi correndo e heis que hoje quando andava por Lisboa vejo uma loja de antiguidades com um belo cavalo de madeira na montra. O cavalo chamou-me a atenção pois era igualzinho a um que a minha avó tinha em casa dela quando eu era pequena. Um sorriso nasceu-me no rosto e continuei a beber a montra calmamente. Vi vários livros da Anita, iguais ao que tinha lido em casa da minha avó também e até um livro 3D com um avião e autocarro igualzinho a um que eu tinha tido.
Afundei-me em memórias na montra, era como ser pequena outra vez, aliás, como re-descobrir a minha eu pequena. Entrei na loja e passei os olhos pela mesma. Prateleiras cheias de livros, alguns brinquedos e biblôs perdidos enchiam o interior da mesma. Preços havia-os para todos os gostos, apesar de que as coisas mais baratas que encontrei foram mesmo os livros da Anita a 5€.
Antes que o passado me engolisse, decidi sair da loja e seguir o meu caminho. A modos de despedida volto a observar a montra e reparo numa cadeira escondida na parte de trás com algo em cima. Aproximo mais a face do vidro e qual não é o meu espanto quando o vejo ali! Ali mesmo! O meu livro! Naquela montra! Perdido naquela janela. Compreendem-me quando vos digo que tive de o comprar? Não fariam o mesmo no meu lugar? Se pudessem recuperar um livro da vossa infância não o fariam? (E já agora, qual seria?)



Ki
(Catarina)
Sobre a autora:

Bibliófila assumida e escritora de domingo. Gosta de livros e tudo o que esteja relacionado com eles, tem a mania que tem opiniões sobre livros e gostas de as expor no seu blog conjunto Encruzilhadas Literárias, tem também uma conta no GoodReads e é das melhores coisas que já lhe aconteceu.

Resultado Passatempo: Infinito


Boa noite caros Encruzilhados!

E é já amanhã que a autora Alyson Noel está Portugal para 3 sessões de autógrafos e perguntas com os seus fãs. Como sabem tínhamos um exemplar do livro Infinito para oferecer e o mesmo já tem dono. Vamos tentar que o mesmo chegue a tempo às mãos do/a vencedor/a para que, caso desejem, o possam levar para o mesmo ser autografado
E sem mais demoras está na altura de revelar o resultado. Após uma fantástica participação por parte de quem nos segue e lê frequentemente, chegámos ao vencedor, que receberá um exemplar do livro Infinito, de Alyson Noel e editado pelas Edições Asa.
Se ainda não tiver sido desta, podem ainda tentar a vossa sorte no nosso passatempo dos 400 Seguidores. Dito isto, o vencedor é: 

98 - Violeta [...] Moreira, de Sangalhos

Parabéns! Receberá em breve um email para confirmação dos dados submetidos no formulário. 
Boa terça-feira para todos e boas leituras!

Novidades Edições Asa: Novembro

Sonhos Proibidos
de Lesley Pearse
Lançamento a 6 de Novembro
Páginas: 496
Resumo:
Londres, 1910. Belle tem quinze anos e uma vida protegida. Graças aos cuidados da ama, ela nunca se apercebeu de que a casa onde vive é um bordel, regido com mão de ferro pela sua mãe. Porém, a verdade encontra sempre maneira de se revelar... Para Belle, será no trágico dia em que assiste ao assassinato de uma das raparigas da casa. Ingénua e indefesa, ela fica à mercê do criminoso, que a rapta e leva para Paris, onde se inicia como cortesã. Afastada do único lar que conheceu, a jovem refugia-se nas memórias de infância e acalenta o sonho de voltar aos braços do seu primeiro amor, Jimmy. Mas Belle já não é senhora do seu destino. Prisioneira da sua própria beleza, é alvo do desejo dos homens e da inveja das mulheres. Longe vão os anos da inocência e, quando é levada para a exótica e decadente cidade de Nova Orleães, ela acaba por apreciar o estilo de vida que o Novo Mundo tem para lhe oferecer. Mas o luxo e a voluptuosidade que a rodeiam não mitigam as saudades que sente de casa, e Belle está decidida a tomar as rédeas da sua vida. Um sonho que pode ser-lhe fatal pois há quem esteja disposto a tudo para não a perder. No seu caminho, como barreiras fatais, erguem-se um continente selvagem e um oceano impiedoso. Conseguirá o poder da memória dar-lhe forças para sobreviver a uma viagem impossível?

Novidade: Uma Morte Súbita de J.K.Rowling

Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 496
Editor: Editorial Presença

Resumo:
Uma Morte Súbita é o primeiro livro para adultos de J. K. Rowling, a mundialmente famosa «mãe de Harry Potter». Acolhido com enorme expectativa, este surpreendente romance sobre uma pequena comunidade inglesa aparentemente tranquila, Pangford, começa quando Barry Fairbrother, o conselheiro paroquial, morre aos quarenta e poucos anos. A pequena cidade fica em estado de choque e aquele lugar vazio torna-se o catalisador da guerra mais complexa que alguma vez ali se viveu. No final, quem sairá vencedor desta luta travada com tanto ardor, duplicidade e revelações inesperadas? Um livro a não perder.


Lançamento a 21 de Novembro de 2012!

Passatempo: 400 Seguidores

Caros Encruzilhados,
Já somos mais de 400! Amantes de livros, amigos de histórias ou simpatizantes de heróis? Desta vez, e para variar, queremos saber mais sobre quem está desse lado. Para além das informações da praxe, digam-nos qual é a vossa personagem preferida de sempre (sabemos que é difícil) e porquê! Qualquer resposta é válida, e o critério de selecção continua a ser por escolha aleatórias. Queremos partilhas, não competições wink. A sorteio temos nada mais, nada menos que um exemplar do livro Duas Vidas, das Edições Asa. 

Regras do Passatempo:
1) O passatempo decorre até às 23h59 do dia 10 de Novembro.
2) Todos os dados solicitados devem ser devidamente preenchidos e completos.
3) Só serão aceites uma participação por pessoa e morada, em todo o território português (Portugal continental e ilhas).
4) O/A vencedor/a será sorteado de forma aleatória (random.org), sendo o resultado anunciado na página do blog e o contacto efectuado por e-mail.
5) O Encruzilhadas Literárias e/ou a editora não se responsabilizam pelo extravio ou danos causados pelos CTT nos exemplares enviados.

Opinião: A Resistência, de Gemma Malley

Edição/reimpressão: 2011
Páginas: 320
Editor: Editorial Presença
Resumo:
A Resistência é a obra que vem dar continuidade a O Pacto - o Crime de Ter Nascido, que a Presença publicou também nesta coleção. Continuamos no ano de 2140. A imortalidade foi alcançada, mas à custa de renunciar à descendência, através de um compromisso, o Pacto. Peter e Anna são dois Excedentes, duas crianças que não deviam ter nascido. Peter recebe a missão de desvendar o que se passa no programa secreto de Longevidade e é então que descobre uma verdade aterradora que o fará questionar tudo aquilo em que sempre acreditou. (Podem ler um excerto do livro aqui e podem ver o livro no site da editora clicando no nome do mesmo)
Rating: 4/5
Comentário: 
(Spoilers do primeiro volume)
Depois da aventura mirabolante na qual Peter e Anna conquistaram o seu direito a viver de uma maneira bastante dolorosa, o jovem casal casal enfrenta agora os olhares de um mundo que está envelhecido e que teme tudo o que é novo.
Encarregados de educar e criar o irmão mais novo de Anna, Peter decide enfrentar o seu avó, criador dos produtos de Longevidade e tentar descobrir o que se passa ao certo dentro do programa enquanto ganha dinheiro para os sustentar. Já Anna tem de lidar com uma escolha que até aí lhe parecia completamente impensável.
No mesmo tom de voz cruel e esperançoso com o qual escreveu O Pacto, Gemma Malley traz-nos agora A Resistência, um livro que vai abordar o grupo de resistentes que não tomam os comprimidos de Longevidade e que está contra o mesmos. Este é um livro também que falará de resistência pessoal e do que fazemos quando a tentação nos bate à porta. Afinal, quem não gostaria de viver para sempre? E para mais, livre de doença? Tudo só por assinar um papel a dizer que jamais se teria filhos.
Mas a teoria é muita bonita quando não há uma verdadeira opção, enquanto estavam presos, Anna e Peter sabiam o que queriam mas agora que a opção é verdadeira, que eles podem mesmo escolher será que esta se mantém? Além do mais, o jovem casal vai enfrentar vários problemas e até re-encontrar antigas personagens assim como novas. Diferentes pontos de vista lutam para chegar a um equilíbrio neste livro e a verdade, é que a vida de Anna e Peter nunca mais será a mesma.
Tal como o primeiro livro, este livro é uma leitura compulsiva, sendo quase impossível de pousar (mais uma vez fazendo jus ao nome da colecção) e à medida que as peças se vão encaixando o leitor quer saber o final desta história e como todo o problema se irá resolver.
Creio que esta saga é, como maior parte das distopias, uma óptima saga para obrigar as pessoas a pensar, discutir e partilhar ideias. Afinal, quem não gostaria de ser imortal? Mas será que isso está correcto? Impedir novas gerações de nascer e matar lentamente o planeta? Até que ponto seria a população sustentável? Será que passado uns anos, até os Imortais teriam de começar a desaparecer por já não haver comida e aquecimento?
O planeta Terra é limitado, não durará eternamente mas todos podemos fazer um esforço para tentar mantê-lo o máximo possível. No Pacto descobrimos através de Anna que até mesmo os Imortais estão sujeitos a senhas de racionamento para comida, gás, combustível, etc. O mundo está a acabar mas terá a Longevidade a ver com isso? Apesar de viverem para sempre, estes Imortais não são novos para sempre, muitos já não podem trabalhar, as poucas pessoas que podem trabalhar são jovens, filhos de altos cargos do governo, que ainda estão autorizados a ter filhos. Estes jovens não conseguirão sozinhos, manter o planeta ou manter os Imortais, parte destes jovens, são Peter, Anna, os resistentes e os excedentes.
Assustador, real e genial, A Resistência acaba por ser melhor que o primeiro volume, onde o enredo era previsível, e cresce um pouco mais dando pequenas twists no enredo e tornando as coisas menos preto e branca e mais cinzentas. Para completar esta trilogia temos o livro The Legacy, que ainda não saiu em Portugal e que, espero eu, nos mostre as consequências desastrosas da Longevidade.
Um livro que sem dúvida recomendo aos amantes de distopias.

  • Desta trilogia lemos o volume um : O Pacto - o Crime de Ter Nascido ;
  • De momento o terceiro e último volume ainda não foi publicado(22/10/2012) ;
  • Da colecção "Noites Claras" já lemos os seguintes volumes.

Apanhados a ler livros de menina!

Hoje enquanto navegava no meu feed do GoodReads, entrei no perfil da escritora Shannon Hale, autora do livro Academia de Princesas, após ter lido o título "Concurso Fotográfico: Rapazes a lerem livros de raparigas!". Piscando os olhos intrigada, tive, obviamente, de descobrir o que se estava a passar. Clicando com o rato no link fui levada até uma página no blog da autora onde esta mostrava vários rapazes a lerem livros de raparigas e alguns deles liam mesmo livros da autora! Incluindo a sequela do livro Academia de Princesas, Palácio de Pedra (traduzido literalmente).
Achei imensa piada à ideia e apesar de serem fotos de pose não deixam de estar bastante engraçadas. Assim sendo quero deixar-vos aqui algumas para que possam como eu, sorrir em face desta ideia.

de 
Academia de Princesas: Palácio de Pedra, de Shannon Hale
As Mulherzilhas, de Louise May Alcott
As Serviçais. Academia de Princesas. Ella Encantada. Ramona, the Pest.
Para verem mais fotos deste passatempo cliquem aqui.



Ki
(Catarina)
Sobre a autora:

Bibliófila assumida e escritora de domingo. Gosta de livros e tudo o que esteja relacionado com eles, tem a mania que tem opiniões sobre livros e gostas de as expor no seu blog conjunto Encruzilhadas Literárias, tem também uma conta no GoodReads e é das melhores coisas que já lhe aconteceu.

Evento: Sveva Casati Modignani dá autógrafos na Bulhosa de Oeiras

Boas novas Encruzilhados!
Portugal parece estar na moda para a vinda de autores estrangeiros (e não estava já na altura mesmo?)
Desta vez, é a escritora italiana Sveva Casati Modignani que vai estar, já este domingo, 21 de outubro, às 11h30, na Bulhosa de Oeiras para uma sessão de autógrafos, aproveitando o lançamento do seu mais recente romance com a chancela da Porto Editora, Um Dia Naquele Inverno
Por isso, peguem nos vossos livros, e vão em busca da vossa edição autografada.

Opinião: Os Cães não Dançam Ballet, de Anna Kemp

Os Cães não Dançam Ballet
de Anna Kemp com ilustrações de Sara Ogilvie
Edição/reimpressão: 2010
Páginas: 32
Editor: Livraria Civilização Editora
Resumo:
Este cão não é como os outros: não faz coisas de cão, como fazer chichi nos postes, coçar-se ou beber água da sanita. Não, este cão gosta do luar, de música e de dançar na ponta dos pés. Este cão pensa que não é um cão, mas sim uma bailarina. Um livro fabuloso e engraçado sobre um cão pequeno com uma grande personalidade e sonhos ainda maiores.

Rating: 4/5

Comentário:
Apesar de adorar a dupla que realizou o livro Mamã Maravilha, Orianne Lallemand  e Elen Lescoat, tenho de confessar a dupla Anna Kemp e Sara Ogilvie é, de momento, a minha favorita. A diferença entre as duplas é óbvia, pois enquanto Lallemand e Lescoat escrevem e ilustram livros para "se lerem aos filhos", Kemp e Ogilvie criam livros para "se ler com os filhos" ou para as crianças lerem sozinhas. São livros mais complexos e com uma história mais "composta".
Começando pelo material utilizado na confeção da capa e das folhas do livro, que é igual ao do livro Uma Pior Princesa, este livro está replecto de cores cuidadosamente escolhidas e é acompanhado de uma história sobre coragem e persistência para correr atrás dos nossos sonhos.
 Há medida que fui crescendo fui encontrando cada vez mais pessoas contra os contos de fadas, pessoas que me disseram abertamente que essas histórias eram estúpidas pois enchiam a cabeça das crianças com noções e ideias que já não se adaptavam ao mundo de hoje. Ainda o ano passado encontrei três crianças que nunca tinham ouvido a história do Patinho Feio, o sorriso no rosto das mesmas quando acabei de lhes contar a história foi algo que nunca esquecerei.
Talvez a tradição oral se perda, talvez hoje em dia os pais não tenham tempo para contar histórias e os avós estejam demasiado ocupados mas existirão sempre livros que terão o maior prazer em nos revelar estas histórias se os deixarmos.
Assim sendo, este livro acaba por se revelar um resistente à tendência de deixar a magia para trás. E pode ser considerado um dois em um, pois além de agradável à vista tem uma lição poderosa no seu interior. A tradução está bem feita, mal se dá por ela, como se o livro tivesse sido escrito em português. Toda a aventura de Biff e da sua dona é divertida e infantil mas consegue colocar um sorriso no rosto de qualquer pessoa, porque e sejamos sinceros, onde já se viu um cão de tutu a dançar ballet? Mas Biff está disposto a agarrar a oportunidade de se mostrar, cativar uma audiência e seguir o seu sonho, mesmo após várias respostas negativas.
Este é um livro que sem dúvida cativará adultos e crianças e fará a hora "da leitura do conto" muito mais divertida. Por fim, leva umas sólidas quatro estrelas, dando razão às pessoas que fizeram deste livro um bestsller internacional.



Ki
(Catarina)
Sobre a autora:

Bibliófila assumida e escritora de domingo. Gosta de livros e tudo o que esteja relacionado com eles, tem a mania que tem opiniões sobre livros e gostas de as expor no seu blog conjunto Encruzilhadas Literárias, tem também uma conta no GoodReads e é das melhores coisas que já lhe aconteceu.

Livraria flutuante

Como os nossos caros leitores sabem, normalmente água e livros não são uma boa mistura. Isto posso-vos eu confirmar visto que uma vez uma irmã minha se esqueceu de um livro meu à chuva e eu tive de o secar página a página e mesmo assim ele nunca mais foi o mesmo. 
No entanto, isso não impede a Logos Hope de ser a maior livraria flutuante do mundo. Carregando mais de 5000 livros e medido mais de 430 pés de comprimento, a Logos Hope é gerida por uma organização de caridade alemãe tem como missão levar livros e educação por todo o mundo.
Nos últimos 8 anos, a Logos Hope visitou mais de 42 países ficando por várias semana em cada porto, permitindo que a sua tripulação faça trabalho voluntário e que várias pessoas o visitem (o navio suporta até 450 visitantes de cada vez).
Parte da missão deste navio é levar livros a preços muito baixos a países onde estes não sejam fáceis de arranjar, mas providenciar livros (abaixo de preço de custo) para bibliotecas escolares, orfanatos e outras organizações solidárias.
Desde 2004 o Logos Hope distribuiu mais de 3 milhões de livros e teve mias de 2,5 milhões de visitantes a bordo. De momento está no porto de Subic Bay, nas Filipinas e a 30 de Novembro navegará até Hong Kong onde ficará por um mês.
Podem ver mais fotos abaixo e ver os próximos portos do Logos Hope clicando aqui.



Ki
(Catarina)
Sobre a autora:

Bibliófila assumida e escritora de domingo. Gosta de livros e tudo o que esteja relacionado com eles, tem a mania que tem opiniões sobre livros e gostas de as expor no seu blog conjunto Encruzilhadas Literárias, tem também uma conta no GoodReads e é das melhores coisas que já lhe aconteceu.

Passatempo: Infinito, de Alyson Noel


Caros Encruzilhados,

Depois da boa notícia da vinda da autora Alyson Noel a Portugal, temos outra boa notícia para vos dar! O Encruzilhadas tem um exemplar do livro Infinito para oferecer e o melhor, é que podem levá-lo a ser autografado, caso assim o desejem.
Assim sendo e sem mais demoras, deixamos-vos com o formulário do passatempo depois de vos relembrar as regras do mesmo.
As respostas podem ser encontradas aqui, aqui e aqui.
Boa sorte a todos!

Regras do Passatempo:
1) O passatempo decorre até às 23h59 do dia 23 de Outubro.
2) Todos os dados solicitados devem ser devidamente preenchidos e completos.
3) Só serão aceites uma participação por pessoa e morada, em todo o território português (Portugal continental e ilhas).
4) O/A vencedor/a será sorteado de forma aleatória (random.org), sendo o resultado anunciado na página do blog e o contacto efectuado por e-mail.
5) O Encruzilhadas Literárias e/ou a editora não se responsabilizam pelo extravio ou danos causados pelos CTT nos exemplares enviados.


Novidades: Editorial Presença - 2ª Quinzena


E chegam até nós as novidades da segunda quinzena de Outubro da Editorial Presença!
Para saberem mais, podem clicar na imagem e seguir para a secção de novidades do site da editora.

Novidade: Quinta Essência

Noite de Reis
de Trisha Ashley
Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 472

Resumo:
O Natal sempre foi uma época triste para a jovem viúva Holly Brown, por isso, quando lhe pedem para cuidar de uma casa remota nas charnecas do Lancashire, a oportunidade de se esconder é irresistível - a desculpa perfeita para esquecer as festividades.  
Escultor, Jude Martland, decidiu que este ano não haverá Natal depois de o irmão ter fugido com a sua noiva, e faz questão de evitar a casa da família. No entanto, terá de voltar na Noite de Reis, quando a aldeia de Little Mumming celebra as suas festividades e toda a família é obrigada a comparecer.  
Enquanto isso, Holly começa a descobrir que, se quer evitar a Natal, veio para o local errado. Quando Jude regressa inesperadamente na véspera de Natal não fica nada contente ao constatar que Holly parece estar a organizar a festa de família que ele esperava evitar.  De repente, uma tempestade de neve surge do nada e toda a aldeia fica isolada. Sem fuga possível, Holly e Jude encontram muito mais do que esperavam - parece que a quadra natalícia vai ser bastante interessante!

Vejam o livro no site da editora clicando aqui e vejam-no por dentro clicando aqui.
Update: Quem comprar o livro numa loja LeYa terá direito a uma oferta! (cliquem aqui para verem!)

Evento: Neill Lochery em Lisboa


Opinião: Percy Jackson e a Batalha do Labirinto, de Rick Riordan

Percy Jackson e a Batalha do Labirinto
de Rick Riordan
Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 376
Editor: Casa das Letras
Resumo:
 Percy está prestes a começar o ano lectivo numa escola nova. Ele já não esperava que essa experiência fosse muito agradável, mas quando teve de enfrentar um esquadrão de líderes de claque tão esfomeadas quanto demoníacas, imediatamente se apercebeu que tudo podia ficar muito pior.
Nesse quarto volume da série Percy Jackson, o tempo está a esgotar-se e a batalha entre os Deuses do Olimpo e Cronos, o Senhor dos Titãs, está cada vez mais próxima. Mesmo o acampamento dos meio-sangues, o porto seguro dos heróis, torna-se vulnerável à medida que os exércitos de Cronos se preparam para atacar as suas fronteiras, até então impenetráveis. Para detê-los, Percy e seus amigos semideuses partirão numa jornada pelo Labirinto — um interminável universo subterrâneo que, a cada curva, revela as mais temíveis surpresas.

Rating: 4/5

Comentário: 
Este comentário poderá conter informações dos livros anteriores!

Gostaria de começar esta crítica dizendo que este é sem dúvida um dos melhores livros da série. Após o aparecimento do Minotauro no primeiro livro, Percy enfrenta agora o Labirinto que encerrava o mesmo. Creio que foi o Labirinto me cativou neste livro, assim um pouco como no livro Maze Runner, pois tenho um certo fascínio pelos mesmos. Mas tenho a dizer também que a maneira como Rick Riordan trabalhou toda a ideia do Labirinto foi sem dúvida genial.
A verdade é que toda a ideia de trazer a mitologia grega para os nossos dias é fantástica, Riordan pode não ser o primeiro a fazê-lo mas apreciei bastante a maneira como ele o fez, pois conseguiu trazer um mundo inteiro de mitos para o continente americano.
Neste livro a trama adensa-se à medida que Cronos está cada vez mais próximo do momento em que se vai erguer. Infelizmente, para Percy isto significa também que o seu décimo sexto aniversário está cada vez mais próximo e o pouco que este sabe da profecia não anuncia um final muito feliz.
Se isto tudo não chegasse, a Rachel, a mortal que encontrou no livro anterior, re-aparece na sua vida e a cada fala sua, Annabeth tem respostas que estão a deixar Percy louco pois não tem nada a ver com a Annabeth que este conhece. Há medida que se aproxima do seu aniversário, Percy apercebe-se que a vida no Campo nunca mais será a mesma, assim como a maneira como olha para as suas amigas raparigas.
Devo confessar que tinha um certo receio da maneira como Riordan ia escrever o romance nesta saga. Isto porque normalmente não leio "romance" no masculino mas sendo Percy uma série maioritariamente de acção, o autor conseguiu inserir momentos ternos ao logo dos vários livros dando asas a um romance muito bonito. (Quem me segue no GR de certeza que ouviu os meus muitos berros de shipper, desde já as minhas desculpas, mas é provável que o volte a fazer.)
Creio que toda a saga conseguiu seguir uma boa linha de trama e o climax, assim como as dificuldades, cresceram de livro para livro, fazendo com que os leitores procurassem sempre saber mais. Há que recordar os leitores, no entanto, que esta saga é uma saga juvenil, ou YA (como se diz em inglês), e que portanto terá o seu q.b. de problemas adolescentes e uma escrita própria do género.
Tal como livros anteriores os leitores podem contar com batalhas e monstros saídos directamente da mitologia. Quem como eu, gosta de mitologia grega, sem dúvida que vai gostar deste re-inventar da mesma, tentando adivinhar a maneira como Riordan vê as personagens que nos deveriam ser familiares.
Esperamos agora pelo quinto e último volume da saga que sem dúvida acabara com um confronto final digno de memória.

  • A saga de Percy Jackson  é composta por cinco volumes;
  • Já comentamos o primeiro, segundo e terceiro volumes;
  • De momento os quatro primeiros volumes já estão editados pela  Casa das Letras;
  • A saga de Percy Jackson é seguida pela saga Heróis do Olimpo de  momento apenas disponível em inglês.


Ki
(Catarina)
Sobre a autora:

Bibliófila assumida e escritora de domingo. Gosta de livros e tudo o que esteja relacionado com eles, tem a mania que tem opiniões sobre livros e gosta de as expor no seu blog conjunto Encruzilhadas Literárias, tem também uma conta no GoodReads e é das melhores coisas que já lhe aconteceu.

Evento: Alyson Noël em Portugal

 Atenção fãs de Alyson Noël, a autora da série Os Imortais, vai visitar o nosso país de 25 a 27 de Outubro, para promover o lançamento do livro Infinito.

Para os fãs da autora que a quiserem ver ficam aqui as datas e locais:
  • Dia 25 pelas 18h na Buchholz, sendo esta "sessão" privada e apenas com inscrição; (para mais informações achamos este blog)
  • Dia 26 pelas 21h na FNAC do Centro Comercial Colombo;
  • Dia 27 pelas 16h na FNAC do Fórum Almada. 
Dias 26 e 27 a autora assinará livros e responderá a algumas questões sobre os mesmos. Logo se tem algo que querem saber, esta é a altura ideal para o fazerem. Não se esqueçam de levar os vossos livros para a autora os assinar e boa sorte!

Para quem ainda não conhece a série aqui ficam uns dados interessante:
  • 6 livros publicados - Eternidade, Lua Azul, Terra Sombria, Fogo Negro, Estrela da Noite e Infinito;
  • 65 semanas no top de vendas do The New York Times, 15 semanas em número 1;
  • Mais de 6 milhões de exemplares vendidos;
  • Traduzido para 36 países;
  • Direitos de adaptação para cinema adquirimos pela Summit Entertainment, a produtora da saga Twilight.

Opinião: O Livro dos Mosquetes, de Emílio Miranda

O Livro dos Mosquetes
de Emílio Miranda
Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 368
Editor: Saída de Emergência
Resumo:
Em pleno século XVI, quando o Império Português atingia o seu auge, um junco com marinheiros portugueses naufraga numa praia desconhecida. Sem o saberem, acabam de confirmar a existência de uma terra que só existia nas lendas: a Terra do Sol Nascente, o Japão. Deste inesperado contacto resulta a descoberta de um mundo tão diferente que parece arrancado dos sonhos: um mundo ordeiro e magnificamente belo, habitado por um povo cujos guerreiros - os samurais - superam em dignidade e crueldade, tudo quanto os portugueses haviam visto até então.
Depois do junco português ser reparado, parte de novo para o Mar da China. Mas nada voltará a ser igual, nem para os marinheiros que partem com a notícia para o rei português, nem para João Boavida, o marinheiro que, apaixonado pelo Japão e por uma misteriosa mulher, decide ficar.
Mas a maior mudança será para a própria Terra do Sol Nascente que, enfeitiçada pelos mosquetes que os portugueses trazem, nunca mais será a mesma.

Rating: 3,8/5 (desculpem mas 4 é muito alto e 3,5 é muito baixo!)


Comentário:
Gostaria de começar por dizer que a minha única e grande crítica a este livro vai para o diálogo. E digo-o porque este tem alturas em que passa de fluído e natural para autênticas lições de história, o que o torna não necessariamente massador e mas sim irrealista. 
Sei que na altura as pessoas eram mais instruídas que hoje, ora se a memória não me falta houve um jesuíta italiano que levou para a China mais de 50 livros dentro da sua cabeça, completamente memorizados e chegando lá os escreveu. Com isto quero dizer, que havia um certo nível de excelência que era requisitado às pessoas que se faziam ao mar com o intuito de descobrir mais sobre os povos. No entanto, João dá-nos a entender que, e apesar de ter sido educado pelo tio que era padre, recebeu uma educação muito superior ao normal. Esta educação acaba por não incluir, necessariamente, uma educação religiosa mas lhe dá capacidade para falar e dar opinião sobre vários temas, que talvez fossem de difícil compreensão para um português normal. Assim sendo, pareceu-me um pouco irrealista quando ele começa a explicar tudo, em japonês, à sua amada quando ela lhe faz perguntas.
De resto, o livro é genial, é um livro de época que faz justiça à cultura japonesa e mesmo as falas dos mesmos, estando em português, tem os seus maneirismos, como o "né", tornando-as mais realistas. Toda a atmosfera foi também muito bem descrita e creio que o povo foi capturado na sua essência. Algo que é raro encontrar, visto que os autores tendem a fantasiar as culturas orientais conferindo-lhes uma certa magia e encantando, perpetuando com isso estereótipos.
A verdade é que os portugueses foram os primeiros ocidentais a chegar ao Japão e na realidade, este ano fazem 450 anos desde a chegada dos portugueses ao porto de Kochinotsu. Foi por isso uma grande sorte este livro ter sido lançado este ano, foi na realidade, talvez o ano ideal e fico muito feliz de o ter lido nesta data tão especial.
Apesar de todo o romance em torno de João Boavida ser especulativo a verdade é que foi muito bem encaixado no contexto histórico e é deveras realista. Tenho que felicitar o autor pela sua pesquisa que sem dúvida deve ter sido intensiva e pela sua prosa que tão bem misturou romance e factos. Um livro que sem dúvida despertará a atenção dos curiosos em relação ao oriente.
Por curiosidade acabo este comentário com uma foto das celebrações dos 450 anos da "nossa" chegada ao porto de Kochinotsu. Nesta foto os japoneses vestem trajes típicos e carregam espingardas japonesas, que deduzo sejam de época.

Atenção Escritores: Colectânea "Beijos de Bicos"

Mais uma colectânea Encruzilhados! Há que pegar nas penas e começar a escrever! Boa sorte a todos.

A Pastelaria Studios Editora volta a apostar na divulgação de Novos Autores.
Consideramos que melhor forma de vos dar a conhecer é publicar os vossos trabalhos e divulgá-los, nos nossos meios de divulgação.
Por isso criamos as nossas (já famosas) Colectâneas.
O nosso trabalho vai crescendo, evoluindo e aperfeiçoando.
Queremos mostrar o vosso trabalho, mesmo que nos dê muitíssimo trabalho!
E a pedido de tanta gente, aqui vai o tema tão solicitado – O AMOR - em todas as suas formas, vivências e definições – tudo o que seja amor!
O Lançamento será no pino do Inverno, quando já nos apetece enrolarmos-nos em mantas, junto a lareiras de fogo brilhante.


Regulamento :
  • Envio do pequeno conto, em formato Word, para pastelarialivros@gmail.com até dia 30 de Novembro de 2012;
  • O tamanho da história: até 10 folhas (páginas) A4;
  • O vosso manuscrito deverá ser enviado num ficheiro word, com letra times new roman, tamanho 12pts;
  • A história deverá estar devidamente identificada;
  • Qualquer pessoa poderá participar, obedecendo ao tema sugerido;
  • A participação não obriga a nenhum compromisso monetário, por parte dos Autores, ou seja os autores participam gratuitamente;
  • Os Autores podem adquirir os exemplares que desejarem (com desconto de autor);
  • Todos os passos, até à publicação da obra, serão partilhados com os participantes seleccionados;
  • Tal como de costume todos os manuscritos que não obedeçam ao regulamento, não serão considerados.
Queremos ouvir os vossos “Beijos de Bicos”! Bom trabalho!

Atenção Escritores: Colectânea "Lugares e Palavras de Natal"

Olá, olá Encruzilhados!
Voltamos a chamar escritores, desta feita para uma colectânea de contos de natal, a editar pela Lugar da Palavra Editora. Podem consultar o regulamento completo aqui mas aqui fica o essencial do mesmo:

1. O prazo inscrição para participação na coletânea LUGARES E PALAVRAS DE NATAL e envio de textos decorre até 15 de outubro de 2012.

2. Os textos devem ser enviados em suporte informático (tipo word) e remetidos para editora@lugardapalavra.pt.

3. Serão admitidos textos do género lírico (poemas) e narrativo (contos). 

4. Cada autor poderá participar com um ou vários textos, que pode(m) ocupar entre um mínimo de duas páginas e um máximo de três, sendo que cada página corresponde a um conjunto de 1700 caracteres (incluindo espaços) ou 1400 caracteres (sem espaços), para os contos, ou 30 linhas de verso (incluindo espaços de transição de estrofe e eventuais versos demasiadamente longos). 

5. A ordem de publicação obedecerá a um critério a definir, posteriormente, pela organização. 

6. Os autores podem utilizar pseudónimo, embora sejam obrigados a identificar-se e o seu nome ser incluído na breve biografia a constar do livro. 

7. Os autores devem enviar uma curta nota biográfica, que será publicada, com um máximo de 600 caracteres, incluindo espaços.

O tempo não é muito caros escritores! Mas com vontade tudo é possível!
Deixamos-vos umas palavras da coordenadora do projecto, a Sr.ª Maria Eugénia Ponte:

Lugares e Palavras de Natal
Coletânea de poemas e contos 2012 
A Lugar da Palavra Editora quer editar um livro memorável para este Natal.
E gostaria de contar consigo!
Participe!
Muito OBRIGADA, cumprimentos,
Maria Eugénia Ponte

Resultado Passatempo: Antes do Futuro

Bom tarde caros Encruzilhados!

E depois da novidade fantástica que foi o nosso passatempo, em parceria com a Editorial Presença está na altura de revelar o resultado.
Após uma fantástica participação por parte de quem nos segue e lê frequentemente, chegámos ao vencedor, que receberá um exemplar do livro Antes do Futuro, da Editorial Presença!
Se ainda não tiver sido desta, teremos novidades em breve, por isso estejam atentos! 
Dito isto, o vencedor é: 

 44 - Joana [...] Ferreira, do Porto

Parabéns! Receberá em breve um email para confirmação dos dados submetidos no formulário. Boa terça-feira para todos e boas leituras!

Opinião: O Segredo de Sophia, de Susanna Kearley


O Segredo de Sophia,
de Susanna Kearley
Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 512
Editor: Edições ASA

Resumo:
Carrie McClelland é uma escritora de sucesso a braços com o pior inimigo de qualquer artista: um bloqueio criativo. Em busca de inspiração, ela decide mudar de cenário e visitar a Escócia, onde se apaixona pelas belas paisagens e pelo Castelo de Slain, um lugar em ruínas que lhe transmite uma inexplicável sensação de pertença e bem-estar. Tudo parece atraí-la para aquele lugar, até mesmo o seu coração, que vacila sempre que encontra Graham Keith, um homem que acaba de conhecer mas lhe é, também, estranhamente familiar. Com o castelo como cenário e uma das suas antepassadas - Sophia - como heroína, Carrie começa o seu novo romance. E rapidamente dá por si a escrever com uma rapidez invulgar e com um imaginário tão intrigante que a leva a perguntar-se se estará a lidar apenas com a sua imaginação. Será a "sua" Sophia tão ficcional como ela pensa? À medida que a sua escrita ganha vida própria, as memórias de Sophia transportam Carrie para as intrigas do século XVIII e para uma incrível história de amor perdida no tempo. Depois de três séculos de esquecimento, o "segredo de Sophia" tem de ser revelado.

Rating: 4/5

Comentário: Antes sequer de entrar pelo enredo, não posso deixar de referir esta capa. Embora para algumas pessoas possa parecer algo apagada pela escolha de cores claras, eu considero-a harmónica e foi um dos motivos pelos quais me apaixonei por este livro primeiramente. Transmite uma certa delicadeza que cativa e a própria imagem meio apagada da rapariga, mas com um olhar atento e desafiador, consegue sem dúvida agarrar-nos a atenção.
E agarrar-nos a atenção é algo que "O Segredo de Sophia" consegue fazer desde a primeira página, sem sombra de dúvida.
Carrie é uma mulher que vive assombrada pelos seus personagens, e não o digo num mau sentido. Não sei se têm amigos escritores, mas é bastante comum que as suas personagens passem mais tempo convosco do que eles mesmos, por vezes.  Ou que demos por nós a falar de personagens como se fossem um amigo conhecido. Para quem não está habituado pode parecer estranho, mas é a mais plena verdade que as personagens de um escritor por vezes ganham vida própria e são elas que comandam a própria estória, no qual quem as escreve não passa de um mero intermediário para as fazer chegar à luz do dia. A Catarina que vos diga a quantidade de vezes que temos conversa deste género. O que por sua vez tornou bastante engraçado o início deste livro para mim, dado que me identifiquei bastante com o que estava a ler. E se não me era estranho para mim, muito menos o era para Carrie e para a sua melhor amiga e agente. O que ela não esperava era que Slain lhe apresentasse uma composição diferente e que algumas personagens acabassem por ser mais reais do que outras...
Não quero entrar muito no enredo, como já vem sendo habitual nas minhas opiniões, mas não posso deixar de referir que este é um livro adorável. Achei piada ao conceito do livro dentro do livro e de ir realmente acompanhando a vida de Sophia e de todos os que a rodeiam. Certamente, tornou todo o livro mais rico e interessante. No entanto, e exactamente devido ao enfoque atribuído ao livro, a vivência de Carrie perdeu-se ao ponto dela se tornar uma personagem secundária. Não sei se esta foi a intenção inicial de Susanna, mas se assim o era não haveria necessidade de criar pequenas peças de um enredo a explorar, como a relação dela coma família Keith, que acaba por ser feita muito pela rama. A própria relação dela com a amiga e confidente perde-se e conclui-se em três rápidos momentos do livro. Todas as vezes que nos deparamos com Carrie, ou está a dormir sobre uma mesa, ou a conversar à porta de casa com alguém ou à procura de moedas para manter a electricidade.. No fim, acho que gostava de a ter conhecido, o que não me parece que o tenha feito; assim como gostava que tivesse sido mais explicado o motivo e o porquê de ter decorrido o que a fez chegar tão perto da sua personagem...
Concentrando-de então em Sophia e nessa segunda parte da história, apesar do enquadramento da estória e da própria sinopse o apresentar como um romance histórico, para mim enquadra-se mais num romance de época. A abordagem às questões históricas que estruturam acção acabam por se resumir a pequenos momentos, sendo que é a personagem feminina, a sua vida e as relações pessoais que possui aquelas nas quais a maior parte do livro se centra. Sophia não é uma personagem marcante, mas a sua doçura acaba por se alastrar até nós. Os seus sonhos e desejos, apesar de adaptados à época, podem em última instância ser considerados intemporais. Fiquei contente com o fim dela, sendo que até às últimas 30 páginas não achei possível que o enredo nos levasse naquela direcção.
No fundo, não vos consigo dizer claramente porque gostei deste livro. As pequenas falhas ao longo na narração assim como as partes omissas acabam por não ser essenciais para a narrativa, dado que esta personagem acaba por demarcar-se e centrar a nossa atenção nela. Talvez esse seja o verdadeiro segredo de Sophia. Adorei lê-lo e certamente que irei voltar a fazê-lo no futuro.

Cláudia
Sobre a autora:
 
Maratonista de bibliotecas e bookcrossing, a Cláudia ainda consegue estudar e fazer o seu mestrado enquanto lê nos transportes públicos. Defensora da sustentabilidade e do voluntariado é tão fácil encontrá-la numa biblioteca como na Rota Jovem em Cascais. É uma sonhadora e gosta de boas histórias, procurando-as em cada experiência que vive.